Tamanho do texto

Fãs comemoram retorno da banda para turnê especial, mas a longo prazo banda sem principais componentes merece ficar na história

Alexandre Abrão, filho do líder do Charlie Brown Jr., anunciou que a banda formada por seu pai, Chorão , ganhará vida póstuma em 2019. Com show confirmado no Rock in Rio em setembro, ele decidiu reunir um time que irá celebrar o grupo de Santos (SP) em uma turnê com 25 datas confirmadas.

integrantes da banda charlie brown jr
Reprodução
Charlie Brown Jr. vai ganhar tributo com 25 shows pelo Brasil

O anunciou foi feito na última terça-feira (09), mesmo dia em que Chorão completaria 49 anos. O líder do Charlie Brown Jr. morreu em 2013 por conta de uma overdose, seguido meses depois pelo baixista Champgnion, que se suicidou.

Leia também: Aniversário de Chorão motiva homenagens com direito a regravação de Zóio De Lula

Com a tragédia, o grupo chegou ao fim, mas deixou uma legião de fãs que, até hoje, vivem pelas palavras de Chorão. A ideia de reunir um time que prestasse homenagens ao pai surgiu em janeiro, quando um tributo foi feito em São Paulo, no dia do aniversário da cidade.

O resultado foi tão positivo que Alexandre novamente reuniu artistas para apresentarem clássicos da banda como Zóio de Lula e Proibida Pra Mim . Da formação original, somente o guitarrista Marcão Britto marcará presença. Heitor Gomes (baixo) e Pinguim Ruas (bateria), também integrantes do grupo, completam o time, que terá um revezamento de vocalistas incluindo Panda, do La Raza.

Leia também: Marcelo D2 e Nação Zumbi estrelam clipe em homenagem a Chorão

Como homenagem, a ideia é positiva, ainda mais por conta da motivação de Alexandre que, além de manter viva a memória do pai, quer dar a oportunidade de fãs mais novos assistirem a banda ao vivo. Além disso, a ideia dos shows é que artistas menos conhecidos abram as apresentações e, assim, tenham mais visibilidade.

Para os saudosos, os shows serão uma forma de celebrar a banda que misturou estilos e ficou marcada como um dos principais nomes do rock a partir dos nãos 1990. Alexandre já disse em outras ocasiões que o pai deixou gravações prontas antes de morrer, mas que não pretende lança-las no momento.

Seis anos não é tempo o suficiente para reviver uma banda e a longo prazo não faz sentido retomar o grupo sem seus dois principais nomes. O Charlie Brown foi bom e importante por que existiu em determinado momento da música, sob o olhar de Chorão. Ele cantou sobre os problemas do Brasil, sua juventude pobre, e reverenciou estilos musicais que o influenciaram, como o rap e o rock, mas que dificilmente seria replicado por mais alguém, mesmo alguém próximo e com conhecimento profundo dos artistas.

Os 25 shows já parecem exagerados, ainda mais por contemplar principalmente cidades do sudeste, e não devem seguir além disso, deixando a memória e o legado do Charlie Brown Jr.  somente para a história, como deve ser.