Tamanho do texto

Longa traz à tona a fragilidade das relações humanas e os limites (ou falta deles) em busca de um ideal maior

O filme “Soundtrack”, primeiro longa-metragem dirigido pela dupla brasileira 300ml, relata a ida de Cris ( Selton Mello ), um fotógrafo, para um local isolado, no qual pretende realizar um projeto artístico: autorretratos que captem as sensações trazidas por uma lista de músicas selecionadas.

Leia também: "Ele tem a arte como vital", diz Selton Melo sobre personagem de "Soundtrack"

''Soundtrack'', com Selton Mello, revela incongruências e dramas internos dos seres humanos com toque artístico
Divulgação
''Soundtrack'', com Selton Mello, revela incongruências e dramas internos dos seres humanos com toque artístico


A trama de "Soundtrack" se passa numa estação de pesquisa polar, que diferentemente do que parece, foi gravada na Barra da Tijuca, local ao qual foram trazidas 3 toneladas de neve. Lá, Cris terá de enfrentar não só a aspereza do local, mas também a dos que ali passam longas jornadas.

Leia também: Streaming x TV por assinatura: quem está ganhando a guerra?

O filme, que conta com mais quatro personagens - Cao (Seu Jorge), Mark (Ralph Ineson), Huang (Thomas Chaanhing) e Rafnar (Lukas Loughran), discorre sobre relações humanas, mas não deixa de lado a discussão do que é arte, qual o seu papel e sua aceitação.

Leia também: É um filme sobre a construção da intimidade, diz diretora de “Mulher do Pai”

Os limites humanos em relação aos seus ideais e motivações também são pincelados pelo longa, como o caso do papel do cientista interpretado pelo britânico Ralph Ineson (conhecido pelo filme “A Bruxa” e por séries como "Game of Thrones"), que passa extensos períodos de sua vida na estação polar para que gerações futuras entendam melhor o clima, enquanto deixa sua esposa grávida longe dali. Este é um exemplo, mas todos os personagens do filme têm suas buscas e superações em prol de suas atividades, inclusive Cris, que faz um sacrifício enorme em nome de sua arte.   

Genuinamente brasileiro

Diferente do que estamos acostumados quando o assunto é filme nacional, esse é sim um filme genuíno. Como bem pontuou o produtor Julio Uchôa durante coletiva de imprensa em São Paulo: “é um filme brasileiro , graças a Deus. A gente não precisa só fazer filme de nossa realidade”. De acordo com Julio, o público brasileiro merece todos os tipos de cinema, “tem uma qualidade surgindo”, reforça.

Seu Jorge e Selton Mello em um intervalo das gravações de Soundtrack
Divulgação
Seu Jorge e Selton Mello em um intervalo das gravações de Soundtrack

Essa é uma das melhores atuações de Selton e quando questionado sobre a preparação para seu personagem, revela que ao longo de 35 anos de carreira deixou de acreditar nisso. “Estou interessado mais em não preparar nada, pois a gente não é preparado. Eu me interesso muito no despreparo. Eu acho que quando você está aberto, você joga o jogo, quando você está preparado demais, você corre o risco de ficar engessado”, revelou.

Leia também: Com delicadeza, "Os Pobres Diabos" alude tragédia de se fazer arte no Brasil

Com estreia marcada para quinta-feira (6) nos cinemas brasileiros, "Soundtrack" permite, ainda, uma exposição das selfies feitas por Cris juntamente com a lista de músicas selecionadas. As imagens, que na verdade são realizadas pelo designer Oskar Metsavaht, estão em exposição no Museu de Imagem e do Som de São Paulo (MIS), até o dia 16 de julho.