Tamanho do texto

Série estrelada por Richard Madden, de “Game of Thrones”, tem ação, romance, drama e conspirações políticas, mas cativa pela maneira inteligente com que se desenvolve. Leia a crítica do iG Gente abaixo

As séries produzidas pela  BBC  britânica têm um lastro de qualidade que dispensa maiores apresentações. “The Night Manager”, “Luther”, “Sherlock” e “The Office” são alguns exemplos recentes. Junta-se a essa benquista galeria “Bodyguard”, que no Brasil foi batizada de “Segurança em Jogo”. Com seis episódios de uma hora de duração, o drama se tornou o maior sucesso de audiência da história da TV do Reino Unido.

Leia também: Série da Netflix cativa com bromance idoso entre Michael Douglas e Alan Arkin

Divulgação
"Segurança em Jogo"

Segurança em Jogo ” chegou ao Brasil pela Netflix e naturalmente vale a espiada. Para além de todos esses predicados, a produção concilia com rara habilidade elementos de drama, romance, ação, suspense e thriller político. Criada por Jed Mercurio, de “Line of Duty” e “Critical”, o programa acompanha um sargento da polícia, ex-militar, que é destacado para a segurança pessoal da ministra do interior e precisa relevar o fato de discordar de suas orientações políticas.

Leia também: "Homecoming" aposta em Julia Roberts e teorias conspiratórias para virar cult

Divulgação
"Segurança em Jogo"

O mais sensacional da série é que lá pela metade ela se reinventa completamente, sem abrir mão das principais características que pavimentaram o caminho até então.

Divulgação
"Segurança em Jogo"

Richard Madden , famoso por ter interpretado Robb Stark em “Game of Thrones”, assume com devoção memorável o papel de David Budd, esse sujeito que vive uma crise familiar, mas cuja retidão no serviço parece improfanável. O roteiro, no entanto, trata de tornar sua figura ambígua em relação a Julia Montague (Keeley Hawes), a ministra do interior cuja plataforma de governo prevê o endurecimento do combate ao terrorismo em solo britânico.

A maneira como a série se desenvolve é eletrizante. Um mérito que precisa ser compartilhado com John Strickland e Thomas Vincent, que dirigiram três episódios cada. A cena de abertura já demonstra a inteligência com que o show prende seu espectador. Budd está em um trem com seus filhos e percebe alguma agitação da tripulação. Ele descobre que há uma ameaça de bomba iminente no local e se voluntaria para mediar a enervante situação. São 20 minutos dos mais tensos na TV em 2018 e a série volta à carga no excepcional último episódio, que reuniu mais de 17 milhões de britânicos em frente à TV.

Palmas para "Segurança em Jogo"

Divulgação
"Segurança em Jogo"

O aspecto mais entusiasmante da série da BBC, no entanto, é a maneira como flagra as articulações políticas na esteira da ameaça terrorista. O embate entre discursos e ideologias, o pragmatismo de bastidores e agendas e a maneira perversa com que os cidadãos ficam à mercê de poderosos envoltos em seus jogos de poder constituem os melhores predicados da série.

Leia também: "Vai Anitta" embala pop star brasileira para consumo internacional

Segurança em Jogo ” funciona porque alude, e o faz maravilhosamente bem, a diversos gêneros que não são tão bem contemplados pela produção audiovisual na atualidade. Como se não bastasse a maneira salutar com que desalinhava sua trama cheia de conspirações, a série encontra em Richard Madden um ator soberano e dotado de recursos dramáticos de arrepiar. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.