Tamanho do texto

Nova série da Netflix tem tudo para emplacar junto ao público jovem e lavar a alma de fãs de Harry Potter carentes de bruxaria na TV; leia a crítica

Um dos principais lançamentos da Netflix em 2018, "O Mundo Sombrio de Sabrina" finalmente chega à plataforma de streaming nesta sexta-feira (26). Em tempo para embalar o clima de Halloween dos saudosos da sitcom da série dos anos 90 e dos fãs da HQ que inspirou todo esse universo que deve responder por um dos maiores hypes da temporada.

Leia também: Com protagonista em crise, "Demolidor" vira um violento jogo de xadrez no 3º ano

Cena do batismo de Sabrina, destaque do terceiro episódio de
Divulgação
Cena do batismo de Sabrina, destaque do terceiro episódio de "O Mundo Sombrio de Sabrina"

Criada por Robert Aguirre-Sacasa (Riverdale) e com produção de Greg Berlanti, responsável por sucessos teen como “Riverdale” e “Arrow”, “O Mundo Sombrio de Sabrina” já teve sua segunda temporada confirmada antes mesmo da estreia.

O apelo juvenil é inegável e a estrutura narrativa favorece a identificação. Questões como bullying, triângulos amorosos na escola e afirmação feminina estofam dramaticamente a série que é um prato cheio para fãs de bruxas e para pottermaníacos carentes de uma produção alinhada a essa paixão na TV.


A trama de O Mundo Sombrio de Sabrina

Kiernan Shipka brilha como Sabrina
Divulgação
Kiernan Shipka brilha como Sabrina

Sabrina Spellman (a ótima Kiernan Shipka, de “Mad Men”) é metade bruxa e metade mortal. Seu pai era um bruxo influente que causou uma pequena revolução ao casar-se com uma mortal. Ele e sua mãe morreram em um acidente de avião quando Sabrina ainda era menor. Agora, prestes a completar 16 anos ela precisa escolher entre a imortalidade e a mortalidade. Não é uma escolha fácil e os dois primeiros episódios se ocupam de dimensionar o grande dilema que a protagonista se encontra.

Leia também: Se renovada, "A Maldição da Residência Hill" deve focar em novos personagens

À medida que a série avança, surgem novos conflitos para Sabrina, que está sempre a dar pistas de ser uma menina conciliadora, mas também muito firme em suas convicções, e descobrimos mais sobre o senhor das Trevas e todo aquele universo. Elementos de terror e ocultismo vão se revelando e ratificando o interesse pela série.

Um dos principais atrativos é a relação tumultuada das tias de Sabrina. Elas exercem alguma influencia sobre a menina, já que a criaram, e fazem pressão para que ela se submeta ao Senhor das Trevas e escolha o caminho da escuridão e imortalidade.

“Eu tenho o direito satânico de matar você”

Bastidores de O Mundo Sombrio de Sabrina
Divulgação
Bastidores de O Mundo Sombrio de Sabrina

Hilda (Lucy Davis), é gentil e atenciosa, enquanto Zelda (Miranda Otto) é autoritária e protetora. As encrencas entre as duas funcionam como alívio cômico. Frases como “Eu tenho o direito satânico de matar você” e outras gracinhas temperam a experiência de adentrar o universo de Sabrina. Outra atração à parte é Salem, o gato que não é apenas um gato e acompanha a jovem bruxinha a todos os lugares.

Leia também: Os dez atores mais bem pagos da TV em 2018

Com mistérios que se renovam, uma protagonista luminosa, bons personagens coadjuvantes e uma genealogia narrativa que permite muitas temporadas, “O Mundo Sombrio de Sabrina” promete ressoar bem junto a seu público alvo. A primeira temporada tem dez episódios de uma hora de duração e será disponibilizada na Netflix nesta sexta-feira (26).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.