Tamanho do texto

Não é de hoje que o gênero cyberpunk rende ótimas obras de ficção; listamos dez animes que vão te deixar com medo de viver o amanhã

A possibilidade de um futuro distópico e dominado pela tecnologia sempre rondou a civilização humana e, também, se tornou um tema recorrente em obras de ficção que procuram explorar o pior lado dos avanços da sociedade. Há muitos anos a indústria de animações no Japão – principalmente os animes voltados para adultos – utiliza esse cenário como base para diversas produções. Para entender melhor, o gênero cyberpunk se passa, em geral, em sociedades futurísticas marcadas não apenas pelo avanço gigantesco da ciência, mas, também, pelos conflitos éticos e sociais que poderemos enfrentar nesses cenários. Assim sendo, reunimos dez animes cyberpunk que deixam qualquer um temeroso pelo que nos aguarda no futuro.

Leia mais:  My Anime List é o IMDB que os fãs de animes e mangás precisam conhecer

"Akira" (1988)

Reprodução
"Akira" foi o primeiro anime a inaugurar o gênero de ficção científica cyberpunk no segmento


Pioneiro do gênero, “Akira” foi o precursor dos animes cyberpunk no Japão. Lançado, originalmente, no formato de mangá e posteriormente transformado em um filme no final da década de 1980, a história mostra a “Neo-Tóquio”, uma versão de Tóquio fruto da destruição e da decadência causada pela III Guerra Mundial que foi, por sua vez, desencadeada pelos poderes sobrenaturais de uma criança anos antes. “Akira” vai além de apenas uma história com drama, suspense e aventura, mas, também, propõe questionamentos sobre a ética da tecnologia e apresenta um medo constante que os japoneses tinham da ameaça nuclear – resquício do ataque sofrido durante a II Guerra Mundial.

"Appleseed" (2004)

Reprodução
"Appleseed" é um anime sobre a procura dos código que pode fortalecer uma raça de androids


Mais um anime da safra de adaptações de mangás , “Appleseed” foi inspirado em um quadrinho de mesmo nome do criador de “Ghost In The Shell”, Shirow Masamune. Deunan Knute, protagonista da história, vive em Olympus, uma cidade habitada pela raça dos Bioroids, uma espécie fruto da junção entre humanos e máquinas, porém sua vida é muito mais breve do que de seres humanos comuns. O objetivo de Deunan é acessar os dados contidos na Appleseed, um dispositivo que contém as informações necessárias para reestabelecer a capacidade reprodutiva do Bioroids – fator que os impede de viver normalmente. As coisas seriam mais simples de a cidade de Olympus não fosse dominada por facções e instituições que, por entrarem em conflito, acabam por degradar a própria sociedade em que convivem.

Leia mais:  Hobby ou coisa séria, cosplays roubam a cena na CCXP: "Cansa, mas é incrível"

"Armitage III"

Reprodução
"Armitage III" é um anime cyberpunk sobre a caça e o extermínio de androids em um mundo dividido com humanos


Quais os limites entre o que é orgânico e o que é produzido em laboratório? “Armitage III” mostra uma sociedade que, após o colapso na terra por excesso populacional, colonizam Marte com androids “tipo um”. Anos depois surgem os “tipo dois”, versões melhoradas dos primeiros – e, até onde se sabe, são os únicos “não-humanos” existentes, até que um crime revela a existência dos androids de “tipo três”, criados para passarem despercebidos no meio dos humanos. Com essa notícia se espalhando rapidamente por todos os lugares, há uma grande revolta e os “tipo três” se tornam vítimas da ira das pessoas e começam a serem perseguidos e aniquilados. Armitage, um “tipo dois”, é a protagonista de toda a trama até que descobre que sua existência está muito mais envolvida com essa questão das versões do androids do que poderia prever inicialmente. “Armitage III” mostra uma ideia interessante onde os não-humanos se tornam os alvos primários, o contrário da ideia que é, normalmente, mostrada nesse tipo de história.

"BLAME!" (2017)

Divulgação
"BLAME!" será produzido pela Netflix e será lançado apenas em 2017


Essa é a prova de que, sim, ainda se fazem bons animes cyberpunk como antigamente: "BLAME!", baseado no mangá homônimo de Nihei Tsutomu, é uma produção encabeçada pela produtora de streaming Netflix com o diretor Hiroyuki Seshita. A história de Killy, um dos últimos seres humanos sobreviventes em meio ao caos e a destruição da Megaestrutura e dispostos a manter acesa a chama da humanidade, deve chegar à plataforma em 2017. Ainda não há mais informações além dessas disponíveis, mas o trailer está disponível no Youtube e o anime promete não deixar decepcionar o legado do gênero.

"Bubblegum Crisis" (1987)

Reprodução
"Bubblegum Crisis" foi um enorme sucesso quando lançada em 1998


Girl Power: “Bubblegum Crisis” é um anime em que os principais personagens são mulheres – um grupo de mercenárias que tem como objetivo lutar contra robôs. A história se passa em 2032 após um grande terremoto em Tóquio que divide a cidade em dois lugares quase completamente distintos. A sociedade é habitada por seres humanos e cyborgues , que foram, incialmente, desenvolvidos para servir as pessoas, porém se tornam instrumentos perigosos nas mãos de indivíduos com intenções sombrias.

"Cowboy Bebop" (1998)

Reprodução
"Cowboy Bebop" conquistou a crítica e o público além das fronteiras do Japão quando foi ao ar


“Cowboy Bebop” é, sem dúvidas, um dos melhores animes já produzidos no Japão . Lançado na época com alguma resistência por conter material adulto, a história mostra que, após o planeta Terra se tornar inabitável, os seres humanos precisaram colonizar outros pontos do sistema solar. Um grupo de patrulheiros ronda a galáxia e o arco principal fala do desejo e vingança do protagonista, Spike Spiegel, contra um antigo amigos – agora seu rival. O ponto alto de “Cowboy Bebop” são os questionamentos que estão por trás da trama da narrativa, como solidão, tédio e existencialismo.

"Ergo Proxy" (2006)

Qual a origem da individualidade?
Reprodução
Qual a origem da individualidade? "Ergo Proxy" trabalha a questão à partir de debate com androids


Além de ser um ótimo anime cyberpunk, “Ergo Proxy”, como “Cowboy Bebop”, trabalha com questões mais profundas. Romdo é uma cidade situada no futuro em que seres humanos e androides, os chamados AutoReivs, convivem cumprindo seus papeis sociais em harmonia, até que um vírus infecta os não-humanos, que criam consciência de si mesmos e de sua individualidade e começam a cometer crimes. O diretor da produção afirmou que a história seria uma alegoria para a formação das pessoas e sobre como elas se tornam quem são – sempre existiu uma identidade adormecida ou os seres-humanos são moldados à partir de suas experiências?

"Ghost In The Shell" (1995)

Um dos maiores animes cyberpunk de todos os tempos,
Reprodução
Um dos maiores animes cyberpunk de todos os tempos, "Ghost in The Shell" foi lançado em 1995 e tem várias sequências


É provável que uma busca rápida pelo título desse anime traga apenas cenas do filme com a atriz Scarllet Johansson , porém, “Ghost in The Shell” é um anime do ano de 1995 que influenciou não somente o gênero cyberpunk, mas também toda uma cultura – o animação foi uma inspiração para o criador de “Matrix”, por exemplo. “Ghost in The Shell” se passa no futuro, mas sua história é mais do que atual: em uma sociedade avançada em que é possível implantar elementos cibernéticos em seres-humanos, um hacker , “Mestre das Marionetes”, ameaça a população com sua capacidade de manipular e controlar outras pessoas. Makoto, a protagonista que já não tem mais quase nada de humana, é a responsável por caçar o criminoso e pôr um fim nesse pesadelo.

"Psycho-Pass" (2013)

Um dos mais recentes da lista,
Reprodução
Um dos mais recentes da lista, "Psycho-Pass" está muito mais próximo da realidade do que imaginamos


Um drama mais do que atual nos dias de hoje em que a polícia pode – e representa – não apenas uma instituição que promove a segurança, mas que é responsável por eliminar o que bem entender como uma ameaça para a sociedade, “Psycho-Pass” explora um universo em que o Estado detém dispositivos que escaneiam e analisam a “índole” dos indivíduos e os classifica de acordo com um coeficiente. Se eles julgaram que determinada pessoa representam um risco, como, por exemplo, tiver uma alta chance de cometer um crime, há um departamento responsável por prender – ou exterminar – a “ameaça”. Entretanto, essa força policial é composta por criminosos em potencial, ou seja, pessoas que apresentam grande probabilidade de ser um risco para a sociedade – mas, curiosamente, são elas as designadas para aniquilar os prováveis “infratores”. Uma narrativa que, se comprada com a realidade, pode não ser tão absurda e “ futurista ” assim.

Leia mais:  CCXP consolida crescimento da cultura japonesa junto ao público geek brasileiro

"Serial Experiments Lain" (1998)

Reprodução
"Serial Experiments Lain" fala dos poderes que a rede virtual pode dar à alguém


Para fechar a lista de animes cyberpunk, “Serial Experiments Lain” não poderia ficar de fora. A tecnologia avançou ao ponto em que há um sistema, chamado “Wired”, que abriga em si toda e qualquer forma de comunicação humana – e chega a apresentar a possibilidade de comunicação sem um aparato físico, como um computador, por exemplo. Uma garota de 14 anos que, inicialmente, é vista como uma adolescente tímida, através dessa rede consegue desvendar outras facetas de sua própria existência e, em determinado ponto, descobre que pode ser uma espécie de deusa onipresente e onisciente dentro da “Wired”. Ela é uma espécie de software capaz de fazer a mediação entre a vida real e virtual e, por isso, detém tais poderes. Mais uma das animações que nos fazem olhar para a realidade e questionar os rumos que a tecnologia está traçando.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.