Tamanho do texto

A 42ª Mostra de São Paulo, que domina a agenda paulistana a partir desta quinta-feira (18), se beneficiou dos problemas de organização que assolaram o Festival do Rio em 2018 e reúne número impressionante de filmes laureados em festivais de cinema mundo afora; veja principais destaques

A  abertura da 42ª Mostra de São Paulo será nesta quinta-feira (18) no Auditório do Ibirapuera. O evento marca o pontapé inicial do momento mais agitado do calendário cinéfilo da cidade. Entre os dias 18 e 31 de outubro, o festival vai exibir mais de 336 filmes  em diversos pontos da capital paulista.

Leia também:  10 filmes imperdíveis da programação da 41ª Mostra de Cinema de São Paulo

42° Mostra Internacional de São Paulo
Divulgação/ 42° Mostra Internacional de São Paulo
42° Mostra Internacional de São Paulo


A 42ª Mostra de São Paulo é um dos maiores e mais importantes eventos de audiovisual do Brasil e traz em cada edição grandes filmes do cinema e um calendário com muitas atividades para seus frequentadores.

O filme de abertura será “A Favorita”, de Yorgos Lanthimos, que venceu o Grande Prêmio Especial do Júri e a Copa Volpi de melhor atriz para Olivia Colman no Festival de Veneza. 

Mostra Bombada

Divulgação/ 42° Mostra Internacional de São Paulo
"Uma Terra Imaginada"

Os principais longas em destaque estão o mexicano “Roma”, de Afonso Cuáron, que ganhou o Leão de Ouro no Festival de Veneza; o romeno “Não Me Toque”, que venceu o Urso de Ouro no Festival de Berlim; e o cingapuriano “Uma Terra Imaginada”, de Siew Hua Yeo, que faturou o Leopardo de Ouro no Festival de Locarno.

A 42° edição da Mostra de SP tem recorde de filmes americanos em sua programação. Mais de 30 filmes serão exibidos e em destaque estão os longas “Infiltrado no Klan”, de Spike Lee, e “Operação Overlord”, de Julius Avery.

Outros filmes que ganharam prêmios em festivais também vão fazer parte desta edição da Mostra: "Assunto de Família", de Hirokazu Kore-eda, "Guerra Fria", de Pawel Pawlikowski, "Em Chamas", de Lee Chang-dong, "Tarde para Morrer Jovem", de Dominga Sotomayor, "A Madeline de Madeline", de Josephine Decker. "Poderia Me Perdoar?", de Marielle Heller, "Vida Selvagem", de Paul Dano. 

Divulgação/ 42° Mostra Internacional de São Paulo
"O Grande Circo Místico"


Leia também:  Oscar divulga lista final com os países que disputam vaga para Filme Estrangeiro

O festival vai contar também com 103 títulos brasileiros distribuídos em várias sessões da Mostra. “O Grande Circo Místico”, de Carlos Diegues será exibido numa apresentação especial. O filme foi escolhido para representar o Brasil no Oscar 2019 e conta a história de cinco gerações de uma mesma família que estiveram à frente do Grande Circo Knieps.

Seleção latino-americana

Divulgação/ 42ª Mostra Internacional de São Paulo
"Roma" vai encerrar a 42ª Mostra Internacional de São Paulo


A Mostra tem uma seleção de 30 filmes produzidos por países latinos-americanos que vão ser exibidos nessas duas semanas. Países como a Argentina, México, Guatemala, Colômbia e Chile serão representados com títulos que foram premiados em festivais internacionais, como “La Muerte Del Maestro”, de José María Avilés (Equador), “José”, de Li Cheng (Guatemala),  “El Creador de Universos”, de Mercedes Dominioni (Uruguai), “El Motoarrebatador”, de Agustín Toscano (Argentina, Uruguai e França), “Mochila de Chumbo”, de Darío Mascambroni (Argentina), e ”Muere, Monstruo, Muere”, de Alejandro Fadel (Argentina, França e Chile).

Para encerrar a 42ª Mostra internacional de São Paulo, será exibido o filme mexicano “Roma”, de Alfonso Cuáron. O vencedor do Festival de Veneza é ambientado nos anos 70 e mostra os contrastes sociais do México ao contar a história de uma família em preto e branco. “Roma” é um dos favoritos para ganhar o Oscar 2019 e será disponibilizado na Netflix no final do ano.


Retrospectivas na 42ª Mostra 

Paula Prandini
"Central do Brasil"


A 42ª Mostra Internacional de São Paulo vai exibir muitos filmes em uma apresentação especial. Em comemoração aos 20 anos do filme “Central do Brasil”, premiado com o Urso de Ouro e Urso de Prata de Melhor Atriz para Fernanda Montenegro no Festival de Berlim, vai ser transmitida em uma cópia restaurada pelo Centro Nacional de Cinematografia Francês. A sessão terá a participação do diretor Walter Salles e dos protagonistas Fernanda Montenegro e Vinícius de Oliveira.

O festival vai transmitir quatro filmes sobre o líder sul-africano Nelson Mandela para homenagear seu centenário, como os longas “O Estado Contra Mandelas”, “Reconciliação: O Milagre de Mandela” e “Invictus”, que será exibido no Vão Livre do MASP. E também em sessão especial, a cópia restaurada de “O Bandido da Luz Vermelha”, de Rogério Sganzerla e o filme “O Bravo Guerreiro”, de Gustavo Dalh, que comemoram 50 anos de lançamento e serão exibidos na Mostra.

A volta de Lars Von Trier

Novo filme de Lars Von Trier será exibido na 42ª Mostra de São Paulo
Divulgação/Imdb
Novo filme de Lars Von Trier será exibido na 42ª Mostra de São Paulo


O inédito e polêmico filme do cineasta Lars Von Trier, “A Casa que Jack Construiu” terá sua primeira exibição no Brasil na Mostra Internacional de São Paulo. O longa conta a história de um serial killer interpretado pelo ator Matt Dillon, que já matou mais de 60 pessoas, principalmente mulheres. A produção teve uma estreia polêmica no Grand Theatre Lumière, em Cannes. A primeira sessão do filme teve mais de 100 pessoas que saíram da sessão antes do final, mas dos que restaram no teatro, muitos aplaudiram de pé. 

“A Casa que Jack Construiu”  choca com cenas explícitas dos assassinatos, empalhamento de cadáveres e tortura animal. Para muitos o cineasta exagerou nas cenas de violência ou sexo que já são comuns em seus filmes. O dinamarquês é conhecido por muitas polêmicas e já foi banido do Festival de Cannes após uma participação desastrosa em 2011 em que disse "entender Hitler". O filme conta em seu elenco com as atrizes Uma Thurman e Riley Keough.

Prêmio Leon Cakoff

Jafar Panahi
Divulgação/ 42ª Mostra Internacional de São Paulo
Jafar Panahi


A 42ª Mostra Internacional de São Paulo vai homenagear o cineasta iraniano Jafar Panahi com o Prêmio Leon Cakoff. Seu último filme, “3 Faces” será exibido na íntegra no festival e é um retrato de provincianismo e do machismo do Oriente Médio. O filme conta uma história de uma garota que é proibida pelos pais de seguir na carreira de atriz. O roteirista é um crítico do regime iraniano e já foi condenado a ficar 20 anos sem filmar ou sair do Irã em 2010.

Leia também: "O Grande Circo Místico" é escolhido para representar o Brasil no Oscar 2019

“3 Faces” foi indicado à Palma de Ouro e foi ganhador do prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Cannes. Jafar Panahi já foi vencedor do Prêmio da Crítica na 18° Mostra ao ser assistente de direção de Abbas Kiarostami em “Através das Oliveiras” (1994). Com seu primeiro longa-metragem, “O Balão Branco” recebeu o prêmio  Caméra d'Or para novos diretores no Festival de Cannes e entre outros prêmios.

Mulheres na 42ª Mostra

A cineasta libanesa Nadine Labaki, premiada em Cannes, é um dos destaques da Mostra de SP com
divulgação/Cannes
A cineasta libanesa Nadine Labaki, premiada em Cannes, é um dos destaques da Mostra de SP com "Capharnaüm"


A mostra tem uma seleção de 90 filmes estrangeiros dirigidos por mulheres. Por muitos anos, as mulheres não tinham muito espaço para trabalhar atrás das câmeras, mas hoje em dia esse cenário está mudando. Entre as mulheres que estão dentro da programação estão Adina Pintilie com “Não Me Toque”; Camille Vidal-Naquet com “Selvagem”; Almudena Carracedo com “O Silêncio dos Outros”;  Anja Kofmel “Chris, O Suiço”; Ash Mayfair “A Terceira Esposa”;  Maria Alché “Família Submersa”; Marie Losier “Cassandro El Exótico” e entre outras.

Confira a programação completa das exibições dos filmes e das atividades do festival no site oficial da 42ª Mostra de São Paulo. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.