Tamanho do texto

Bob Iger, CEO da Disney, falou pela primeira vez sobre a decisão de demitir o cineasta James Gunn, de "Guardiões da Galáxia", após os tuítes controversos

O chefe executivo da Disney, Bob Iger, quebrou o silêncio pela primeira vez durante uma entrevista concedida ao The Hollywood Reporter sobre a polêmica decisão de demitir o cineasta James Gunn da franquia "Guardiões da Galáxia", com base no ressurgimento de tuítes antigos contendo piadas ofensivas envolvendo estupro. 

ames Gunn foi demitido do comando da franquia
Divulgação
ames Gunn foi demitido do comando da franquia "Guardiões da Galáxia" na Disney depois de piadas ofensivas na internet

Leia também: James Gunn é demitido pela Disney após piadas ofensivas sobre estupro

Questionado sobre a demissão da atriz Roseanne Barr e o cineasta James Gunn, Iger declarou: "É uma mistura de escolhas que eu fiz e que eu apoiei. No caso de Roseanne, creio que foi uma decisão unânime dos executivos da Disney . Já quanto a Gunn, a decisão foi apresentada a mim e eu a apoiei. Não tive motivos para me arrepender".

O caso dos dois funcionários é semelhante. Ambos tiveram suas carreiras impactadas por causa do posicionamento nas redes sociais. Enquanto Roseanne utilizou o Twitter para espalhar ofensas racistas contra uma ex-oficial do governo Barack Obama, o diretor de "Guardiões da Galáxia" foi demitido por causa de piadas ofensivas disseminadas na mesma rede social em questão.

Bob Iger também deixou claro o posicionamento da empresa em relação às denúncias de assédio, como foi o caso de John Lasseter, que acabou deixando a liderança da Pixar graças às acusações. "O que estamos tentando fazer, é ter certeza de que há apenas um procedimento para lidar com esse tipo de denúncia. Estar certo de que esse procedimento não muda dependendo do quão alto ou baixo a pessoa denunciada e a pessoa estão na hierarquia".

CEO da Disney fala sobre aquisição da Fox e futuro de "Star Wars"

Alden Ehrenreich como Han Solo em cena do filme da Disney
Divulgação
Alden Ehrenreich como Han Solo em cena do filme da Disney

Leia também: Fim da novela? Fox aceita nova proposta bilionária da Disney

Bob também trouxe à tona a estratégia envolvendo a saga "Star Wars" e o futuro que envolve a franquia. "Os fãs podem esperar que pisemos um pouco no freio com 'Star Wars', mas isso não significa que vamos parar de fazer filmes", declarou durante a entrevista.

O executivo também explicou sobre a nova aquisição que a empresa conseguiu: A Fox e, consequentemente, os mutantes mais famosos do cinema, os X-Men. "Eu quero ser cuidadoso aqui, porque não sei exatamente o que prometemos à Fox. No entanto, é óbvio que não teremos propriedades da Marvel sob nossa jurisdição que permanecerão separadas umas das outras. Não precisa haver duas Marvel", declarou.

Leia também: Como a recepção ruim a "Han Solo" pode afetar "Star Wars" na Disney

O CEO da Disney afirmou ainda em entrevista que a supervisão dos mutantes será feita por Kevin Feige, chefe da Marvel Studios. Sobre o futuro da franquia, deixou um questionamento: "Kevin tem algumas ideias de como incorporar personagens ao universo, mas quem sabe o que pode acontecer?"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.