Tamanho do texto

Há sete décadas, a canção era composta pelos músicos Luiz Gonzaga e Humberto Pereira. Hoje é um ícone da música popular brasileira

Preguiça e festa, para o brasileiro, são palavras que nunca poderão estar na mesma frase. São João, por exemplo, saiu do Nordeste e espalhou os quitutes e os grupos dançando quadrilha pelas mais diferentes regiões e, além de entreter as pessoas com momentos inesquecíveis de diversão, essas festas são entusiastas indiscutíveis da cultura brasileira e, acima de tudo, nordestina. Nesse sentido, como é que dá para esquecer da música Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, uma das principais faixas na trilha sonora desses eventos tradicionais?

Leia também: São Paulo recebe festival de cinema Italian Film Fest em outubro

Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, autores da letra de
Reprodução/Twitter
Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, autores da letra de "Asa Branca", responsáveis por ressignificar gêneros musicais nordestinos e a própria história de seu povo para o restante do Brasil

É mais do que necessário lembrar que eventos tradicionais como festas juninas não só divertem, mas também evidenciam a importância de verdadeiros símbolos culturais do País enquanto expressão do povo que ocupa essas terras tropicais. Entre esses símbolos, está a canção Asa Branca, que faz 70 anos agora em 2017 e, mesmo depois de sete décadas, continua congelada como uma música que é um verdadeiro ícone de representatividade nordestina.

Leia também: Humberto e Ronaldo lançam novo clipe, "Pai da Pinga"; assista

Dia 3 de março de 1947. Para uns, pode ser uma data como qualquer outra, mas para Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira essa junção de números e letras marcam um momento mais do que inesquecível em suas vidas. Era nesse dia, há 70 anos atrás, que os músico gravavam em solo carioca a primeira música que vem à cabeça quando o assunto é cultura nordestina. Sem querer deixar um momento tão significativo passar em branco, é que o iG Gente resolveu exaltar a importância da composição desses dois ícones para o Brasil e, acima de tudo, para o povo do Nordeste.

A música

Falar de Asa Branca é falar de um verdadeiro símbolo da música popular do Brasil quando nos permitimos olhar para o panorama geral da expressão cultural no país. Depois de composta, a canção de choro regional alcançou proporções de sucesso e representatividade para o povo nordestino, com certeza, jamais pensadas por Luiz e Humberto, seus compositores.

Muitos admiradores de Luiz Gonzaga com certeza devem perguntar a si mesmos o que é que inspirou a ele e a Humberto Teixeira a escrever a letra de Asa Branca, e essa é uma das respostas que o iG Gente vem dar.

Por conta do contexto de seca muito comum na região do Nordeste brasileiro, Luiz e Humberto usaram o nome da ave Asa-branca para nomear a canção e a partir daí tecer a temática da música, que diz que a seca é dona de um poder tamanho e, por meio dele, pode fazer até mesmo com que o pássaro busque outro habitat, assim como afastar um homem qualquer de sua região o fazendo mudar para outra – ainda que esse prometa voltar, um dia, para os braços de sua amada. Relembre a letra:

Quando olhei a terra ardendo

Igual fogueira de São João

Eu perguntei a Deus do céu, ai

Por que tamanha judiação

Eu perguntei a Deus do céu, ai

Por que tamanha judiação

Que braseiro, que fornalha

Nem um pé de plantação

Por falta d'água perdi meu gado

Morreu de sede meu alazão

Por farta d'água perdi meu gado

Morreu de sede meu alazão

Até mesmo a asa branca

Bateu asas do sertão

Depois eu disse, adeus Rosinha

Guarda contigo meu coração

Depois eu disse, adeus Rosinha

Guarda contigo meu coração

Hoje longe, muitas léguas

Numa triste solidão

Espero a chuva cair de novo

Pra mim voltar pro meu sertão

Espero a chuva cair de novo

Pra mim voltar pro meu sertão

Quando o verde dos teus olhos

Se espalhar na plantação

Eu te asseguro não chore não, viu

Que eu voltarei, viu

Meu coração

Eu te asseguro não chore não, viu

Que eu voltarei, viu

Meu coração

Influência na MPB brasileira

Após o lançamento da canção feito em 1947, duas versões a consagraram como um sucesso. A primeira foi gravada pelo próprio Luiz Gonzaga em forma de toada, um gênero cantado sem forma fixa de caráter melodioso e com letras normalmente curtas e narrativas, podendo ser de teor amoroso, lírico ou cômico. Já a segunda, foi gravada em forma de baião e responsável por introduzir o gênero para o povo brasileiro (que pode conhecê-lo, também, por forró ou xote).

Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira foram responsáveis por ressignificar gêneros musicais nordestinos e a própria história de seu povo para o restante do Brasil
Reprodução/Twitter
Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira foram responsáveis por ressignificar gêneros musicais nordestinos e a própria história de seu povo para o restante do Brasil

A música gravada pela segunda vez foi lançada ao mercado fonográfico em 1950 e, a partir daí, Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira foram responsáveis por ressignificar gêneros musicais nordestinos e a própria história de seu povo para o restante do Brasil que, finalmente, pode conhecer ritmos musicais expressivos vindos da região que fica em um dos extremos do País.

Luiz Gonzaga nasceu em 1912 e viveu até os 76 anos; O músico morreu em 1989
Reprodução/Wikimedia Commons
Luiz Gonzaga nasceu em 1912 e viveu até os 76 anos; O músico morreu em 1989

Luiz Gonzaga

Quando se pensa em Luiz Gonzaga, não é segredo para ninguém que o cantor e compositor representa uma figura mais do que expressiva quando o assunto é música brasileira e cultura nordestina, no entanto, é preciso lembrar mais traços extremamente importantes da trajetória construída em vida por esse músico pernambucano.

Nascido em 13 de dezembro de 1912, Luiz Gonzaga do Nascimento ficou conhecido não só por conta de seu nome de fortemente expressivo, mas também por seus feitos durante sua carreira: Rei do Baião, Majestade do Baião, Rei Luiz e Gonzagão são apenas algumas das alcunhas ganhadas pelo músico ao longo da vida, que chegou ao fim no dia 2 de agosto de 1989, quando morreu aos 76 anos.

Em mais de sete décadas vividas, Luiz Gonzaga conseguiu, com músicas como Asa Branca (1947), Baião (1946), Siridó (1948), Juazeiro (1948), Baião de Dois (1950) e muito mais músicas, resgatar a atenção do povo brasileiro para a forte resistência dos nordestinos, eternos soldados na luta para sobreviver em uma das regiões mais secas do Brasil.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas