Tamanho do texto

Carioca de Niterói, Priscilla Esteves comemorou muito a vitória no concurso cultural promovido pelo iG e por Frederico Lapenda que sorteou uma edição de "Romeu & Julieta: War", autografada por Stan Lee

A carioca Priscilla Esteves é a grande vencedora do concurso cultural promovido pelo portal iG e pelo produtor Frederico Lapenda que sorteou um exemplar da graphic Novel “Romeu & Julieta: War” autografado pelo próprio Stan Lee.

Leia também: A carioca Priscilla Esteves é a grande vencedora do concurso cultural Stan Lee

A carioca Priscilla Esteves empunha sua edição de
iG São Paulo
A carioca Priscilla Esteves empunha sua edição de "Romeu e Julieta: War", assinada por Stan Lee

Priscilla Esteves foi pura felicidade quando compareceu à redação do iG na Zona Sul de São Paulo para retirar a cópia que ganhou ao vencer o concurso. A competição consistia no seguinte: era preciso se inscrever na seleção, elaborar e enviar uma Tagline para o site da Stan Lee Kids Universe (SLKU) no Brasil, liderado por Lapenda.

Leia também: “Fragmentado” atende demanda por “filmes sombrios”, diz M. Night Shyamalan

A frase vencedora, eleita por uma comissão julgadora entre centenas de participantes, foi: "SLKU: Criando os Heróis do Amanhã". A SLKU tem diversos projetos com foco no desenvolvimento da leitura entre as crianças e promoção da educação por meio de jogos interativos. Priscila contou que bolou a frase de uma maneira muito simples. “Além do fato de Lee ser maravilhoso com crianças e bolar todas essas ações educacionais, ele criou uma porção de heróis”, explica como se o raciocínio que a motivou a criar a frase fosse tão cristalino para todos. "Dá medo até de folhear", revela em meio a sorrisos a carioca.

Priscilla Esteves recebe seu prêmio na redação do iG em São Paulo
iG São Paulo
Priscilla Esteves recebe seu prêmio na redação do iG em São Paulo

Priscilla nos contou que desde pequena sempre lia os quadrinhos da Margarida, do Tio Patinhas e principalmente da Turma da Monica. “Mas com 14 anos, comecei a me enturmar com os garotos para pegar emprestadas as revistas de super-heróis. Os primeiros que eu li foram os da DC, como Batman e Super-Homem, mas logo em seguida fui apresentada para um grupo de jovens que, assim como eu, não se encaixava tão bem na sociedade. Aí me apaixonei”. Ela fala sobre os X-Men que, segundo ela, seriam a síntese de como o adolescente se sente, sempre inadequados para um mundo que não os entendem direito.

Leia também: Humor, melancolia e honestidade dos personagens dão o tom em “T2 Trainspotting”

“Não consigo escolher um herói favorito, por isso talvez o próprio Stan Lee seja meu grande herói, pelo conjunto de sua obra. O mais engraçado é que na faculdade nos fizeram ler Marshall MacLuhan, que criticou os quadrinhos da década de 60 dizendo que quem lia se tornava mais violento”, observa Priscilla Esteves. Eu acho o contrário: os quadrinhos nos torna mais sonhadores e eu carrego isso até hoje comigo. Muito disso, graças ao Sr. Stan Lee”.