Tamanho do texto

Indicado a seis Oscars, "Trama Fantasma" é uma história charmosa sobre um amor que se constrói de maneira surpreendente. Estreia nesta quinta (22)

A sofisticação narrativa, visual, sonora e diegética do cinema de Paul Thomas Anderson parece não encontrar limites. Depois de ofertar ao mundo pelo menos duas obras-primas nas figuras de “O Mestre” (2012) e “Sangue Negro” (2007), o cineasta apresenta um filme de magnetismo singular como “Trama Fantasma”.

Leia também: Com humor incômodo, "Eu, Tonya" conta incomum história de 2ª chance desperdiçada

Daniel Day Lewis e Vicky Krieps em cena de Trama Fantasma, que estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (22)
Divulgação
Daniel Day Lewis e Vicky Krieps em cena de Trama Fantasma, que estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (22)

Trata-se de um filme que se revela novo a cada camada desvelada. Mais intenso e alegórico a cada novo desdobramento e de uma elegância, no texto, nos diálogos, mas também na construção dos conflitos e na arquitetura visual, ímpar. “Trama Fantasma” é uma história de amor esquisita, adornada por uma atmosfera de estranhamento que se descobre uma elaboração aguda sobre o antagonismo de classes sociais e também entre os gêneros masculino e feminino.

Leia também: Soberbo, “Três Anúncios para um Crime” captura América enfurecida da era Trump

Daniel Day Lewis é Reynolds Woodcock, um prestigiado estilista na Londres dos anos 50 que mantém uma relação bipolar com suas musas, mulheres com as quais se relaciona em busca de inspiração formal e sensorial para seus vestidos, disputadíssimos na alta sociedade londrina e europeia. Alma (a sensacional Vicky Krieps ), no entanto, parece ser uma musa de outra natureza. Ela se apaixona por Woodcock, como elas geralmente se apaixonam, mas há um fascínio diferente nela e o público se debate para descobrir exatamente o que durante boa parte das mais de duas horas de projeção.

Cena de Trama Fantasma, indicado a seis Oscars
Divulgação
Cena de Trama Fantasma, indicado a seis Oscars

A maneira como Anderson aborda a subserviência de Alma que vai se metamorfoseando em encanto, desencanto, rebeldia e comunhão é um alento para apreciadores de um bom e original drama. A maneira como Woodcock é abordado por Anderson e Lewis é um assombro. Irascível, temperamental  e ocasionalmente cruel, o personagem é um dos mais ricos e bem talhados da fabulosa carreira de Daniel Day Lewis. A maneira como o ator o desenvolve de dentro para fora, com energia, dor, enfado e emoção é um alento para apreciadores da arte refinada, associativa e sugestiva.

Leia também: Com "The Post", Spielberg reafirma valores do jornalismo como ciência social

Do roteiro muitíssimo bem estruturado à trilha sonora imolatória, passando pelos figurinos lindíssimos, pela direção de arte requintada, “Trama Fantasma” é um deleite. Cinema do mais alto grau de rebuscamento, mas que também se atenta ao básico, aos personagens. Nesse sentido, Alma e Woodcock são o alicerce de uma história surpreendente, poderosa e inadvertidamente aflitiva. Anderson observa os absurdos - e caprichos - da existência com a placidez que só é possível no amor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.