Tamanho do texto

Repleto de magia e suspense, novo longa com Jack Black e Cate Blanchett busca espelhar "Harry Potter" para emplacar nova franquia no cinema

Baseado na obra de John Bellairs, " O Mistério do Relógio na Parede ", com direção de Eli Roth, é uma grata surpresa para os fãs de uma boa história de encantamento, aventura e suspense - sendo o último elemento o que torna o filme um tanto sombrio, mas na dose exata. Com seu personagem, Jack Black, tão conhecido por '"Escola de Rock" (2003), tem diálogos ácidos, porém cômicos e sentimentais com Cate Blanchett ("Oito Mulheres e um Segredo"), que ajudam a contar a história do jovem Lewis (Owen Vaccaro). 

Leia também: Disney produzirá seu primeiro filme protagonizado por uma princesa africana

Jack Black estreia
Divulgação
Jack Black estreia "O Mistério do Relógio na Parede", um filme cheio de ação, mistério e magia


Com um currículo assustador e violento, como "Bastardos Inglórios", "Canibais" e "Desejo de Matar", o diretor do longa surpreende ao entrar no universo mágico da fantasia. O trio de personagens demostra química e não torna o filme infantil, mas sim maduro, mesmo com o personagem de Jack Black  (Jonathan Barnavelt) demostrando as mesmas fraquezas do pequeno Lewis. 

Leia também: Confira vídeo exclusivo de "Fantástica: Uma aventura no mundo Boonie Bears"

Jack Black ainda convence com seu humor maduro

Jack Black em cena de
Divulgação
Jack Black em cena de "O mistério do Relógio na Parede"

Jack interpreta um tio "gente boa", que agora precisa cuidar do seu sobrinho de dez anos que perdeu os pais em um acidente de carro. Porém, nem ele e nem Lewis imaginam como será essa nova jornada, já que Jonathan deixou a casa dos pais muito cedo devido a sua paixão por magia, elemento que une e cria um laço forte entre os recém conhecidos. 

Morando em uma mansão que tem vida própria, o tique-taque dos inúmeros relógios, a decoração e o tom sóbrio escondido pelas maldades e segredos de Isaac e Selena Izard, interpretados por Kyle MacLachlan e Renee Elise Goldsberry, tornam o filme mais encantador, já que os próprios personagens desenvolvem uma relação de afeto com o lugar juntamente com a magia. 

Assim, Lewis compreende que não será tão fácil se habituar com as novas mudanças, mas com a ajuda da Sra. Zimmerman, que também possui seus segredos e deixa evidente suas fraquezas por não poder mais ajudar Jonathan em seus feitiços, o garoto usa o seu poder de persuasão (e fofura) para conquistar o carinho e o direito de ser também um bruxo, sem necessitar de nenhum dom especial, mas sim de dedicação e imaginação - algo que ele tem de sobra. 

Leia também: Rixa com a Warner põe fim a trajetória de Henry Cavill como Superman, diz site

Há cenas que expressam toda a relação de afeto que começa a ser construída pelos três, juntamente com a casa, como a poltrona viva que se comporta como um cachorro, o vitral que muda conforme o sentimento que está expressando, como também a engraçada batalha entre o exército de abóboras que vão além de uma simples decoração para o Dia das Bruxas, mas sim como truque para espantar todos os males e perigos como também a possibilidade de jantar de biscoitos de chocolate. 

Nem toda magia salva "O Mistério do Relógio na Parede"

Cate Blanchett em cena do filme
Divulgação
Cate Blanchett em cena do filme


Há tantos momentos válidos, que o final da aventura deixa a desejar, com uma batalha entre o "bem e o mal" sem muita força ou elemento surpresa, mas sim algo simples que demostrou que o filme, com um roteiro tão bem desenvolvido, precisou correr nos momentos finais para não deixar a história cansativa, o que acabou resultando em uma falha. 

Mesmo assim, "O Mistério do Relógio na Parede" consegue ser cativante e atraente, mostrando o lado bobalhão de Jack Black , a postura firme e poderosa de Blanchett e os primeiros passos tanto de Owen Vacarro como também de Lewis, nessa possível franquia cheia de charme e encantos que ainda deve fazer muito sucesso. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.