Tamanho do texto

Com foco no cinema nacional, o Spcine Play, uma parceria da Spcine e o Looke, está cheio de novidades em sua nova fase no streaming; saiba mais

Há uma plataforma de vídeo sob demanda no mercado. É a Spcine Play, com parceria entre a Spcine, empresa de cinema e audiovisual de São Paulo, e o Looke , serviço brasileiro de streaming.

Leia também: Ainda atrás da Netflix, Globo Play busca espectadores da Globo para emplacar

Catálogo da Spcine Play
Divulgação
Catálogo da Spcine Play

O conteúdo fica disponível no site dos parceiros e na página exclusiva da Spcine. Agora, com a infraestrutura tecnológica oferecida pelo Looke, o  Spcine Play também pode ser acessado por dispositivos em apps de celular e smart TVs. 

Leia também: Netflix x Globo Play: emissora carioca entra na briga por produções gringas

Para os apreciadores da arte nacional, a plataforma tem como foco filmes brasileiros. Sobre isso o diretor de conteúdo e novos negócios do Looke, Luiz Bannitz, faz questão de ressaltar a importância da parceria entre as empresas: "É essencial veículo de fomento e acesso à cultura brasileira, proporcionando aos usuários a melhor experiência no mercado de streaming que tanto cresce”.

Desde a data de lançamento da nova fase um total de 140 obras devem chegar a plataforma com atualizações semanais. Entre os destaques estão filmes brasileiros como “A Hora da Estrela”, de Suzana Amaral, “Iracema, uma Transa Amazônica”, de Jorge Bodanzky, “O Homem que Virou Suco”, de João Batista de Andrade e “A Dama do Cine Shanghai”, de Guilherme de Almeida Prado.

Vale ressaltar que o conteúdo também conta com a oferta de filmes de mostras e festivais como Anima Mundi, comKids, In-Edit e Festival Internacional de Curtas-Metragens, em conteúdo gratuito. O primeiro evento convidado é a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que vai disponibilizar dez longas da programação oficial deste ano na plataforma, que estarão disponíveis a partir de 18 de outubro, data que inicia a Mostra.

O catálogo conta também com videoclipes do Music Video Festival, como os de Johnny Hooker, Rincon Sapiência e Tim Bernardes, além de musicais da coleção Notas Contemporâneas, do Museu da Imagem e do Som (MIS), de São Paulo, com apresentação de grandes nomes do MPB como Moraes Moreira, Marina Lima, João Donato, Ivan Lins, Ney Matogrosso, Lenine, Baby do Brasil e João Bosco.

As novidades não acabam por aí. Haverá ainda a produção de conteúdo original, com espetáculos, shows e eventos culturais que acontecem em São Paulo.

Leia também: Intensificação da concorrência ameaça reinado da Netflix no streaming

Mauricio Andrade Ramos, diretor-presidente da Spcine, vê o  Spcine Play como um gesto à importância da cultura nacional: “É uma política pública de incentivo à circulação audiovisual, do cinema e de outras linguagens. E o melhor: torna a produção brasileira, sobretudo as mais históricas, mais próxima e mais acessível ao público”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.