Tamanho do texto

Série britânica faz raro recorte das relações amorosas ao acompanhar casal que decide abrir a relação para salvar um casamento que parece falido

Lançada discretamente pela Netflix no final de outubro, “Wanderlust”, uma coprodução com a BBC britânica, é uma série bastante diferente dentro da paisagem das produções adultas que tratam de relacionamentos. A começar pelo tema central, relacionamentos abertos, mas também pela maneira com que aborda suas inevitáveis ramificações.

Leia também: "Excelentíssimos" faz retrato duro da atividade parlamentar durante impeachment

Toni Collette e Steven Mackintosh em cena de Wanderlust, já em cartaz na Netflix
Divulgação
Toni Collette e Steven Mackintosh em cena de Wanderlust, já em cartaz na Netflix

Criada e produzida por Nick Payne, que escreveu alguns episódios de “The Crown”, “Wanderlust” acompanha ao longo dos seis episódios que compõem a primeira temporada a rotina do casal formado por Joy (Toni Collette) e Alan (Steven Mackintosh), que vivenciam o esfriamento do desejo sexual um pelo outro e ponderam a respeito de como encarar esse problema.

Joy sofreu um acidente de bicicleta e ficou com a perna quebrada por um tempo. Circunstância que surgiu como o pretexto ideal para afastar qualquer contato sexual com Alan.  Com a recuperação iminente, o elefante na sala, ou no quarto do casal, volta à pauta. Joy é terapeuta conjugal e questões sobre a sexualidade e vida sexual de seus pacientes são frequentes e constantes. Justamente por isso ela parece se cobrar mais a respeito de como toca a própria relação com seu marido e com o próprio desejo.

Toni Collette em cena de Wanderlust
Divulgação
Toni Collette em cena de Wanderlust

Já Alan se ressente do afastamento gradativo da mulher. Ele está convencido de que ela o rejeita sexualmente e isso o aproxima de Claire (Zawe Asthon), uma colega que dá aulas na mesma escola que ele.

Ainda no primeiro episódio, Joy e Alan chegam ao entendimento de que seria válido abrir o casamento. Viver experiências sexuais fora do matrimônio. A conversa em que se dá essa decisão é um dos melhores arremedos narrativos de 2018 na TV mundial. Tanto pela qualidade dos diálogos, como pela complexidade do tema e abrangência dos raciocínios e sentimentos em jogo.

Leia também: Palco de debates, Twitter enseja novos desafios ao jornalismo cultural

“Wanderlust”

Cena de Wanderlust: e se você se apaixonar por quem só deveria fazer sexo?
Divulgação
Cena de Wanderlust: e se você se apaixonar por quem só deveria fazer sexo?

O significado da palavra que batiza a série é um “intenso desejo ou impulso de viajar, explorar o mundo” e isso se ajusta diretamente aos dois protagonistas da série. O mais interessante é observar como eles lutam contra arranjos sociais e composições dogmáticas, mas também contra instintos que não conseguem decifrar ao certo para tentar salvar tanto uma relação como eles mesmos.

Leia também: Genérico, “A Garota na Teia da Aranha” afasta complexidade de Stieg Larsson

“Wanderlust” é uma série sobre perdas e a inexorabilidade delas, também é sobre desenvolver mecanismos para melhor lidar com essa realidade inescapável, na vida, no amor e no sexo. Além das performances iluminadas do par de protagonistas, Sophie Okonedo, que dá vida a terapeuta de Joy, tem momentos de clarividência como intérprete. A delicadeza do desenvolvimento da história e a atenção aos personagens pautam a série que se resolve de maneira agridoce, mas verossímil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.