Tamanho do texto

"Amigos para Sempre" estreia nesta quinta (17) nos cinemas após superar polêmicas nos bastidores e "Aquaman" nas bilheterias dos EUA

Hollywood não pode ver o sucesso de uma produção em língua não inglesa que já coça para fazer uma refilmagem. A coceira é irrefreável se o filme em questão fizer sucesso nos EUA. É o caso de “Intocáveis”, comédia francesa que foi um inesperado sucesso de bilheteria em todo o mundo em 2011 e chegou a concorrer ao Globo de Ouro de Melhor filme em Língua Estrangeira.

Leia também: "Temporada" observa reinvenção feminina sem pressões sociais e políticas

Amigos para Sempre estreia nesta quinta (17) em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Manaus, Belém, Fortaleza, Brasília e outras grandes cidades
Divulgação
Amigos para Sempre estreia nesta quinta (17) em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Manaus, Belém, Fortaleza, Brasília e outras grandes cidades

O então badalado produtor Harvey Weinstein viu no sucesso de “Intocáveis” , que revelou o talento de Omar Sy, que depois faria blockbusters hollywoodianos como “X-Men”, “Jurassic World” e “Transformers”, uma oportunidade de produzir um hit. Assim nascia “Amigos para Sempre” que, pronto desde 2017, foi para a geladeira depois do escândalo de assédio e abuso sexual que estourou em Hollywood a partir de denúncias contra Weinstein.

Dois anos depois, com a The Weinstein Company vendida e os direitos do filme renegociados, o filme estreou nos EUA sob outra polêmica, o protagonista Kevin Hart, que apresentaria a cerimônia do Oscar 2019, era pressionado a pedir desculpas por piadas percebidas como homofóbicas postadas no Twitter anos antes.

Leia também: "Cafarnaum" arrebata ao abordar caos do Oriente Médio pelo olhar de uma criança

O filme, no entanto, surpreendeu todas as expectativas e liderou as bilheterias em seu final de semana de estreia, desbancado “Aquaman”, que já estava no posto há três semanas. Ponto para a visão de Harvey Weinstein? Sim. Além de escalar um diretor (Neil Burger) capaz de pegar o material original e traduzi-lo com respeito e coração, o longa conta com dois protagonistas que vestem muitíssimo bem a pele de seus personagens.

Bryan Cranston já mostrara vigor e talento para viver personagens carrancudos antes, como em “Tinha que Ser Ele” (2016) e “Trumbo: Lista Negra” (2015), e aqui ele empenha seu charme e carisma para assumir o papel desse aristocrata milionário que compreensivelmente perde o gosto pela vida após ficar tetraplégico.

bryan Cranston, Nicole Kidman e Kevin Hart em cena de Amigos para Sempre
Divulgação
bryan Cranston, Nicole Kidman e Kevin Hart em cena de Amigos para Sempre

Kevin Hart, um comediante muito popular na América do Norte, sobeja na arte de fazer sempre o mesmo tipo, mas o faz tão bem que a gente não se importa. Se ele não traz para o papel nuanças que Sy, um ator mais inteiro, ostentava, compensa pelo humor fácil. O roteiro, obviamente, faz ajustes para que a comédia seja mais palatável ao gosto americano e é justamente Hart, como o ex-presidiário que acaba virando cuidador desse sujeito milionário, o fio condutor desse movimento.

Leia também: Revisionista, "Vidro" terá responsabilidade sobre legado de Shyamalan no cinema

Há, ainda, as presenças refinadas de Nicole Kidman e Julianna Marguiles comprovando que esta não é uma refilmagem qualquer. Como “Intocáveis” , “Amigos para Sempre” é um feel good movie de mão cheia e, tal como os protagonistas, superou poucas e boas para ter direito a seu final feliz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas