Tamanho do texto

Quadrinista eternizado por clássicos como "Demolidor - Homem Sem Medo" foi um dos nomes mais requisitados e teve um painel próprio na CCXP 2018

Presente em todos os quatro dias da CCXP 2018 e um dos principais astros do concorrido Artists Alley, o quadrinhista John Romita Jr. foi só sorrisos na convenção e decidiu encerrar a sua participação no evento da maneira como se portou durante ele: sorrindo e fazendo seus fãs sorrirem, às vezes até gargalhando.

CCXP 2018 teve painel especial com John Romita Jr.
Brunno Kono/iG Gente
CCXP 2018 teve painel especial com John Romita Jr.

A CCXP 2018 dedicou um painel no segundo maior auditório da casa voltado apenas para o desenhista, que, livre, leve e solto, desandou a falar por quase 45 minutos sobre casos inusitados da carreira, os efeitos, para o bem e para o mal, de ser filho de um já consagrado artista - John Romita -, e rasgou elogios aos brasileiros.

Leia também: Capitã Marvel rouba a cena e aumenta expectativa na CCXP 2018

"Eu sei que amo esse país por causa das pessoas que conheci, e vocês são as pessoas mais chamosas e maravilhosas. Nunca encontrei um grupo de fãs mais apaxionado em uma convenção do que aqui e vocês precisam saber disso", declarou Romita Jr., provocando uma explosão de aplausos na sala.

Filho de peixe, peixinho é na CCXP 2018

John Romita na CCXP 2018
CCXP/ Marcelo Paixão
John Romita na CCXP 2018

O nome de John Romita Jr. não soa estranho para os fãs de HQs porque ele é filho de John Romita, ícone no mundo dos quadrinhos e um dos grandes responsáveis por fazer do Homem-Aranha um dos heróis mais populares da cultura pop.

Leia também: Com Tom Holland e Jake Gyllenhaal, Sony faz melhor painel da CCXP 2018

Questionado sobre a influência do pai, o norte-americano de 62 anos contou que tomou conhecimento do que "Romita Sr." fazia por conta dos constantes pesadelos que o obrigavam a sair do quarto e ir para o escritório do pai, onde por fim ele adormecia. Em uma dessas fugas, o jovem de apenas sete anos recebeu uma "palestra" sobre o Demolidor e ficou fascinado em como um herói poderia ser cego. "Ali eu fui capturado. E agora estou aqui com vocês."

Apesar do aparente talento genético dos Romitas, o pai foi contra ver o filho seguir a mesma carreira por acreditar que ele seria tratado mal na indústria. John afirmou que precisou "calar a boca" de muita gente e que se fosse socar a cara de todos que fizeram pouco dele, ele estaria na cadeia até hoje.

Leia também: Tom Welling relembra cena com Christopher Reeve: "Surreal"

Por outro lado, um lado mais leve, o desenhista revelou na CCXP 2018  um lado inusitado de trabalhar com os pais e tê-los de chefes: "Ele era diretor de arte e ela, gerente de planejamento. Eu evitava as salas deles. Uma vez recebi uma ligação da minha mãe dizendo que eu estava atrasado no prazo; falei que estava mal e gripado. Cinco minutos depois ela liga de novo e diz 'é sua mãe, você está bem?'".

Por fim, a desconfiança foi vencida no setor e Romita Jr. avalia que o sobrenome famoso nos quadrinhos fez com que ele trabalhasse mais e se provasse, embora tenha cogitado partir para trabalhos publicitários em um determinado momento. John se manteve nas HQs e hoje temos clássicos como "Demolidor - Homem Sem Medo" e, como ele próprio colocou, hoje ele está na CCXP 2018.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas