Tamanho do texto

O espetáculo fica em cartaz até o dia 30 de setembro e o iG visitou os bastidores dessa versão pocket que traz novidades no elenco protagonista

Era uma vez uma Gata Borralheira ingênua que sonhava em encontrar um príncipe encantado para se casar. Isso acontece depois que ela vai ao baile e perde seu sapatinho de cristal. Quem for assistir “Cinderella, o Musical” com essa ideia será surpreendido – positivamente – ao encontrar uma princesa que luta pelos direitos do seu povo e um príncipe muito mais ativo na história e que é a favor da democracia.

Divulgação/Caio Gallucci
"Cinderella, o Musical" fez uma turnê pelo país e agora voltou para São Paulo e segue em cartaz com sucesso de bilheteria


O espetáculo tem um tom atual e provocativo sem deixar o encanto dos contos de fada de lado. Depois de uma temporada de sucesso em 2016, “ Cinderella, o Musical ” ganhou uma versão pocket, saiu em turnê pelo Brasil e, após passar por diversas cidades brasileiras, voltou para São Paulo para uma curta temporada no Theatro Net, e o sucesso de bilheteria se repete.

Para conseguir rodar o Brasil com o espetáculo, a produtora Renata Renata Borges, da Touché Entretenimento, precisou condensar a mega produção que foi vista há dois anos no Teatro Alfa. “Os cenários do Cinderella equivaliam a oito caminhões, hoje em dia, não tenho como viajar com isso porque vou tornar o meu orçamento monstruoso e não vou ter patrocinadores que abracem a causa”, diz explica Renata em entrevista ao iG.

Lia Canineu vive sua primeira protagonista em
Divulgação/Caio Gallucci
Lia Canineu vive sua primeira protagonista em "Cinderella, o Musical"

Por conta disso, boa parte do cenário físico deu espaço a grandes projeções. Além das mudanças de cenário, houve trocas no elenco protagonista. A personagem título, que foi vivida por Bianca Tadini, agora é interpretada pela atriz Lia Canineu – que já está em seu quinto musical, mas começou justamente em Ciderella fazendo cover da personagem na qual hoje é a titular.

Durante o musical  a atriz tem cerca de sete trocas de roupa, sendo que algumas acontecem em cena, como quando a fada madrinha, vivida com propriedade pela talentosa Ivanna Domenyco, transforma a Gata Borralheira em uma bela princesa. Entretanto, o vestido e o sapatinho de cristal não deixam a protagonista, e também a história, cair no clichê.  

“É uma Cinderella emponderada, gosto de definir ela como ativista. Ela era muito moderna para sua época, pensava lá na frente e foi influenciando outras pessoas. É uma história diferente do original da Disney, diferente do livro e de tudo o que vimos da personagem”, conta a protagonista ao iG.

Lia vive seu primeiro grande papel demonstrando doçura e atitude e isso prova que ela está extremamente à vontade na pele da personagem. “Sonhava em ser uma princesa, acredito que é o sonho de muita atriz, não só ser a protagonista, mas ser uma personagem de fala de coisas tão boas.”

Em "Cinderella, o Musical", o princípe luta pela democracia

André Loddi e Lia Canineu são as grandes novidades do elenco de
Divulgação/Caio Gallucci
André Loddi e Lia Canineu são as grandes novidades do elenco de "Cinderella, o Musical"


Outra escolha certeira no elenco é o ator André Loddi, que vive o príncipe Topher, anteriormente interpretado por Bruno Narchi. Galã, atrapalhado e com forte senso de justiça, o príncipe ganhar força na história e chama atenção por lutar pela democracia no seu próprio reinado.

“Essa adaptação é muito assertiva , ela sai um pouco desse conto de fadas de que a Cinderella vai pro baile arrumar marido. Na verdade, ela vai para falar pro príncipe o que está acontecendo no reino”, afirma o ator. “Mesmo sendo um infantil, trata de problemas sociais. Ele é um príncipe que acaba sendo de esquerda, que questiona o próprio reino, tem uma crise de identidade porque está cercado de bajuladores e não enxerga a realidade do próprio povo.”

Paralelo a esse trabalho, Loddi está em cartaz com outro musical, “O Pacto”, no Teatro Porto Seguro, em São Paulo. “É uma loucura conciliar dois musicais, é um aprendizado muito grande porque são antíteses. No Pacto, eu faço um psicopata que tem prazer em matar crianças e aqui faço um príncipe que é bondoso. Como ator eu tenho que focar muito para não deixar um personagem interferir no outro”, conta ao iG.

Talitha Pereira faz a cômica madrasta em
Divulgação/Julio Leão
Talitha Pereira faz a cômica madrasta em "Cinderella, o Musical"

Os toques de humor deixam a história ainda mais leve e, claro, muito divertida. A madrasta da Cinderella, por exemplo, virou uma cômica vilã e é interpretada pela atriz Talitha Pereira. “Está sendo super divertido porque a vilã te dá possibilidade de tirar o riso de coisas que seriam trágicas. O humor é fundamental, metade das minhas cenas é baseada na comédia, se não cairíamos num drama, mas a intenção é ser algo para a família”, aponta a atriz que divide ótimas cenas com as irmãs da Cinderella.

Quem dava vida a madrasta em 2016 era a atriz Totia Meireles e, nessa época, Talitha já fazia parte do elenco do musical . “Mesmo que eu quisesse, não tinha como não me inspirar na Totia porque eu a vi construindo essa madrasta, ela é genial. Em teatro musical, também tem a questão do tempo, as montagens são muito rápidas, então quando entra um ator novo não dá tempo de construir do zero”, afirma a vilã que que não deixou de colocar seu tempero na personagem.

A curta temporada de “ Cinderella, o Musical ” vai até o dia 30 de setembro e a produtora do espetáculo garante que não tem a possibilidade de prorrogação. “É nossa cidade de despedida. Eu agradeço São Paulo e todas as cidades que tivemos, pela acolhida, pelo retorno e por todos os aplausos”, finaliza Renata.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.