Tamanho do texto

Série voltou a ter punch no ano em que enfrentou mudanças radicais e audiência ruim. Falta de norte, no entanto, compromete seu legado

Depois de um apoteótico e algo surpreendente penúltimo episódio, a nona temporada de "The Walking Dead" chegou ao fim sem grandes acontecimentos. Daryl (Norman Reedus) e Michonne (Danai Gurira) conduzem os sobreviventes do massacre no Reino até Hilltop, onde eles vão se instalar, no meio de uma forte nevasca. 

Leia também: Showrunner comenta cena a la Marvel no fim do 9º ano de "The Walking Dead"

Daryl, personagem de The Walking Dead
Divulgação
Daryl em cena de "The Storm", último episódio do nono ano de The Walking Dead

Se "The Storm" trouxe o mais forte inverno em nove temporadas para "The Walking Dead" , ratificou também que neste ciclo a série reencontrou sua vocação dramática de examinar as contradições e complexidades humanas. 

Para este fim, a chegada dos sussurradores e sua líder Alpha, vivida com agudeza e assombro por Samantha Morton ("Minority Report - A Nova Lei") foi providencial. Assim como a interação entre Judith (Cailey Fleming) e Negan (Jeffrey Dean Morgan) e a história de amor proibido entre Henry (Matt Linz) e Lydia (Cassady McClincy). 

A primeira metade da temporada se construiu basicamente sobre a premissa da despedida de Rick Grimes (Andrew Lincoln), protagonista da série. Após o hiato, o programa se assentou sobre a necessidade de mostrar como essas comunidades idealizadas por Rick sobreviveriam sem ele. 

Leia também: Spoiler de saída de protagonista, dá novo fôlego a "The Walking Dead" no 9º ano

Mais do que devolver um propósito dramático para a série, ainda que esbarre em conflitos repetidos aqui e ali, Angela Kang promoveu um reencontro do programa com seu ritmo. A lentidão voltou a ser sinônimo de desenvolvimento de personagem e amadurecimento de conflitos e não mais apenas um subterfúgio protelatório. 

O futuro

zumbi na neve em The Walking Dead
Divulgação
Cena de The Walking Dead

De todo modo, a falta de um norte prejudica a série . É imprescendível que se saiba para onde ir com esses personagens. O limbo que o AMC jogou a série, tirando um spin-off e mais filmes especiais, além de novas temporadas, compromete o legado dos personagens e a relação dos fãs com o programa.

Experimentando seu pior momento na audiência, "The Walking Dead" ganha uma sobrevida criativa graças ao trabalho engenhoso de Angela Kang que soube vitaminar expectativas e impactá-las quando necessário. Mas seria bom, para ela e para o público , vislumbrar o adeus. 

    Leia tudo sobre: The Walking Dead
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.