Tamanho do texto

"A Favorita" será exibido no Cinearte Petrobras, às 21h30, nesta quarta-feira (24). Leia a crítica do filme premiado em Veneza e que deve figurar no Oscar

A opulência da corte inglesa do século XVIII é magnificamente capturada por Yorgos Lanthimos nesse seu terceiro filme em língua inglesa, que também é onde o grego está mais contido. O que não quer dizer que a perversidade com que observa seus personagens não se manifeste nessa comédia do absurdo que se pretende “A Favorita”, um filme sobre intrigas palacianas, mas também uma sátira política aguda.

Leia também: Spike Lee alerta para ciclos do ódio no ótimo "Infiltrado na Klan"

Emma Stone brilha em A Favorita, que está em cartaz na Mostra de Cinema de São Paulo e estreia comercialmente no Brasil em fevereiro de 2019
Divulgação
Emma Stone brilha em A Favorita, que está em cartaz na Mostra de Cinema de São Paulo e estreia comercialmente no Brasil em fevereiro de 2019

Como se não bastasse o olhar feroz de Lanthimos, que pela primeira vez não dirige o próprio material, o excelente roteiro é assinado por Tony McNamara e Daborah Davis, “A Favorita” ostenta três atrizes em estado de graça. É difícil apontar quem está melhor, mas Emma Stone certamente tem a personagem mais insinuante e se beneficia candidamente disso.

Quando o filme começa logo percebemos que Sarah Churchill (Rachel Weisz) domina muito tranquilamente a rainha Anne (Olivia Colman), que se comporta infantilmente e não tem a mínima noção de como governar de fato. Além de ter alguns problemas de saúde, a rainha parece somatizar bastante, algo que facilita as abordagens de Lady Sarah para a corte e para o país, em guerra com a França.

O cineasta grego Yorgos Lanthimos orienta Olivia Colman nos sets de A Favorita
Divulgação
O cineasta grego Yorgos Lanthimos orienta Olivia Colman nos sets de A Favorita

Essa relação já muito cômoda será estremecida com a chegada de Abigail (Stone), uma prima distante de Lady Sarah que perdeu seus títulos por causa dos vícios do pai. Mas como logo percebemos, Abigail é muito hábil em sua promoção e dona de uma elaboração intelectual que não se pode menosprezar. As duas passam a rivalizar pela atenção da rainha e a maneira como esse conflito reflete nos rumos do País, e da guerra, é uma das belezas incontidas da produção.

Os homens são meros peões nessa batalha em que mulheres miram mulheres e o alpinismo social mede forças com as engrenagens políticas. Lanthimos divide sua obra em cinco capítulos que tangenciam a vaidade e a sede pelo poder como vértices das maquinações políticas. É um espetáculo de luxúria e luxo algo grotesco que ganha comentários particularmente inspirados em uma cena de dança abruptamente interrompida e em outra em que nobres se divertem lançando tomates em um homem.

Leia também: Listamos 20 filmes imperdíveis da Mostra Internacional de Cinema em 2018

São, todavia, os diálogos entre Abigail e Lady Sarah que melhor revelam a sordidez daquele universo-bolha. Há momentos que “Ligações Perigosas” vem à mente, mas a natureza das ações das personagens aqui é mais espúria. Há agendas e outros alinhamentos e não apenas o prazer da manipulação. De toda forma, o parentesco é inegável.

Rachel Weisz em cena de
Divulgação
Rachel Weisz em cena de "A Favorita": de olho no Oscar 2019

Inegável também é a força criativa do trio de atrizes, que deve se destacar na vindoura temporada de premiações. Emma Stone é um acinte como a engenhosa e abusada Abigail. Rachel Weisz dá dimensão shakespeariana a uma personagem que vai ficando opaca conforme a trama avança, mas que é senhora das melhores metáforas do filme. Até mesmo naquela que ela eventualmente se materializa. Olivia Colman está soberba como essa mulher refém de carência e desejos e que não aceita as próprias inseguranças.

Leia também: “Primeiro Homem” une introspecção e espetáculo ao recriar jornada à Lua

Teatral e espetaculoso, mas minimalista em aspectos inesperados, “A Favorita” é um triunfo de Yorgos Lanthimos. Além de prover as personagens femininas mais complexas do ano, escancara toda a fanfarronice dos ricos e as manobras políticas impetradas pela manutenção do poder.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.