Tamanho do texto

Longa-metragem que estreia nesta quinta-feira (27) já se garante como um dos grandes filmes do cinema brasileiro em 2017; leia a crítica

O primeiro longa-metragem de Ricardo Alves Jr . é um baque. “Elon Não Acredita na Morte” é um filme que provoca o espectador constantemente a partir da jornada incauta de seu protagonista. Elon (o fantástico Rômulo Braga) é um vigia noturno em busca de sua mulher desaparecida.

Leia também: Com timing certeiro, "Mexeu com Uma, Mexeu com Todas" avança agenda feminista

Cena de Elon Não Acredita na Morte, que estreia nos cinemas do País nesta quinta-feira (27) como parte do programa Sessão Vitrine Petrobras
Divulgação
Cena de Elon Não Acredita na Morte, que estreia nos cinemas do País nesta quinta-feira (27) como parte do programa Sessão Vitrine Petrobras

À medida que o filme avança o público vai se instigando mais. Afinal, o que pensar dessa história de amor que se enuncia como um thriller? Madalena (Clara Choveaux) está morta? Fugiu de Rômulo? Ele é um marido abusador? Atencioso? “Elon Não Acredita na Morte” não acredita em respostas fáceis. O filme situa seu público por meio do olhar dos personagens que gravitam Elon nessa busca cada vez mais ruidosa e menos esperançosa.

Leia também: O corpo da mulher na música: empoderamento ou objetificação?

Alves Jr. realiza um filme de tato, de sensorialidade e justamente por isso as opções estéticas importam. E muito. A câmara no cangote de Rômulo, assumindo seu ponto de vista, mas também o assombrando, é providencial para esse registro. A fotografia de Matheus Rocha, que também assina a direção de câmera, é soberba. O uso da luz é a própria metaforização da jornada de Elon, que começa na penumbra e se debate para encontrar a luz, sua Madalena.

Cena de Elon Não Acredita na Morte
Divulgação
Cena de Elon Não Acredita na Morte

Conforme vamos acompanhando o personagem, mais desconfiamos dele, mas mais nos fascinamos por ele. Rômulo Braga assume um personagem e tanto e um personagem que só poderia ser defendido por alguém despido de preconceitos e cioso por desafios. Elon se apresenta como um enigma e é um enigma físico. Há pouca verbalização nele. Pouco espaço para inflexões intelectuais, mas muito para intuição. É com ela que Braga tateia Elon e a ela que o público precisa recorrer para decifrá-lo, ou pelo menos tentar.

Leia também: Morre Jonathan Demme, diretor de "O Silêncio dos Inocentes", aos 73 anos

“Elon Não Acredita na Morte” é um filme que não se resolve, por assim dizer. Há camadas e camadas que permitem intermitências filosóficas, cinematográficas, mas também sobre o amor. E é justamente esse senso de incompletude, de abstração, que faz dessa estreia de Ricardo Alves Jr. algo tão forte, concreto, perene. Cinema de raiz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.