Tamanho do texto

Artista baiano ganhou notoriedade na indústria fonográfica por redefinir a música brasileira com uma batida revolucionária; Cantor deixa três filhos

Responsável por uma revolução na maneira de cantar e tocar violão que mudou tudo na música brasileira, João Gilberto morreu neste sábado (06), aos 88 anos. A causa da morte ainda não foi divulgada. Ele deixa três filhos, João Marcelo, Bebel e Luisa.

Leia também: Filho de João Gilberto acusa irmã de roubar dinheiro do pai

Morre João Gilberto aos 88 anos de idade
Divulgação
Morre João Gilberto aos 88 anos de idade

Nos últimos dez anos, João Gilberto , ícone da bossa nova foi aos poucos perdendo espaço para um personagem complexo. A decadência física, as questões de família, os problemas de dinheiro, os contratos mal feitos, enfim, um conjunto de episódios graves soaram mais alto do que o talento de um artista tão grande.

Leia também: Neta de João Gilberto usa página para compartilhar fotos e vídeos com avô

Grande e único. Graças a ele, a  bossa nova se consolidou e a música brasileira teve portas abertas para conquistar seu lugar no mundo. A brilhante geração de Caetano Veloso, Gilberto Gil e Chico Buarque não teria ido tão longe se não fosse a inspiração de "Chega de saudade", disco que João lançou em 1958.  

São muitos os capítulos desta história. Primeiro, o do adolescente que cantava coisas do rádio no alto-falante da Praça da Matriz de sua cidade, Juazeiro (BA). Depois, o jovem que foi para Salvador sonhando em se profissionalizar.

Em seguida, a ida para o Rio como crooner do grupo vocal Garotos da Lua. Não deu certo. Demitido por faltar aos compromissos, ele tentou outros caminhos, gravou um disco que não aconteceu, chegou a participar de show de Carlos Machado, passou por maus pedaços no Rio, sem casa, sem trabalho, sem perspectiva. O cantor nessa fase é fã de Orlando Silva, tenta cantar como ele, mas fracassa. 

Leia também: Destino de João Gilberto será definido em nova audiência

De 1955 a 1957, não se ouviu mais falar em João Gilberto  no Rio. São os dois anos que ele passa em Porto Alegre, Diamantina e, por menos tempo, na casa dos pais em Juazeiro. Quando volta ao Rio, é outro homem, outro cantor . Desta vez, lendário.

    Leia tudo sobre: músicas