Tamanho do texto

"Black Mirror", com estreia programada para dezembro, seria um dos primeiros projetos pilotos dessa nova iniciativa da gigante do streaming

De acordo com informações publicadas pela  Bloomberg  nesta segunda-feira (1), a Netflix disponibilizará aos usuários a opção de escolher o final que levam algumas de suas produções. O primeiro projeto envolvendo tal proposta deve chegar à tona no final deste ano. 

Imagens da 3ª temporada de
Divulgação/Netflix
Imagens da 3ª temporada de "Black Mirror", que chegou à Netflix nesta sexta-feira (21)

Leia também: Séries teen, Adam Sandler e volta de "Demolidor" na Netflix em outubro

A interação entre o público e a televisão tem crescido incessantemente. Visando envolver mais o usuário em suas produções, a plataforma de streaming  Netflix entrou com um projeto em que o público terá a possibilidade de escolher o final de algumas séries .

Não é a primeira vez que a plataforma adere à interação entre o usuário e as suas produções, levando em conta que no passado os usuários conseguiam escolher dentre finais alternativos de um programa intitulado "Puss in Book".

Uma das séries envolvidas no projeto é " Black Mirror ", que teve início em dezembro de 2011 e já conta ao todo 19 episódios distribuídos ao longo de quatro temporadas.

A quinta temporada de "Black Mirror" chega na Netflix em dezembro

Cena do episódio
Divulgação
Cena do episódio "Hang The DJ", da quarta temporada de "Black Mirror"

Leia também: Gretchen, Xuxa e repostas no Twitter: o jeito Netflix de fazer publicidade

"Black Mirror" terá a estreia de sua quinta temporada a partir de dezembro deste ano. Além disso, é uma das produções que estão envolvidas no projeto de interação entre o usuário e a série, ou seja, o público poderá ter influência sobre como os acontecimentos de determinado episódio se encerram.

A série gira em torno de histórias que duram apenas um episódio. As diferentes tramas abordadas costumam girar em torno de uma crítica social sobre a tecnologia e o futuro para o qual a sociedade está caminhando. A maioria dos episódios traz à tona um produto tecnológico fictício que, sob a premissa de tornar mais fácil a vida do homem, acaba se voltando contra ele.

Leia também: Nos EUA, Netflix já supera interesse por TVs aberta e paga

É valido ressaltar que a Netflix ainda não se posicionou oficialmente sobre o projeto envolvendo a interatividade entre os usuários e as produções da plataforma em questão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.