Tamanho do texto

Nova série limitada da HBO, estrelada pela premiada Amy Adams, estreia globalmente neste domingo (8). Leia a crítica e saiba o que esperar

Depois do sucesso de “Big Little Lies”, que além de prêmios ganhou uma segunda temporada – a ser lançada em 2019 -, a HBO estreia neste domingo (8) “Sharp Objects”, sua nova aposta para cativar o público com uma minissérie, ou série limitada como comumente classificado atualmente.

Leia também: HBO tenta repetir sucesso de "Big Little Lies" com minissérie "Sharp Objects"

Amy Adams em cena de
Divulgação
Amy Adams em cena de "Sharp Objects", que estreia neste domingo (8) na HBO

Com os mesmos oito episódios do hit da temporada passada e também com o ponto de vista e os conflitos femininos como protagonistas, “Sharp Objects” é uma adaptação da obra homônima e best-seller de Gillian Flynn e estrelado por Amy Adams (“Dúvida”, “Trapaça”).

A série acompanha a repórter Camille Preaker (Amy Adams) que retorna à sua cidade natal para cobrir um caso que pode muito bem ser de um serial killer. Após a morte de uma menina, outra desaparece e a pequena cidade está em polvorosa com as perspectivas ensejadas.

Leia também: Nova série brasileira da Netflix, "Samantha!" satiriza o vale tudo pela fama

Chris Messina faz um detetive e potencialmente interesse amoroso de Amy Adams em Sharp Objects
Divulgação
Chris Messina faz um detetive e potencialmente interesse amoroso de Amy Adams em Sharp Objects

A série começa com uma jovem Camille espetando a Camille adulta com a ponta de um clipe. É a senha para percebermos que há muita bagagem emocional em jogo, algo valorizado pelos muitos flashbacks presentes nos dois primeiros episódios já assistidos pelo iG .

A chegada da protagonista à pequena Wind Gap, no Missouri, é intempestiva. Ela resiste a estar lá e quando vai ao encontro da mãe Adora (a ótima Patricia Clarkson ) o espectador começa a intuir o porquê. Assim como em “Big Little Lies” um mistério em torno de um assassinato embala um drama de cores fortes e muitas reminiscências.  Não à toa, Jean-Marc Vallée, que dirigiu os oito episódios daquela série, também está no comando da trama que tem a supervisão geral – e contribuição em alguns roteiros – de Flynn.

A espiral de segredos envolvendo o passado de Camille, sua tumultuada relação com a mãe, uma figura da alta sociedade de Wind Gap e as reverberações emocionais e práticas de uma investigação tão ruidosa como a do assassinato de adolescentes devem ser as linhas narrativas sobre as quais a série irá se apoiar.

Leia também: "Big Little Lies" aposta na força de grandes atrizes na TV e deve agradar

A tensão entre mãe e filha é uma das grandes forças de Sharp Objects
Divulgação
A tensão entre mãe e filha é uma das grandes forças de Sharp Objects

“Sharp Objects” , no entanto, se difere de “Big Little Lies” no ritmo e na costura dos conflitos. Aqui tudo é mais lento, subjetivo e intermitente. Flynn costumeiramente apresenta surpresas quando menos se espera e essa é uma narrativa que favorece esse tipo de intervenção. No drama estrelado por Nicole Kidman não era essa a tônica. Contudo, a decepção se afigura uma sombra mais imponente nessas circunstâncias.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.