Tamanho do texto

Atuações lembradas no Oscar 2018, algumas que devem figurar no Oscar 2019 e outras menos convencionais norteiam o ranking do iG Gente

Foi um ano próspero para o cinema e isso não podia escapar à retrospectiva 2018. Entre recordes de bilheteria e produções aclamadas pela crítica, muitas atuações se destacaram ao longo de 2018. O iG Gente selecionou aquelas que julga terem sido as 15 melhores da temporada. Conheça-as na lista abaixo.

Leia também: Jennifer Lawrence, Casey Affleck e as melhores performances de 2017 no cinema

  • Daniel Day Lewis (“Trama Fantasma”)
Daniel Day Lewis em cena de
Divulgação
Daniel Day Lewis em cena de "Trama Fantasma"

A (anunciada) última atuação de um dos maiores atores de todos os tempos é uma obra de arte em si. Entre a contenção e o escândalo, aliando sutileza e adensamento, Daniel Day Lewis cria um personagem distante, cheio de conflitos, e pelo qual o público padece entre a admiração e a repulsa.

  • Patricia Clarkson (“A Festa”)
Patricia Clarkson em cena de
Divulgação
Patricia Clarkson em cena de "A Festa"

Em “A Festa”, drama cortante e repleto de humor negro assinado por Sally Potter, Patricia Clarkson é April, aquela mulher que tem uma opinião formada sobre tudo e todos e não faz questão de manter para ela. A personagem é deliciosa e tem ótimas sacadas, mas é o ar blasé da atriz, que também fez diferença na minissérie  “Sharp Objetcs” que convulsiona tudo. Uma atuação minimalista de grandes proporções.

  • Yalitza Aparicio (“Roma”)
Yalitza Aparicio é dirigida por Alfonso Cuarón no set de
Divulgação
Yalitza Aparicio é dirigida por Alfonso Cuarón no set de "Roma"

“Roma”, que estreou enquanto a retrospectiva 2018 já estava em curso, é a estreia de Yalitza Aparicio como atriz, esse diamante bruto que Alfonso Cuarón lapida com sua obra mais pessoal. Entre a delicadeza dos gestos e a opressão dos silêncios, Aparicio comove e cativa. Sua atuação é cheia de pequenos momentos, de transições e espaços que inundam o espectador de sentido.

  • Amandla Stenberg (“O Ódio que você Semeia”)
Amandla Stenberg em cena de
Divulgação
Amandla Stenberg em cena de "O Ódio que Você Semeia"

Se é possível medir o pulso da audiência a partir de uma atuação não houve nenhuma outra em 2018 nas telas de cinema do País mais afeita à analogia do que a de Amandla Stenberg em “O Ódio que Você Semeia”. A jovem atriz de 20 anos recebe o turbilhão de emoções a qual sua personagem é submetida após testemunhar o assassinato de um amigo em um caso de brutalidade policial, com abnegação e coragem e guia o público pelo maremoto emocional que se segue.

  • Elizabeth Debicki (“As Viúvas”)
Elizabeth Debicki em cena de
Divulgação
Elizabeth Debicki em cena de "As Viúvas"

É difícil destacar e convergir força interior e fragilidade ressaltando sempre a vulnerabilidade de se estar fazendo algo perigoso, sem qualquer convicção e é ainda mais desafiante fazê-lo medindo forças com uma atriz do quilate de Viola Davis, com quem Elizabeth Debicki divide suas principais cenas em “As Viúvas”. O que essa atriz australiana, nascida na França e que já havia encantado em “The Night Manager”, faz no filme de Steve McQueen é primoroso e sensorial. Ela reclama a atenção do público para si sem embaraço algum.

  • Keira Knightley (“Colette”)
Keira Knightley em cena de
Divulgação
Keira Knightley em cena de "Colette"

Poucas atrizes se dão tão bem em filmes de época como Keira Knighley. Nesse contexto, para a britânica conseguir sair da sua zona de conforto em um filme dessa natureza é preciso um papel com bons predicados. E isso ela tinha aqui, assumindo a vida da primeira escritora francesa que viveu um casamento de abusos e incompreensão e explorou a sua sexualidade para além das restrições da época. A assertividade da atriz e a maneira como aborda pautas modernas nos detalhes de sua Colette tornam seu trabalho mais altivo e reverberante.

  • Steven Yeun (“Em Chamas”)
Steven Yeun em cena de
Divulgação
Steven Yeun em cena de "Em Chamas"

Desde que saiu de “The Walking Dead”, Steven Yeun tem apostado em projetos autorais como “Sorry to Bother You” e esse “Em Chamas”, filme sul-coreano que pode emplacar no Oscar . Na pele de um homem misterioso, mas charmoso e simpático, Yeun ajuda a revitalizar a estética do noir desenhada nos filmes de John Huston e Hitchcock. A compreensão do personagem pelo ator se revela para o público cada vez mais que se pensa no filme e este é um filme em que se pensa bastante.

  • Bradley Cooper (“Nasce uma Estrela”)
Bradley Cooper em cena de
Divulgação
Bradley Cooper em cena de "Nasce uma Estrela"

As três indicações sequenciais ao Oscar em 2013, por “O Lado Bom da Vida”, em 2014, por “Trapaça”, e em 2015, por “Sniper Americano”, afastaram de vez a dúvida de quem não tinha Bradley Cooper como um grande ator. “Nasce uma Estrela”, no entanto, o incensa ao olimpo dos grandes artistas que Hollywood já viu. Não só pela direção imaginativa e cheia de propriedade, mas pela atuação que sangra, doi e acalenta. Cooper é irascível e apaixonante em cena.

  • Lady Gaga (“Nasce uma Estrela”)
Lady Gaga em cena de
Divulgação
Lady Gaga em cena de "Nasce uma Estrela"

Não é a estreia como atriz de Lady Gaga, ou Stefani, como seu diretor a chama, mas é seu primeiro protagonismo no cinema. Carisma e magnetismo ela reitera aqui, mas demonstra uma sagacidade na abordagem da personagem e seus conflitos que apenas uma atriz pronta, intuitiva e com boa cota de recursos dramáticos poderia ostentar.

  • Rachel McAdams (“Desobediência”)
Rachel McAdams e Rachel Weisz em cena de
Divulgação
Rachel McAdams e Rachel Weisz em cena de "Desobediência"

Nesse drama sobre o amor proibido entre duas mulheres na conservadora comunidade Judaica, Rachel McAdams captura a angústia de não conseguir viver uma paixão. À medida que sua personagem vai duvidando cada vez mais de suas escolhas e desejando cada vez mais a mulher que ama, pela qual tem tesão, McAdams toma conta da tela com um desprendimento incomum. Sensual, doída e tateante, a atriz entrega uma atuação de pequenas, mas bravas, notas.

Leia também: Em ano de adeus a dramas marcantes, comédias dominam lista de séries do ano

  • Charlize Theron (“Tully”)
Charlize Theron em cena de
Divulgação
Charlize Theron em cena de "Tully"

A maternidade costuma gerar bons personagens em filmes que se resolvem sobre esse aspecto em particular. Mas o que Charlize Theron alcança em “Tully” radicaliza qualquer fórmula. Além da devoção emocional e intelectual à personagem, uma mulher que está a ruir com a chegada do terceiro filho, há uma entrega física e quase psicológica a Marlo, uma personagem tão verdadeira que provoca tanto empatia quanto assombro e muito disso graças a esse trabalho mediúnico de Theron.

  • Joaquin Phoenix (“Você Nunca Esteve Realmente Aqui”)
Joaquin Phoenix em cena de
Divulgação
Joaquin Phoenix em cena de "VocÊ Nunca Esteve Realmente Aqui"

Se você quer um trabalho metafísico, psicodélico e cheio de camadas psicoemocionais o ator certo é Joaquin Phoenix. Lynne Ramsay sabia disso e o escalou para viver o matador de aluguel cheio de traumas e TOCs de “Você Nunca Esteve Realmente Aqui”. Pense em Phoenix como um expressionista e o filme como uma pintura abstrata e você vai ter uma ideia do valor, e impacto, da obra e do trabalho do ator.

  • Sally Hawkins (“A Forma da Água”)
Sally Hawkins em cena de
Divulgação
Sally Hawkins em cena de "A Forma da Água"

Com uma atuação restrita ao gestual e às expressões faciais, já que interpreta uma mulher muda, Sally Hawkins encanta pelo minimalismo e pelas sutilezas com que constrói sua personagem e permite que o público espie seus anseios e angústias. Uma das coisas mais lindas de 2018 no cinema!

  • Margot Robbie (“Eu, Tonya”)
Margot Robbie em cena de
Divulgação
Margot Robbie em cena de "Eu, Tonya"

A fúria e a fibra de uma mulher que quis mais e não se avexou de ir atrás estão lá, assim como suas dependências emocionais, sua natureza violenta e sua necessidade por atenção. Margot Robbie investiga Tonya Harding com apetite, mas também com ponderação, e contribui para que “Eu, Tonya” seja um dos filmes mais brilhantes dos últimos tempos.

  • Woody Harrelson (“Três Anúncios para um Crime”)
Woody Harrelson em cena de
Divulgação
Woody Harrelson em cena de "Três Anúncios para um Crime"

Em um filme com potentes e oscarizadas atuações (Frances McDormand e Sam Rockwell), Woody Harrelson é a brisa. Ator acostumado a assumir papeis expansivos e espetaculosos, aqui ele investe em um registro mais calmo, macio, mas tem momentos de grande impacto. Uma atuação sensível e comedida, mas também trovejante e conscienciosa e, por tudo isso, imperiosa nessa lista da retrospectiva 2018.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.