Tamanho do texto

Novo filme de Asghar Farhadi reúne Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín em trama cheia de segredos e dores. Filme estreia nesta quinta (21)

O cinema de Asghar Farhadi ("A Separação", "O Passado" ) é pautado pelo interesse quase que antropológico de observar o ser humano e essa característica está ainda mais aflorada em “Todos Já Sabem”, incursão do cineasta iraniano pelo cinema latino. O longa, rodado na Espanha e falado inteiramente em espanhol, é estrelado por Javier Bardem, Penélope Cruz e Ricardo Darín.

Leia também: “Bohemian Rhapsody” se fia na força do Queen para quebrar a banca no Oscar

Javier Bardem e Penélope Cruz em cena de Todos Já Sabem, que estreia nesta quinta-feira (21) nos cinemas brasileiros
Divulgação
Javier Bardem e Penélope Cruz em cena de Todos Já Sabem, que estreia nesta quinta-feira (21) nos cinemas brasileiros

Exibido no Festival de Cannes em 2018, o longa dividiu a crítica que estranhou essa experimentação melodramática de Farhadi. “Todos Já Sabem” ostenta uma estética ruidosamente latina, mais afeita a figuras como Almodóvar ou Rodrigo Garcia, mas comporta em seu centro gravitacional os exames multifacetados a respeito do homem e seu meio.

Aqui acompanhamos Laura ( Penélope Cruz ) que retorna ao pequeno vilarejo espanhol em que cresceu para o casamento de uma irmã. Ela ruma com os dois filhos, o marido argentino (Darín)ficou na Argentina por afazeres de trabalho.

Além das devidas amenidades e cobranças subliminares inerentes a todo reencontro familiar, Laura reencontra Paco ( Javier Bardem ), uma antiga paixão que é também o filho de antigos funcionários do pai de Laura, um tipo que envelheceu e recebeu a rabugice com desprendimento.

Paco, com muito esforço e talento, deu-se bem na vida. Hoje ele tem terras (muitas das quais outrora pertenceram à família de Laura) e produz vinho. Esse reencontro é marcado pelo afeto, mas o público logo intui que há faíscas ali e é justamente nessas miudezas que Farhadi pronuncia as reais razões de seu filme.

 Leia também: "Guerra Fria" narra flagelo de história de amor com ascensão comunista de fundo

O suspense e o resto que importa

Penélope Cruz em cena de Todos Já Sabem
Divulgação
Penélope Cruz em cena de Todos Já Sabem

Durante a festa de casamento, porém, algo tão improvável quanto desesperador acontece. A filha mais velha de Laura é sequestrada e os sequestradores deixam uma mensagem relacionando um caso do passado que acabou tragicamente.

Nos momentos que se seguem, Farhadi faz um jogo de cena interessante e abre espaço para Penélope Cruz, uma atriz tão eloquente física e dramaticamente, brilhar. Os personagens jogam suspeitas uns sobre os outros e o cineasta opera sobre as dúvidas da audiência sobre o que de fato está acontecendo.

O sequestro, como ficará claro em um dado momento, é o que menos importa dramaticamente para o cineasta. São suas reminiscências, o sufoco e as demandas que enseja nos personagens, e maneira como estes lidam com elas, que pauta o olhar – e os comentários – da realização.

O melodrama importa enquanto opção estética justamente porque oferece ao filme as ferramentas para extenuar a dinâmica do sequestro e os segredos e mágoas que ele traz avante.

Leia também: Comédia afetuosa, “As Ineses” reverencia grandes filmes italianos dos anos 60

“Todos Já Sabem” é um filme poderosíssimo nos arranjos, mas ainda mais impactante na soma. Com atuações muitíssimo bem calibradas, o longa busca uma reflexão incômoda, mas sedutora, sobre família, amores e todas as responsabilidades que os bifurcam.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.