Tamanho do texto

Javier Bardem, que foi dirigido pelo cineasta em "Vicky Cristina Barcelona” , observou que voltaria a trabalhar com Allen se ele o chamasse: "é um gênio"

O ator espanhol Javier Bardem defendeu Woody Allen das acusações de abuso sexual de sua ex-enteada durante o Lumière Film Festival . O ator também chegou a dizer que voltaria a trabalhar tranquilamente com ele. As informações são de acordo com a Variety .

Javier Bardem em registro para o El País
TRUNK ARCHIV
Javier Bardem em registro para o El País

Leia também:Dylan Farrow critica entrevista de Soon-Yi e reafirma abuso de Woody Allen

Javier Bardem que foi dirigido por Allen em "Vicky Cristina Barcelona” começou o discurso dizendo que o diretor era “um gênio”. "Eu trabalharia com ele amanhã. O status legal de Woody não mudou desde que filmamos 'Vicky Cristina Barcelona', em 2007”, ressaltou.

Leia também:Filha de Woody Allen comenta novamente sobre assédio cometido por seu pai

O ator ainda continuou defendendo Woody. “Ele nunca foi condenado por nenhum crime. Acusações públicas são muito perigosas. Se um dia houver um julgamento e ele for condenado, eu mudarei a minha opinião”. Após as palavras em defesa ao diretor ,o espanhol foi extremamente aplaudido pela plateia.

Vale lembrar que as acusações contra Woody Allen são referente aos anos 90, quando Dylan, sua ex-enteada, que tinha sete anos na época, disse à mãe Mia Farrow que o diretor a havia tocado de forma inapropriada em suas partes íntimas.

Dylan é filha adotiva de Woody  com Mia Farrow, atriz com quem manteve um relacionamento por 12 anos. Os dois de separaram quando Farrow descobriu que Allen mantinha um relacionamento com Soom-Yi Previn, sua filha adotiva do casamento com André Previn.  

Reflexão de Javier Bardem sobre "Onde os Fracos Não Tem Vez"

Reprodução
"Onde os Fracos Não Tem Vez"

Durante o Lumière Film Festival, o ator espanhol também aproveitou para relembrar o seu vilão em "Onde os Fracos Não Tem Vez", que lhe valeu um Oscar. Dando vida ao personagem Anton Chigurh, que fez sucesso com o cabelo ‘tigelinha’.

Leia também: Mulher de Woody Allen o defende de acusações e relata abusos de Mia Farrow

"Aquele cabelo veio de um livro que os irmãos Coen me mostraram. Uma foto tinha um homem dos anos 1960, no meio de um bordel, com um corte de cabelo daquele jeito. Era uma foto muito estranha", disse Bardem.

"Os Coen estavam morrendo de rir quando me mostraram a foto, obviamente. Então um cabeleireiro chegou e começou a cortar meu cabelo igual ao da foto. Os Coen vieram dar uma olhada no resultado e riram de novo, na minha cara. Eu tive que viver com aquele cabelo por quatro meses”, continuou o ator.

O ator ainda chegou a comentar que quando estava gravando o filme, policiais o pararam e começaram a rir de seu cabelo. "Foi a coisa mais humilhante que eu já passei. Eu andava por aí com uma touca no cabelo”, finalizou Javier Bardem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.