Tamanho do texto

Longa, que estreia nesta quinta (28), mostra um argentino que mora no Rio casado com uma deputada com ambições políticas. Letícia Sabatella estrela

Pronto desde 2017, “Happy Hour – Verdades e Consequências”, coprodução entre Brasil e Argentina que trata de política e amor, finalmente chega aos cinemas do País. Primeiro longa de ficção de Eduardo Albergaria, a produção é estrelada por Letícia Sabatella e por Pablo Echarri.

undefined
Reprodução
“Happy Hour” une política e amor para opor masculino e feminino nas relações afetivas

Leia também: Letícia Sabatella prestigia pré-estreia de filme em São Paulo

O argentino Echarri vive Horácio, um professor universitário, escritor frustrado, que jamais se acostumou com a ideia de ser um estrangeiro no País da mulher. Vera ( Letícia Sabatella ) é uma deputada estadual que cogita lançar-se à disputa pela Prefeitura do Rio de Janeiro. É este o ponto de partida de “ Happy Hour ”.

Com o filho do casal em visita a familiares na  Argentina , Horácio enxerga a possibilidade de se aproximar da mulher. No entanto, é o assédio cada vez mais declarado da aluna Clara (Aline Jones) que se intensifica.

O momento de calefação faz com que ele proponha a esposa uma relação aberta. Logo fica claro que a abertura seria mais da parte dela do que dele e a partir daí o longa, cujo roteiro também é assinado por Fernando Velasco e Carlos Artur Thiré, enseja um comentário sobre choque cultural e percepções masculinas e femininas de uma relação fraturada.

undefined
Reprodução
“Happy Hour” une política e amor para opor masculino e feminino nas relações afetivas

Leia também: "Uma Viagem Inesperada" relaciona bullying à irresponsabilidade afetiva dos pais

No entanto, há pouca habilidade na articulação dos conflitos ensejados, e arejados por uma trama política que nunca decola, e nas soluções dramáticas aventadas. Horácio vira herói na cidade por ter participado – ainda que acidentalmente – da captura de um assaltante e isso colabora para que o partido de Vera decida por lança-la candidata à prefeita.

A sátira nunca se estabelece e os personagens não respiram o suficiente para extrapolar suas circunstâncias arquetípicas. De todo modo, o trabalho dos atores é inspirado. Sabatella dá dimensão e profundidade a uma mulher dividida entre a carreira política e a salvação de seu casamento, mas que resiste a se colocar no lugar do marido.

undefined
Reprodução
“Happy Hour” une política e amor para opor masculino e feminino nas relações afetivas

Leia também: "Lembro mais dos Corvos" é filme-relato das dores e desejos de uma mulher trans

Já Echarri responde pelos momentos mais bem-humorados do filme e segura a narrativa que pende para o ponto de vista de seu personagem. “ Happy Hour ” pode sofrer para adensar as muitas ideias que endereça, mas é um entretenimento recomendável para quem aprecia um filme sem medo de tentar ser diferente.