Tamanho do texto

A humanidade descobre que diminuir de tamanho pode salvar o planeta e garantir uma vida pródiga no novo filme de Alexander Payne (“Os Descendentes”) que estreia nesta quinta-feira (22) no Brasil

Um dos encantos do cinema é se utilizar de premissas aparentemente absurdas para falar de situações e circunstâncias dolorosamente reais e próximas. A ficção científica é o gênero mais pródigo em exercer esse particular fascínio cinematográfico, mas não é incomum que gêneros mais tradicionais o façam. É o caso de “Pequena Grande Vida”, em que o diretor e roteirista Alexander Payne propõe um radicalismo – o ser humano descobriu uma fórmula para encolher e massificou isso – para falar sobre crise financeira, solidão e ambientalismo, entre outras coisas.

Leia também: Artesão de personagens, Alexander Payne lança "Pequena Grande Vida"

Matt Damon e Jason Sudeikis em cena de Pequena Grande Vida, que estreia no Brasil nesta quinta-feira (22)
Divulgação
Matt Damon e Jason Sudeikis em cena de Pequena Grande Vida, que estreia no Brasil nesta quinta-feira (22)

Matt Damon é Paul Safranek, um terapeuta ocupacional que na verdade queria ser médico cirurgião. Ele, como tantos outros, recebe com surpresa e espanto a descoberta do cientista norueguês Jorgen Asbjornsen (Rolf Lassgard) de que é possível miniaturizar pessoas ao subtrair sua massa celular, processo que fica conhecido como downsizing, título original de “Pequena Grande Vida”.

Leia também: Esquisitice de “Trama Fantasma” adorna história de amor e conflito de gêneros

Embora entusiasmado com a notícia, Paul a vê com o distanciamento que nós humanos encaramos o desconhecido, o exótico. Ele passa a considerar diminuir de tamanho como uma alternativa real pela possibilidade de converter sua renda, de classe média baixa, em uma verdadeira fortuna – já que a vida para os pequenos é muito mais barata. A descoberta científica é ofertada como uma estratégia para brecar os danos ambientais que os seres humanos acarretam ao planeta. Mas é publicizada como uma alternativa para fugir da crise financeira cada vez mais alastrada. Payne e Jim Taylor, habitual colaborador na confecção dos roteiros do cineasta, são muito precisos e enfáticos no desenho dessas nuançes.

Alexander Payne dirige seus atores em
Divulgação
Alexander Payne dirige seus atores em "Pequena Grande Vida"

As reverberações de tal descoberta, no sistema econômico, na politica imigratória e em outros pontos da organização social surgem encorpadas no longa, mas é a transformação íntima de Paul que norteia o drama com pitadas de um humor estranho, deslocado.

Os personagens coadjuvantes iluminam essa jornada de uma maneira muito bem-vinda e que agrega grande valor ao filme, nos espectros narrativo, espiritual e reflexivo. Christoph Waltz vive um viajado e por vezes inadequado vizinho do personagem de Damon que tem uma filosofia de vida peculiar e sente-se atraído pela figura de Paul. Já Hong Chau é Ngoc Lan Tran, uma ativista vietnamita que é miniaturizada contra a vontade e trabalha como faxineira no bairro residencial que Paul vive.

Leia também: Jennifer Lawrence, Casey Affleck e as melhores performances do ano no cinema

Matt Damon e Christoph Waltz em cena de
Divulgação
Matt Damon e Christoph Waltz em cena de "Pequena Grande Vida", que estreia nesta quinta-feira (22)

A premissa de “Pequena Grande Vida” é tão boa e oferta tantas possibilidades reflexivas que Payne pena um pouco para achar seu final, que é um tanto anticlimático e talvez excessivamente manufaturado, mas mesmo assim mantém o eixo humanista de sua filmografia pregressa em grande estima. Trata-se de um filme com premissa ambiciosa, mas de proposta consideravelmente menos complexa. A ideia aqui é justamente discutir aspirações pessoais, mas Payne faz um comentário (bastante sagaz) sobre como o homem moderno é suscetível a interferências externas (propaganda, religião, ativismo político) e como essa condição pode resultar nele desaparecendo em si mesmo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.