Tamanho do texto

"The Bridge", 2º episódio da nona temporada, mostra dificuldades de Rick em fundar os alicerces para a nova civilização por ele imaginada; leia a crítica

Ao longo de seus quatro primeiros anos, "The Walking Dead" se notabilizou por ser uma série com foco nos personagens, em suas contradições e desejos em um mundo pós-apocaliptíco. Esse norte se perdeu nos quatro anos seguintes, mas parece reencontrado com a chegada de Angela Kang como showrunner nesta nona temporada .

Leia também: Novas tensões políticas e concessões ao público no retorno de "The Walking Dead"

Rick enfrenta um zumbi em cena de
Divulgação
Rick enfrenta um zumbi em cena de "The Bridge", segundo episódio da nona temporada de The Walking Dead

"The Bridge" começa com Rick (Andrew Lincoln) contando sobre um dia ruim para Negan (Jeffrey Dean Morgan) e se esforçando, apesar do ceticismo de seu prisioneiro, para mostrar que um dia ruim no mundo que se constroi de acordo com seu idealismo de democracia e tolerância é melhor do que o vislumbrado sob Negan. É este choque de percepções e realidades que move "The Walking Dead" neste momento.

Temos Daryl (Norman Reedus), cada vez mais insatisfeito com a integração dos salvadores a esta nova e extensa comunidade arquitetada por Rick, e Maggie (Lauren Cohan) amadurecendo como uma figura de oposição a Rick. Justamente por isso temos Jesus (Tom Payne), que se sente responsável por ter ajudado a tornar Maggie uma figura de liderança em Hilltop, tão na defensiva neste episódio.

A série articula muito bem Daryl e Maggie como figuras antagônicas a Rick nesta nona temporada e, por trabalhar com o spoiler de que Rick deixará o elenco na metade deste novo ano, o show ganha mais tensão, dramaticidade e energia. Pode até ser que esses dois aliados, e figuras queridas do público, nada tenham a ver com a morte (?)/saída do protagonista da série, mas é uma válvula de tensão interessantíssima a se bombear neste momento.

Ademais, apostar nesse conflito, e em suas possíveis consequências, devolve à série sua força criativa soberana tão bem capturada no slogan da terceira temporada: lute com os mortos, tema os vivos.

Leia também: Zumbis visualmente remodelados são destaque no novo ano de "The Walking Dead"

O novo Rick?

Aaron tem parte de seu braço decepado. O que o futuro reserva para o personagem em The Walking Dead?
Divulgação
Aaron tem parte de seu braço decepado. O que o futuro reserva para o personagem em The Walking Dead?

Enquanto muitos fãs se perguntavam se um dos eventos mais importantes das HQs aconteceria na série, Rick perdendo uma mão, Angela Kang resolveu radicalizar e, de quebra, apontar novas figuras-chave para o futuro do show. Aaron (Ross Marquand) sofre um acidente enquanto trabalha na construção da ponte e é preciso cortar seu braço pouco abaixo do cotovelo. É uma cena tensa e que recorda à audiência da irreversibilidade de muitas coisas nesse mundo.

Com as iminentes saídas de Andrew Lincoln e Lauren Cohan da série, no entanto, este evento pode ser um sinal de que Aaron será um personagem de maior relevância no futuro. Querido pelos fãs, o personagem perdera punch nas últimas duas temporadas. 

Leia também: Com personagem empoderada, Jennifer Garner volta à ação em filme sobre vingança

"The Bridge" é muito feliz em tangenciar as dificuldades de se erguer um regime sustentável em meio a um cenário de tanta devastação. Rick e Michonne  (Danai Gurira) se assemelham cada vez mais a John Lennon e Yoko Ono e essa comparação é apenas mais uma a revelar como "The Walking Dead" parece reencontrada com seus dias de glória. 

    Leia tudo sobre: The Walking Dead
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.