Tamanho do texto

“Torre Negra”, “A Múmia” e Rei Arthur” são alguns dos filmes que não renderam nas bilheterias e decepcionaram nos cinemas em 2017

O ano de 2017 foi, em geral, fraco na bilheteria do cinema. As principais franquias, mesmo com bons resultados, apresentaram números menos expressivos do que o esperado. O que não necessariamente significa um fracasso. Mas, em alguns casos, os números não fecharam e os filmes ficaram no prejuízo. Separamos as maiores decepções de bilheteria esse ano que, talvez tenham tido um bom desempenho ao redor do mundo, mas não alcançaram as expectativas dos estúdios.

Leia também: Novo "Rei Arthur" reconta história clássica à la Guy Ritchie

"Rei Arthur: A Lenda da Espada"

Rei Arthur
Divulgação
Rei Arthur

O filme de Guy Ritchie passou por uma pequena novela antes de finalmente estrear no cinema . Rodeado de expectativa por ser 1- um filme de Guy Ritchie e 2-   Charlie Hunnam , o filme acabou decepcionando. Apesar de ter o estilo clássico de Ritchie de ritmo e fotografia, o longa não apresentou nada de realmente novo e o “hype” não se cumpriu. O filme, que inicialmente seria lançado em julho de 2016, mudou duas vezes o lançamento até que chegou aos cinemas em maio deste ano. Mundialmente, o filme superou os US$ 100 milhões de bilheteria, impulsionado pela exibição internacional, já que nos EUA não chegou aos US$ 40 milhões. No Brasil o filme também foi mal: no total foram R$ 7 milhões, o que o garantiu entre as 20 maiores bilheterias do ano. O filme foi superado até mesmo por “A Cabana” ou “Anabelle 2”.

Leia também: "A Múmia" dá pontapé no Dark Universe, universo compartilhado de monstros

"O Círculo"

Divulgação
"O Círculo"

Enquanto “Star Wars – os Últimos Jedi” não estreia e derruba a bilheteria de todos os outros filmes, “A Bela e a Fera” continua sendo o maior sucesso de 2017. O remake do desenho da Disney estrelado por Emma Watson teve a maior arrecadação do ano (até agora) e, mesmo sendo mediano, foi um dos grandes sucessos de 2017. Por isso, é ainda mais surpreendente que o outro filme da atriz, “O Círculo” tenha ido tão mal. E não só isso, o filme ainda conta com o queridinho máster de Hollywood, Tom Hanks, e John Boyega, nome revelando em.....”Star Wars”. Nada disso adiantou. O filme que custou cerca de US$ 18 milhões para ser rodado fez US$ 20 milhões no mundo, apenas US$ 9 milhões nos EUA. No Brasil, o filme mal superou o primeiro milhão.

"A Múmia"

A Múmia
Divulgação
A Múmia

A decisão de fazer um remake de “A Múmia” já não parecia das melhores. Mas, a Universal foi além e contratou uma das maiores estrelas de filme de ação (e, consequentemente alguém que não sabe dividir o protagonismo) para ser tornar o caçador de múmias moderno. Com Tom Cruise a frente do longa, é claro que não faltaram pulos de avião, ressuscitações e cenas de ação improváveis. Mas, na prática, o filme perdeu a essência das versões anteriores e não impressionou. Ainda assim, mundialmente o filme fez US$ 400 milhões, impulsionado pelas bilheterias internacionais, inclusive o Brasil, onde o filme foi o 15º mais assistido do ano. Porém, nos EUA foram apenas US$ 80 milhões, bem abaixo do esperado, ainda mais considerando que a Universal planeja uma série de filmes dentro do universo de monstros, como Frankenstein e Homem-Invisível.

"Torre Negra"

Torre Negra
Divulgação
Torre Negra

Filmes, séries e outros projetos baseados na obra de Stephen King costumam gerar expectativa. Um longa estrelado por Idris Elba e Matthew McConaughey também. Assim, “Torre Negra” era garantia de sucesso. O filme foi uma das grandes apostas da Sony, que investiu pesado na promoção. Mesmo assim, o resultado não alcançou o esperado. Com um orçamento médio de US$ 60 milhões, nem isso o filme conseguiu nos EUA, dependendo também da bilheteria internacional. Por aqui, foram menos de R$ 300 mil na primeira semana.

"Valerian e a Cidade dos Mil Planetas"

Divulgação
"Valerian e Cidade dos Mil Planetas"

Os filmes citados acima entraram nessa lista por que, de um jeito ou de outro, decepcionaram quando a expectativa para seu lançamento no cinema era grande. Ainda assim, nesse ano, não teve maior decepção de “Valerian e a Cidade dos Mil Planetas”. A tentativa de Luc Besson de extrapolar a fantasia hollywoodiana tradicional deu errado e o preço pago foi caro, muito caro. O diretor, responsável por “O Quinto Elemento”, sofreu um baque no bolso: sua produtora, a EuropaCorp, chegou perto de falir e registrou prejuízo de US$ 135 milhões. O filme, que arrecadou US$ 225 milhões mundialmente, obrigou Besson a tomar medidas extremas na produtora, que incluiu a venda de estúdios e do direito de produções da empresa.

Leia também: “Torre Negra” e as adaptações cinematográficas da obra de Stephen King

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.