Tamanho do texto

O poeta piauiense está em cartaz nos cinemas com o filme que leva seu nome

A vida e obra do poeta piauiense Torquato Neto ganha as telas dos cinemas no documentário "Torquato Neto - Todas as Horas Antes do Fim", dirigido por Eduardo Ades e Marcus Fernando. O filme remonta a trajetória de um dos poetas mais febris da cena cultural brasileira.

Leia também: "Daphne" mostra mulher na faixa dos 30 se libertando do conformismo emocional

O poeta Torquato Neto ganha documentário. Filme está em cartaz nos cinemas brasileiros
Divulgação
O poeta Torquato Neto ganha documentário. Filme está em cartaz nos cinemas brasileiros

As polêmicas, a obra, as colaborações e a mentalidade que movia o homem e o artista compõem a matéria-prima do filme que se articula sobre registros sonoros e visuais de arquivo e entrevistas com figuras que gravitaram o universo de Torquato Neto , como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Moreira Franco, entre outros. 

Leia também: A revolução nada silenciosa das mulheres no universo do podcast

Sobre Torquato Neto

Torquato Neto era um dos poucos artistas da Tropicália que ainda não tinha sua vida e obra documentada em audiovisual. Em sua breve trajetória, atuou em múltiplas frentes, sempre deixando sua marca inventiva: na poesia, na música, no cinema, no jornalismo, na produção cultural. Nascido em Teresina, em 1944, filho de funcionários públicos (Heli da Rocha Nunes e Salomé Nunes), na adolescência Torquato muda-se para Salvador para terminar os estudos do ensino médio – é quando conhece Caetano Veloso.

Ao lado de Gilberto Gil: artista influente no cenário da Tropicália
Divulgação
Ao lado de Gilberto Gil: artista influente no cenário da Tropicália

Chega ao Rio de Janeiro para estudar direito – mas acaba optando pelo curso de jornalismo, que acabaria por abandonar depois. Mesmo assim, o jornalismo acabará se tornando um importante meio para a expressão de sua poética.Em 1965 e 1966, começa a fazer letras de música em parceria com artistas como Edu Lobo (Pra dizer adeus, Veleiro, Lua nova), Caetano Veloso (Nenhuma dor) e Gilberto Gil (Meu choro pra você).

Em 1967, adere ao movimento da Tropicália, sendo responsável por algumas das mais importantes músicas do período: Geléia Geral e Marginália II (ambas em parceria com Gilberto Gil ) e Mamãe, Coragem (em parceria com Caetano Veloso).No fim de 1968, com o movimento tropicalista sofrendo duros ataques e a conjuntura política do país se fechando, parte para a Europa, apenas uma semana antes do AI-5. Primeiro mora em Londres, onde colabora para a realização da exposição de Helio Oiticica, seu amigo, na White Chapel Art Gallery. E depois, vive uma temporada em Paris.

No início de 1970, já de volta ao Brasil, nasce seu único filho, Thiago, do seu casamento com Ana Maria Duarte. Passa por internações no Sanatório Meduna e no Hospital Psiquiátrico Pedro II, onde escreve o Diário do Engenho de Dentro.Em 1971, participa da criação do suplemento cultural Plug, do Correio da Manhã, e depois assina a coluna Geleia Geral, no jornal A Última Hora. Aproxima-se cada vez mais de artistas mais “marginais”, como o artista plástico Hélio Oiticica (com quem mantém intensa correspondência), o poeta Waly Salomão (com quem colabora no Plug), o cineasta Ivan Cardoso, e o músico Jards Macalé (com quem compõe Let’s play that).

Torquato Neto em manifestação
Divulgação
Torquato Neto em manifestação

Atua como o personagem-título de Nosferato no Brasil, filme em super-8mm de Ivan Cardoso e encampa o movimento super-oitista. Sua coluna Geleia Geral acaba se firmando como o grande veículo de propagação do imaginário marginal desse período.Em 1972, realiza em Teresina seu primeiro filme, desejo acalentado há vários anos: O Terror da Vermelha, em super-8mm. Participa como ator em outros três filmes: Dirce e Helô (de Luiz Otávio Pimentel), e O padre e as moças eA múmia volta a atacar (de Ivan Cardoso). Em parceria com Waly Salomão, concebe e organiza a revista Navilouca (que só seria lançada anos mais tarde).

Leia também: "O Filho Uruguaio" eleva potência da complexidade do sentimento de ser mãe

Na madrugada do dia 10 de novembro, após seu aniversário, suicida-se em seu apartamento, no Rio de Janeiro. Em 1973, Ana Maria Duarte e Waly Salomão organizam seus escritos e lançam a primeira edição do livro "Os últimos dias de Paupéria". Em 1974, a "Navilouca" é publicada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.