Tamanho do texto

Autor vem ao Brasil pela 2ª vez para lançar "P.S. de Paris". Marc é um dos escritores mais lidos atualmente e se considera muito "sortudo" por isso

Com uma extensa lista de livros lançados, Marc Levy chega ao Brasil nesta quinta-feira (5) para o lançamento oficial de “P.S. de Paris”, seu mais novo romance. O autor é um dos escritores franceses mais lidos atualmente e teve seu livro “E se fosse verdade...” adaptado para os cinemas em 2005, com Mark Ruffalo e Reese Witherspoon no elenco.

Leia também: Livro "Não Me Julgue Pela Capa" retrata as inseguranças de Matheus Rocha

Marc Levy vem ao Brasil para lançar arrow-options
Divulgação
Marc Levy vem ao Brasil para lançar "P.S. de Paris"

Em “ P.S. de Paris ”, Mia é uma atriz consolidada nos cinemas e sua personagem é uma mulher apaixonada nas telonas. Na vida real, seu casamento vai de mal a pior, e, por isso, ela sai de casa e viaja para Paris em busca de se reconectar. Em entrevista exclusiva ao iG Gente , Marc Levy revela que Paul, um arquiteto e escritor que irá cruzar o caminho de Mia graças a um site de namoro, tem algumas características dele.

“Digamos que compartilhamos algumas coisas, ele provavelmente herdou a maioria das minhas imperfeições e falhas. Mas devo admitir que Paul é muito mais engraçado do que eu e que ele pode até ser um escritor melhor. Com certeza mais charmoso, o que é uma maneira de dizer que ele também é muito mais esperto, porém eu sou um cozinheiro melhor que ele”, conta com bom humor.

Já Mia não foi inspirada em ninguém em particular, o autor apenas “observou o que estava acontecendo ao seu redor e encontrou inspiração para todos os lados”. Fora das telonas, a personagem principal do livro vira garçonete no restaurante da amiga que a acolheu na cidade francesa.

Leia também: "Harry Potter" é proibido em escola nos EUA por sugestão de exorcistas

Carreira

Marc Levy escreveu seu primeiro livro sem pretensão de lançá-lo arrow-options
Reprodução/Facebook/Marc Levy
Marc Levy escreveu seu primeiro livro sem pretensão de lançá-lo

Marc começou a escrever sem a pretensão de lançar seus livros, sua ideia inicial era de presentear seu filho com o texto de “E se fosse verdade...” assim que ele tivesse a idade que o escritor tinha quando imaginou a história. Porém, tudo mudou quando uma de suas irmãs leu o manuscrito, gostou muito e encaminhou para uma editora, atitude que mudou totalmente o rumo da carreira do francês.

Os quase 20 livros lançados já foram traduzidos e publicados em 49 idiomas. Quando questionado sobre como se sente com toda essa mudança, Levy revela ter muita gratidão por todos os seus leitores. “Considero-me muito sortudo. Estou emocionado e honrado por ter tantos leitores em tantos países. Todos os dias sou grato aos meus leitores, por sua generosidade e lealdade”, conta.

Ele acrescenta: “Trabalho duro, mas sem garantias. Escrever é uma arte frágil e levo meu trabalho a sério, sem me levar a sério demais. Nunca sei, antes de um livro ser lançado, se ele vai alcançar meus leitores. Nada é imutável”.

Já sobre a adaptação de “E se fosse verdade...”, Marc não esconde a felicidade da escolha do elenco para o filme. “Fiquei muito feliz com a chance de ver Mark Ruffalo e o resto do elenco interpretar meu livro”, revela.

O escritor também conta o que realmente faz com que a adaptação de um livro para os cinemas seja fiel à obra. “Sempre que um livro é adaptado, a história é confiada a outros autores, roteiristas e diretores. As mudanças são inevitáveis. Mas para uma adaptação ser fiel, o que importa não são os cortes que serão feitos, mas se o diretor vai desejar permanecer fiel aos personagens do livro”, confessa.

arrow-options
Reprodução/Instagram/@manueladuarte
"P.S. de Paris" terá lançamento em São Paulo e Rio

Para escrever, Marc diz que carrega seus personagens por muito tempo até que suas personalidades estejam realmente prontas para “voar”. Porém, o francês admite que possui um pequeno ritual para escrita. “Começo procurando pela capa, depois vou organizar meu escritório e mantenho apenas o essencial, finalmente me acomodo e deixo vários objetos da sorte”, fala.

“Enquanto as personalidades dos meus personagens vão se desenvolvendo, o enredo vai tomando forma. Quando termino minha pesquisa, tento responder a pergunta ‘O que essa história realmente está tentando dizer?’ e, se eu conseguir respondê-la, é quando estou pronto para começar”, revela.

Leia também: Vem adaptação! Cinco livros jovem-adulto que merecem virar filme ou série

Marc Levy participará da Bienal do Rio no sábado (7) arrow-options
Reprodução/Instagram/@marclevy
Marc Levy participará da Bienal do Rio no sábado (7)


Marc esteve pela primeira vez no Brasil em 2011, para participar da Bienal do Livro do Rio. Na época, ele lançava “Tudo Aquilo Que Nunca Foi Dito”. “A primeira vez que visitei o Rio, estava viajando com minha editora. Todas as manhãs, andávamos ao longo da Baía de Guanabara, e era surpreendente. O Rio é uma cidade fantástica, com tantos contrastes. E os brasileiros que conheci eram muito amigáveis”, relembra.

Agora, em 2019,  Marc Levy  volta ao Brasil e chega no Rio de Janeiro no sábado, dia 7, na Bienal do Livro do Rio  , onde também paricipará do "Café Literário", às 15h. Antes disso, na quinta-feira (5), o escritor passa por São Paulo e lança o romance na Saraiva do Shopping Eldorado às 19h.