Tamanho do texto

No dia do sexo, uma homenagem a Samantha, de "Sex and The City", Charlie, de "Two and a Half Men", e uma galera que curte sem medo de ser feliz

Neste dia (6) é comemorado o dia do sexo e aproveitamos esse momento para listar os personagens da cultura pop que mais fazem sexo.

Leia também: Cenas de sexo que marcaram o ano de 2018

A relação desses personagens com sua libido e a maneira como eles usam o sexo para dimensionar suas relações pessoais são questões abordadas na lista do iG Gente a seguir.

Hank Moody (David Duchovny) em "Californication"

Californication arrow-options
Reprodução/Showtime
Cena de Californication

O escritor fracassado vivido por David Duchovny na série (2007-2014) faz o gênero macho frágil do tipo que não resiste a um rabo de saia, é incrivelmente charmoso, bom de sexo, mas extremamente imaturo emocionalmente.

A série, disponível na Netflix e no Globoplay, tem muitas cenas de sexo e aposta no erotismo para mostrar essa rotina errante de Hank, para quem o sexo é o elemento mais constante de sua vida.

Joey Tribbiani (Matt LeBlanc) em "Friends"

Friends arrow-options
reprodução/Warner Channel
Cena de Friends

O ator meio burro, mas gente fina de “Friends”, tem uma arma fatal para a conquista. A frase  “How are You Doing?” (Como você está?) e parece ser a pessoa que mais faz sexo no planeta, principalmente quando a referência é Chandler (Matthey Perry), com quem divide o apartamento por boa parte da série, que durou entre 1994 e 2004.

Leia também: As cenas sensuais que atrizes famosas se arrependeram de terem feito

O tom é mais cômico e a vida sexual de Joey tem mais relevância narrativa nas primeiras temporadas, mas ainda assim o astro de “Days of Our Lives” (a novela que o ator estrelava no seriado) merece um lugar nessa lista.

Samantha Jones (Kim Catrall) em "Sex & The City"

Sex and The City arrow-options
Reprodução/HBO
Cena de Sex and The City

Em uma época em que a sexualidade feminina era abordada como um dos maiores tabus sobre sexo, Samantha Jones virou um símbolo e tanto. Partidária do sexo por prazer, a personagem era a mais autêntica do quarteto da série da HBO que marcou época. Entre 1998 e 2004, período em que a série foi produzida, era Samantha, que levou até Sonia Braga para a cama, quem promovia os mais interessantes debates provocados pelo programa.

Nola Darling (DeWanda Wise) em “Ela Quer Tudo”

Ela quer Tudo arrow-options
Reprodução/Netflix
Cena da série Ela quer Tudo

Produzida por Spike Lee para a Netflix a partir de seu próprio filme, “Ela Quer Tudo” mostra a vida de Nola, que tem três relacionamentos simultâneos e prioriza sua satisfação sexual a dos parceiros. A personagem está muito à vontade com a própria libido e todos os homens que entram na sua vida adoram o desafio de decifrá-la. A série tem duas temporadas.

Fleabag (Phoebe Waller-Bridge) em "Fleabag"

Fleabag arrow-options
Reprodução/BBC
Cena de Fleabag

O luto pode ser um gatilho para uma relação não saudável com sexo ? Esse é o ponto de partida da deliciosamente sarcástica “Fleabag”, cuja protagonista aborda a prática sexual como válvula de escape para os problemas emocionais que tenta evitar. Isso não quer dizer que ela não seja extremamente física, sexual e que obtenha (muito) prazer de suas desventuras sexuais. As duas temporadas da série estão disponíveis no Amazon Prime Video.

Jules (Hunter Schafer) em “Euphoria”

Euphoria arrow-options
Reprodução/HBO
Jules em cena de Euphoria

Personagem mais iluminada da série da HBO que mostra a intensa vida de um grupo de adolescentes de um subúrbio de classe média nos EUA, Jules é uma mulher trans que explora sua sexualidade em encontros fortuitos com homens mais velhos. Ela acaba se apaixonando por uma menina, a protagonista Rue (Zendaya) e descobrindo que também pode ter prazer em relações com o sexo feminino.

Villanelle (Jodie Cormer) em “Killing Eve”

Killing Eve arrow-options
reprodução/BBC America
Cena de Killing Eve

Não é comum piscopatas mulheres. Pelo menos no contexto da cultura pop e justamente por isso Villanelle, a serial killer cínica de “Killing Eve” é tão sedutora. Sua libido é outro elemento narrativo poderoso na série criada pela mesma Phoebe Waller-Bridge de “Fleabag”. Bissexual, ela costuma ceder a seus desejos sem grandes ponderações e todo o cerne da trama pode ser explicado a partir desta perspectiva.

Lúcifer (Tom Ellis) em “Lúcifer”

Lúcifer arrow-options
Reprodução/Netflix
Lúcifer

O diabo em pessoa também gosta de sexo e, claro, utiliza de tudo e qualquer subterfúgio para atrair aqueles que lhe agradam para uma noite ou uma rapidinha de luxúria. Criada pelo mesmo Tom Kapinos responsável por “Californication” , a série usa e abusa do corpo malhado de Tom Ellis, mas tem menos cenas sensuais do que a trama protagonizada por Duchovny.

Hannah (Lena Dunham) em “Girls”

Girls arrow-options
Reprodução/HBO
Cena de "Girls"

Bipolar e egocêntrica, a protagonista da série que deu voz a toda uma geração hipster tem uma relação difusa com seu corpo, mas jamais ofertou qualquer predisposição de sublimar sua sexualidade. Ao longo das seis temporadas de “Girls” (2012-2017), a protagonista se masturbou, transou com desconhecidos, experimentou posições com o namorado Adam (Adam Driver), julgou muito a vida sexual das amigas e recriminou quando era ela o objeto de julgamento.

Leia também: Relembre casais da vida real que protagonizaram cenas de sexo na TV

Charlie Harper (Charlie Sheen) em “Two & Half Men”

Charlie Harper arrow-options
reprodução/Warner Channel
Charlie Harper em cena de "Two and a Half Men"

Criado à imagem e semelhança do próprio Charlie Sheen, o personagem é o tipo bon-vivant que só pensa em sexo , de preferência com mulheres bem mais jovens do que ele, bebidas e em dormir. A série, que eventualmente perdeu seu protagonista, se construiu em cima dessa dinâmica e da relação de Charlie com o irmão, um tipo loser, e o sobrinho que vão morar com ele.