Tamanho do texto

Atriz estreia em “Creed II”, mas sua carreira está em curva ascendente e promete maiores sucessos em 2019. Confira entrevista com a atriz

“Você está viva em Vingadores?”. A pergunta é quase uma piada quando surge no fim do encontro de Tessa Thompson com jornalistas em São Paulo quando veio para promover seus próximos trabalhos no cinema, “Creed II” e “Homens de Preto”. A atriz ri, mas dá uma resposta certeira: “o que eu posso dizer é que o ‘Ultimato’ vai se concentrar nos sobreviventes e vocês viram eles no final do anterior”.

Tessa Thompson retorna em
Divulgação
Tessa Thompson retorna em "Creed II" e vive boa sequência de filmes em Hollywood

Sim, vimos, e sua Valquíria não estava entre eles. Ela viveu a personagem em “Thor: Ragnarok”, e sua deusa com problemas com a bebida foi um dos pontos altos do filme. Os diretores da saga dos heróis, porém, confirmaram que sua personagem está viva, portanto é possível que Tessa Thompson apareça quando “Vingadores: Ultimato” estrear em abril.

Leia também: Os melhores filmes de 2018 que não serão indicados ao Oscar

Independente disso, Tessa tem um ano cheio pela frente, resultado de uma carreira que segue em ascensão desde que ela se destacou na versão cinematográfica de “Cara Gente Branca”. Desde então, ela viveu a deusa mitológica em “Thor”, uma cientistas em “Aniquilação”, uma artista bem peculiar em “Sorry To Bother You” e logo mais será a parceria de Chris Hemsworth na caça aos alienígenas em “M.I.B: Homens de Preto ”.

 “Eu não achei que eu faria filmes de gênero”, conta a atriz sobre as ficções científicas que já trabalhou, que incluem ainda a série da HBO “Westworld”. Mas, entre um mundo e outro, ela retorna à Terra como Bianca em “Creed II”, agora noiva e esperando um filho de Adonis (Michael B. Jordan). “Eu amo Michael. Amo como conseguimos desafiar um ao outro e confiar um no outro”, comenta.

via GIPHY

Seu trabalho não é fácil já que, além de ser a parceria do protagonista, divide a tela com lutadores que passam os dias em academias. Mas de alguma forma, ela e Steven Caple Jr., diretor da sequência, fazem com que Bianca seja uma pessoa completa, que não existe apenas para preencher lacunas na vida do protagonista. “Em uma narrativa centrada em homens, todas as pessoas que trabalham na história tem que fazer o que podem para que as mulheres nesses espaços sejam interessantes”, comenta.

Tessa Thompson vive uma artista em
Divulgação
Tessa Thompson vive uma artista em "Sorry To Bother You", um dos melhores papeis de sua carreira

E “ Creed II ” faz isso com Bianca. Com um problema de audição que tende a piorar ao longo dos anos, ela vê certa urgência em seguir sua carreira de cantora. O casal muda para Los Angeles e, enquanto permanece ao lado de Adonis quando ele mais precisa, ela consegue um contrato com uma gravadora. “Ela amadureceu e evoluiu e isso se expressa na sua música”.

Thompson conta que Bianca que expandir seu trabalho, ser ouvida fora de um nicho. Talvez por isso ela tenha um dos melhores momentos em cena, grandioso e que a fez parecer como uma estrela pop.

Leia também: "Dear White People" mira microagressões raciais e debate sobre liberdades

Tessa Thompson mudando a narrativa

Entre seus próximos trabalhos está o reboot de
Divulgação
Entre seus próximos trabalhos está o reboot de "M.I.B - Homens de Preto" ao lado de Chros Hemsworth

“Eu vejo tantos filmes em que a mulher só vive pelo homem, morre pelo homem. Mulheres são comumente usadas como ‘funcionais’ para a narrativa, ao invés de algo que faça a narrativa progredir”, diz. E Tessa está fazendo sua parte para evitar que esse tipo de personagem se repita com frequência em filmes no futuro. Sua carreira, naturalmente, progride para que ela ocupe espaços onde antes não havia mulheres - menos ainda negras. Com “Homens de Preto” ela quebra esse paradigma, e com os projetos que tem a frente também.

Tessa conta que gosta de produzir filmes e da ideia de narrativas colaborativas, onde todos no set cooperam. “Se eu estou num filme, tudo é importante para mim, eu sou curiosa”. Isso se reflete não só em produções mais diversas, como em novas narrativas ganhando as telas. Seu próximo projeto na produção (e também como protagonista) é a biografia de Doris Payne, uma ladra de diamantes dos anos 1950. Ela ainda dará voz para a dama no live-action de “A Dama e o Vagabundo”.

Atitude fora das telas

Tessa Thompson escolheu o verde,
Divulgação
Tessa Thompson escolheu o verde, "a cor do chacra do coração", para divulgar "Creed II"

Esse processo de Tessa se reflete em suas outras aparições, seja para promover seu trabalho ou atuando em videoclipes. Em 2018 ela foi a musa de Janelle Monáe, com quem especula-se que ela tenha um relacionamento há anos.

Na turnê de divulgação de “Creed”, Tessa optou por looks amarelos, brancos e, principalmente, verdes. “Eu estava me sentindo atraída por essa cor. É a cor do chacra do coração e meu coração está repleto. (Me agrada) essa ideia de ser ousada, ter uma declaração vibrante de como eu me sinto feliz”, comentou.

Leia também: Vingadores, Tarantino, Dumbo, muito terror e os filmes mais esperados de 2019

E devia. Tessa Thompson está trilhando um caminho que é difícil comparar, especialmente com outras atrizes negras. E no caminho, ela deixa um rastro de ótimas atuações e filmes memoráveis, onde expõe todas as suas cores, seja verde ou qualquer outra.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.