Tamanho do texto

Gigante do entretenimento vai lançar própria plataforma de streaming e vai competir com Netflix usando gigantes como Marvel e Star Wars

A palavra “gigante” não faz jus ao que a Disney se tornou em 2018. O estúdio, que já era um dos maiores de Hollywood, dono de grandes franquias, ficou ainda maior com o acordo bilionário de compra da Fox. Com todo o potencial que tem embaixo de seu guarda-chuva, a empresa caminha para se tornar a soberana do entretenimento.

Divulgação
"The Mandalorian" será uma das novidades do Disney+, se passando no universo de Star Wars

Ainda assim, existe uma área que a Disney ainda não domina: o streaming . Mas isso vai mudar em 2019, já que o estúdio lançará sua própria plataforma, a Disney+. E com todo o seu poder de fogo, eles apostam alto no serviço, com duas produções dentro de suas principais franquias, a Marvel e Star Wars.

Leia também: Com compra da FOX, Disney reforça estratégia contra Apple e Netflix

“The Mandalorian” e uma história original do personagem de “Rogue One” Cassian Andor (Diego Luna) são as duas séries já anunciadas do universo das galáxias. Já na Marvel, o queridinho Loki (Tom Hiddleston) terá sua própria história também, além da Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen) e Falcão (Anthony Mackie).

Um desenho animado no universo de “Monstros S.A” e uma série baseada em “High School Musical” também estão em desenvolvimento. Além disso, o presidente de produção da Disney Sean Bailey, disse em entrevista ao The Hollywood Reporter que a ideia é fazer entre quatro e cinco filmes por ano exclusivos na plataforma. O serviço não deve estrear até o fim do ano nos EUA, mas é a prioridade do estúdio.

A força do streaming

Novo serviço de streaming da Disney vem com conteúdo forte para tentar desbancar Netflix
Divulgação
Novo serviço de streaming da Disney vem com conteúdo forte para tentar desbancar Netflix

A Netflix , que por anos caminhou solitária nesse formato inovador, tem aos poucos ganhado novos concorrentes. A Amazon entrou na briga e hoje, apesar de menor, já se estabeleceu no formato. Enquanto isso o Hulu – serviço menor e que não está disponível fora dos EUA – derrubou a força da Netflix com produções premiadas como “The Handmaid’s Tale”.

O Hulu, porém, tem na Fox um de seus sócios majoritários o que significa que agora ele também pertence a Disney. Bob Iger, o “todo poderoso” do estúdio já confirmou que, não só o Hulu seguirá existindo, como deve ser expandido para outros países nos próximos anos. Sendo assim, de zero a Disney passa a ter duas plataformas, cada uma com uma proposta distinta.

Hoje a Netflix tem tanto produções relacionadas à Marvel (que estão em processo de cancelamento , só “Jessica Jones”  e "O Justiceiro" seguem vivos até a próxima temporada) e séries premiadas como “The Crown”, mas vai ser muito difícil combater a força da Disney, mesmo com números altos.

Em 2018 a Netflix incluiu em seu catálogo cerca de 500 novas produções, incluindo conteúdo original, documentários, filmes, desenhos e novas temporadas. O número deve aumentar nos próximos anos, o que não significa que vai manter a plataforma em primeiro lugar.

Dona de produções memoráveis, como “Stranger Things” e “Orange Is The New Black”, a Netflix tem mudado sua estratégia e se divide em duas frentes: quantidade, com produções de qualidade duvidosa sendo lançadas quase que semanalmente, e qualidade, se unindo a diretores renomados.

No final de 2018 a plataforma lançou “Roma”, de Alfonso Cuarón, que tem grandes chances de chegar (e vencer) o Oscar. Se isso se confirmar, será a primeira vez que uma plataforma on-line alcança tal feito. Para 2019, Martin Scorsese estreia seu próximo trabalho no streaming: o filme “The Irishman”, que unirá Al Pacino e Robert De Niro. Esses lançamentos mostram a aposta da Netflix em entrar no seleto grupo de filmes premiados, ambição que, inicialmente, a Disney não tem.

E não precisa, já que eles têm a Fox para isso. Dentro do “pacote” comprado está a Fox Searchlight, dona de títulos como “Birdman”, “Pequena Miss Sunshine”, “Cisne Negro”, “Três Anúncios Para um Crime” e o vencedor de Melhor Filme em 2018 “A Forma da Água”. O estúdio tem emplacado consistentemente filmes nas premiações e pode muito bem desenvolver produções exclusivas para o Disney+ ou Hulu.

Leia também: Com Tatá Werneck e estrelas da TV, Globoplay entra em nova fase em 2019

Com isso, a Disney caminha para se tornar soberana também no streaming. A Netflix, claro, não vai deixar de ser uma gigante e essa batalha tem vencedores nos assinantes das duas plataformas, que tem um leque cada vez maior de opções para assistir em casa, no conforto de seu sofá.