Tamanho do texto

Último filme da série estreia nesta quinta-feira (26) e apresenta uma explicação bem satisfatória para todas as perguntas sobre a protagonista

Parece que todos concordam que a franquia “Resident Evil” durou mais do que o necessário. O sexto filme da franquia adaptada do famoso game ganha o subtítulo de “O Capítulo Final” e se assevera como um fecho digno para a adaptação de game mais longeva, e para todos os efeitos, mais bem sucedida da história do cinema.

Leia mais: De acervo a produtor: Canal Brasil muda de perfil e fomenta cultura do País

Milla Jovovich em cena de Resident Evil 6: O Capítulo Final
Divulgação
Milla Jovovich em cena de Resident Evil 6: O Capítulo Final

Paul W.S. Anderson , que dirigiu “O Hóspede Maldito” em 2002 não estava mentindo quando disse na Comic Com realizada em dezembro em São Paulo que este era o melhor “Resident Evil” . “O Capítulo Final” tem suas oscilações, principalmente quando envereda pelo drama, mas no geral é um entretenimento de muito bom nível. A primeira hora bebe da fonte de “Mad Max: Estrada da Fúria” e apresenta ação ininterrupta e parte dela, assim como no filme de George Miller, em constante movimento.

Alice ( Milla Jovovich) encontra uma inesperada aliada contra a organização Umbrella na figura da rainha vermelha, a inteligência artificial criada por seu pai para proteger os interesses da empresa que tornou-se fiadora do apocalipse. Ela precisa impedir um último ataque da corporação contra a humanidade nessa sanitização promovida pelo grupo liderado pelo Dr. Isaacs (Iain Glen, canastrão na medida certa) e sequestrar o único frasco que detém a cura e representa a última chance de vencer o T- Vírus. Pôr um fim ao T-Vírus significa para Alice suicidar-se por um bem maior.

Leia mais: "Ele é a alma da festa", diz Naomie Harris sobre dividir o set com Will Smith

Cena de Resident Evil 6, que estreia nesta quinta (26) nos cinemas
Divulgação
Cena de Resident Evil 6, que estreia nesta quinta (26) nos cinemas

O mote desse derradeiro capítulo da série, até que um reboot surja nos planos, compreende ainda uma explicação para a vida e jornada de Alice que a série deve desde “O Hóspede Maldito”. “Dizem que a história é contada pelos vencedores e durante muito tempo essa foi a história da Umbrella, mas essa é a minha história”, pontua em off a personagem logo na abertura do filme.

“Resident Evil 6: O Capítulo Final” ganha pontos na comparação com outra adaptação de game em cartaz nos cinemas, “Assassin´s Creed”, por não se levar tão a sério e ser muito mais honesto consigo e com o público e ter em Milla Jovovich uma atriz com tanto tesão pela franquia que tudo o mais parece mero detalhe.