Júlia Zimmer
Ricardo Penna
Júlia Zimmer


Aos vinte anos, Júlia Zimmer está fazendo seu début no vídeo em  "Todas as Garotas em Mim", da RecordTV. Na trama de Stephanie Ribeiro, que retrata a história de Mirela, uma jovem influenciadora digital que vive num mundo de aparências e futilidades, ela interpreta uma fashionista.

Questionada sobre sua personagem, explicou que Dara é uma "material girl" que ama moda e que, por isso, ficou mais antenada às tendências que estavam em alta. Ressaltou, inclusive, que o canal da famosa estilista Kate Young no YouTube foi uma ótima referência e fonte de estudo. Além disso, contou com a ajuda do coach Fernando Ferraz.

Morando no Rio de Janeiro desde 2019, a também pianista e violinista, formada em artes cênicas pela UFRJ, esteve em cartaz com o musical "Sou Assim", no Teatro Nathalia Timberg, na Barra da Tijuca, e, em breve, será vista em um dos episódios da nova temporada de  "Arcanjo Renegado", do Globoplay.

Nesse intervalo, a artista abriu o jogo e abordou vários temas em uma entrevista exclusiva ao site.  Confira os melhores momentos!

Júlia Zimmer
Ricardo Penna
Júlia Zimmer



1. Você está literalmente estreando na televisão. Como foi o processo até essa oportunidade?

A arte me acompanha desde pequena. Iniciou com a música. Comecei a ter aulas de piano com sete anos, mais adiante aprendi a tocar violão, já fui solista de orquestra e tive minha própria banda. Depois vieram o teatro e a atuação em si, que aconteceram naturalmente. Foram ciclos e uma trajetória muito feliz, sempre fazendo o que amo, que tem a ver com as duas atividades. 

No começo de 2019, com dezessete anos recém-completados, estive diante de uma questão muito difícil: decidir qual faculdade cursar. Não me via cursando medicina, ou direito, ou qualquer coisa que não fosse algo ligado às artes ou à música. Então, com a ajuda dos meus pais, escolhi me mudar para o Rio, para estudar e ver se realmente era isso que gostaria de fazer. 

Fiz inúmeros workshops e aulas particulares, tudo que me indicavam. Estudei, fui aprovada na UFRJ em artes cênicas em 2020, um curso concorrido, com quinze vagas anuais. Sempre digo que o universo foi generoso comigo e costumo encontrar muitos "anjos" neste meu caminhar. E, cada vez mais, tenho a convicção de que estou cumprindo a minha missão de alma.

2. Dara, sua personagem, é fashionista. Como foi o laboratório?

Eu me animei assim que recebi informações sobre a Dara e logo fui criando uma pasta no Pinterest com inspirações. Depois fiz uma playlist também! Amo o processo de criação, me divirto. A Dara é uma "material girl" que ama moda, então fiquei mais antenada às tendências que estavam em alta. O canal da famosa estilista Kate Young no YouTube foi uma ótima referência e fonte de estudo. Além disso, contei com a ajuda do meu coach Fernando Ferraz.

Júlia Zimmer
Ricardo Penna
Júlia Zimmer


3. Como lida com a moda no dia a dia? O que não pode faltar e o que não entra no seu armário?

Na vida, acabo sendo mais básica. Tenho o costume de usar bastante sapatos de salto, mas não tenho restrições com nada, sou muito aberta e versátil. Tem dias em que gosto de sair de casa em um estilo e, em outros, em um diferente.

4. E como tem sido se ver na TV?

Acompanhar o resultado de meses de trabalho é maravilhoso. Lembro como foi o dia em que gravamos as cenas exibidas, comparo como achava que tinha ficado e como ficou. É bacana, e algumas surpreendem. Como toda atriz, sou crítica também, sempre achamos que poderíamos ter feito algo diferente, mas, nesses momentos, tento só entregar e curtir a série.

Júlia Zimmer
Ricardo Penna
Júlia Zimmer


5.  Vocês gravaram "Todas as Garotas em Mim" no sul. Conseguiu rever pessoas queridas e matar a saudade da terra natal?

Poder estar em Gramado e Canela foi maravilhoso. São cidades que marcaram minha vida de uma forma positiva. Foram quinze dias de muito trabalho. Acordávamos por volta das 4h e íamos dormir tarde, por conta de eventos que surgiam. Com isso, não consegui sair para visitar meus pais, familiares e amigos, mas eles vieram me ver.

A minha família está sempre presente em minha vida. Como sou filha única, meus pais vêm bastante aqui no Rio também. Confesso que, nos últimos seis meses, não tenho tido tempo para ver ninguém, devido às gravações, mas, mesmo distante, recebo mensagens que me incentivam e me apoiam nesta caminhada.

6. Você toca instrumentos e estudou direção teatral. Tem planos para fazer outras atividades?

Penso, sim, em ter uma carreira musical paralela com a de atriz, sempre foi um sonho. Além disso, minha faculdade é focada em direção e me habilita tanto para a direção teatral quanto para TV e cinema. Acho legal entender o ofício do diretor, até porque me ajuda a compreender melhor o meu, mas futuramente.

7. Fica incomodada ao ser lembrada por semelhanças com a também atriz Brooke Shields?

Para mim, é uma honra ser comparada a uma das mulheres mais lindas do mundo, apesar das diferenças e singularidades de cada uma. A Brooke é uma inspiração! No set de "TAGEM", praticamente todos os dias me chamavam pelo seu nome (risos). 

Júlia Zimmer
Ricardo Penna
Júlia Zimmer


8. Aliás, como você cuida da saúde e da beleza?

Sempre gostei de me maquiar, acredito que é uma forma de arte também. Admito que sou bem vaidosa, talvez seja culpa do ascendente em leão. Fora isso, procuro tomar bastante água e dormir bem. Não sigo nenhuma dieta, e, com a rotina mais corrida, acaba que não consigo praticar atividades físicas regularmente, mas é algo que estou mudando.

9. Você é de Estrela, no Rio Grande do Sul, mas reside no Rio há um tempo por conta da carreira, certo? O que já tem de carioca?

Morar na Cidade Maravilhosa sempre foi um sonho, e me lembro de olhar stories no Instagram de atrizes que são daqui e de sentir esse desejo. De alguma forma, atraí isso para minha vida e sou muito feliz. Logo no início, fui bem recebida, tanto pelo grupo do teatro quanto pelos meus colegas no colégio, todos queridos e solícitos. Agradeço sempre a Deus por ter sido uma adaptação tranquila. Ter o mar perto de mim já me faz sentir "metade carioca". Viver na metrópole foi me transformando aos poucos de uma forma positiva, mais desapegada.

10. Como se vê daqui a dez anos?

Feliz e realizada tanto na área profissional como na pessoal. Acredito que entregar a minha vida a Deus, ao universo, é a melhor escolha. Ele sabe quais são os melhores planos para mim, mas desejo estar bem comigo mesma, com realizações no trabalho e talvez com a família completa, vivendo os meus sonhos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários