Tamanho do texto

No cinema há oitenta anos, a animação já sofreu altos e baixos e hoje se consolida como gênero rompendo a barreira do circuito mainstream

Quando você vai ao cinema com certeza sempre se depara com alguma animação em cartaz, mas dificilmente irá parar e olhar para ela com mais atenção, afinal, existem tantas outras opções “mais sofisticadas”. Mas, bem, os números relacionados às animações falam por si só: dentre os dez filmes mais vistos de 2016, quatro eram animações e todos eles – sim, absolutamente todos – utilizam alguma técnica de animação digital em sua produção. Com altos e baixos ao longo de décadas, as animações hoje constituem um gênero tão respeitável quanto qualquer outro, mas vivem momento decisivo para o futuro do segmento.

Leia também: “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar” prepara adeus a Jack Sparrow

Há oitenta anos Walt Disney lançou a animação ''Branca de Neve e os Setes Anões'' e marcou a história do cinema
Reprodução
Há oitenta anos Walt Disney lançou a animação ''Branca de Neve e os Setes Anões'' e marcou a história do cinema


De onde vieram?

Há oitenta anos Walt Disney revolucionou o cinema quando lançou em 1937 o primeiro longa-metragem de animação da história: “Branca de Neve e os Sete Anões” é, até hoje, considerada uma obra-prima do cinema. Com produções sofisticadas, como “Fantasia”, e adaptações de contos de fadas clássicos o estúdio consolidou as animações no mercado do entretenimento e, aos poucos, abriu espaço para a criação do gênero. Mais de cinquenta anos depois da primeira aventura dos desenhos no mundo do cinema, “A Bela e a Fera” foi o primeiro filme a bater de frente com as produções “reais” no Oscar na briga por Melhor Filme.

''A Bela e a Fera'', lançada em 1991, foi a primeira animação a entrar para a briga pela estatueta do Oscar
Reprodução
''A Bela e a Fera'', lançada em 1991, foi a primeira animação a entrar para a briga pela estatueta do Oscar

As animações nunca deixaram de cair na graça do público – gerações cresceram vendo as princesas e animais falantes nas telas de cinema –, mas, desde o Oscar de 1991 elas começaram a mostrar sua força para despontar como gênero cinematográfico de fato. Em 2001 foi criada uma categoria específica para acomoda-las na premiação e, como aponta o crítico do Yahoo Diego Olivares, essa abertura foi muito importante para dar espaço para as “produções artesanais”, como ele chamou os filmes que fogem à tradicional dupla da Disney- Pixar .

“Mas isso é coisa de criança!”

Quando se fala em animação a primeira coisa que as pessoas pensam, em geral, são os clássicos infantis que todos conhecem – afinal, quem nunca assistiu “A Bela Adormecida”, “Pinóquio” ou “Alice no País das Maravilhas”? E, assim, se consolidou uma ideia que animação é sinônimo de filme para crianças, mas, na realidade, não é bem assim. Jonas Brandão, sócio da produtora brasileira Split Studio, brinca com a classificação “essa não é uma boa fama para se carregar” e explica que isso está fortemente atrelado a uma estratégia de marketing para maximizar o alcance dos filmes. “Quando os estúdios fazem esses blockbusters, eles miram no maior público possível para recuperar os custos e poder rentabilizar”, comenta.

Leia também: Leo Matsuda realiza sonho de infância com o curta "Trabalho Interno"

''Zootopia'' doi a segunda animação mais rentável de 2016 e faturou mais de 1 bilhão de dólares na bilheteria
Reprodução
''Zootopia'' doi a segunda animação mais rentável de 2016 e faturou mais de 1 bilhão de dólares na bilheteria

Leo Matsuda trabalhou em alguns filmes da Disney que tinham exatamente esse perfil, como “Operação Big Hero 6” e “Zootopia”, e para ele ser chamado de “ infantil ” não é algo necessariamente ruim. “O sucesso de box office são as animações”, afirma ele. E, de fato, em 2016 o segundo filme com maior bilheteria, de acordo com o site Box Office Mojo, foi “Procurando Dory”, que faturou mais de US$ 1,029 bilhão, atrás apenas de “Rogue One: Uma História Star Wars” e “Capitão América: Guerra Civil”. Logo atrás vem “Zootopia”, com cerca de US$ 1,023 bilhões de faturamento. “[As animações] vão existir de qualquer forma”, conclui Leo.

E animação dá dinheiro?

Para os gigantes da indústria como a Pixar animação é um negócio extremamente rentável. Para se ter uma ideia, “Procurando Dory” teve uma margem de lucro de aproximadamente US$ 60 milhões. “O desafio hoje de todo mundo de fora de Hollywood é conseguir entrar no circuito comercial”, comenta Jonas Brandão. Apesar de reconhecer que é difícil olhar nos olhos de gigantes e competir com eles por essa fatia do mercado, as animações ainda tem um grande potencial de se espalharem por outros veículos e em outros formatos – e é justamente isso, para ele, que está chamando a atenção de produtoras de “live action” que tentam se enveredar nesse caminho para abocanhar pelo menos uma fração desse público.

Leia também: Especial 40 anos: Os dez melhores momentos da franquia "Star Wars"

Gráfico com as dez maiores bilheterias de 2016, das quais 40% são animações e todas usam alguma técnica de animação
Verônica Maluf/iG São Paulo
Gráfico com as dez maiores bilheterias de 2016, das quais 40% são animações e todas usam alguma técnica de animação

Por outro lado o alto custo de produção desses filmes pode ser entrave para quem está fora do mainstream. “Moonlight" por exemplo, custou US$ 1,5 milhão, enquanto "Anomalisa", uma animação independente, custou US$ 8 milhões”, comenta Diego Olivares. A escassez do lucro, nesses casos, é um risco que ameaça constantemente esse mercado a se afogar na tentativa de emergir e consolidar sua produção. “Anomalisa” rendeu apenas US$ 5,5 milhões – ou seja, não só ficou abaixo do seu orçamento, mas deu prejuízo para o estúdio, apesar de ter sido amplamente aclamada pela crítica. “É difícil rentabilizar filmes que não sejam infantis”, completa Jonas Brandão.

Para onde tudo isso vai?

É difícil estabelecer algo certeiro, afinal, há muitas variáveis envolvidas que são extremamente fluídas – como prever as tendências de mercado para daqui 5, 10, 15 anos? Mas é certo que há otimismo para as pessoas do meio com relação a isso olhando para diferentes perspectivas acerca do tema. Com uma visão mais ampla sobre as animações, Leo Matsuda apontou que a a hibridização do cinema – mesclando live action com animações – é uma fórmula que está ganhando força. “Você nem sabe mais onde está a animação”, comenta.

Animação para adultos, ''Anomalisa'' não conseguiu nem cobrir orçamento do filme com sua baixa bilheteria
Reprodução
Animação para adultos, ''Anomalisa'' não conseguiu nem cobrir orçamento do filme com sua baixa bilheteria

Apostar em novas temáticas e abordagens é um dos rumos que as animações pode tomar – para ele é através da ampliação dos sentidos e mensagens transmitidas por meio desses filmes que eles irão conquistar seu público, a crítica e, ainda, seriam mais significativos para a memória que se cria a partir desses trabalhos. Se equiparando à polidez narrativa de live actions, para ele, essas animações poderiam ir muito além da forma que se apresentam hoje em dia. Na mesma linha, Jonas Brandão cita que animação não é só um gênero “é uma forma de arte própria, é uma ferramenta de comunicação, de contar histórias”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.