Luisa Mell violou correspondência e se apropriou de um ingresso do Lollapalooza que pertencia a seu vizinho
Reprodução/Instagram
Luisa Mell violou correspondência e se apropriou de um ingresso do Lollapalooza que pertencia a seu vizinho


Essa história é digna de um roteiro para sitcom do Multishow, de tão surreal e aparentemente improvável de acontecer. Mas ela é real. Luisa Mell foi processada por se apropriar da correspondência de um vizinho que continha um ingresso avaliado em mais de R$ 1 mil para o Lollapalooza. Ela simplesmente se recusou a devolver o dinheiro ao proprietário do passaporte do festival, como deu uma justificativa controversa pelo sumiço e também tentou colocar a culpa no porteiro de seu prédio.


Quem está processando a ativista é o engenheiro Pedro Pradanos Zarzosa, que em 2019 resolveu presentear sua filha com o ingresso Pulseira Lolla Cashless, pelo qual ele pagou a quantia de R$ 1.165,00. O evento em questão ocorreria em março de 2020, mas como o lockdown foi instituído exatamente no mês em que ocorreria o festival, a organização transferiu sua realização para março de 2022.

Acontece que em outubro de 2020, Pedro e sua família decidiram se mudar para um outro prédio, na mesma rua em que viviam, a apenas 250 metros de distância. E quem passou a viver na antiga residência do engenheiro foi Luisa Mell.

Logo quando se mudou de endereço, Pedro combinou com o antigo condomínio de que sempre passaria por lá para retirar as correspondências que chegassem em seu nome. E no processo, ele diz que até mesmo o zelador do local, identificado como Josemir, se dirigia até sua nova residência para entregar envelopes e pacotes.

Até que chegamos a 2022 e a organização do Lollapalooza enviou um e-mail ao engenheiro notificando a entrega do ingresso. Ele foi por diversas vezes ao antigo prédio para tentar retirar o envelope, e sempre era informado de que não havia chegado nada.


Em 23 de março, dois dias antes do início do festival, a filha do engenheiro entrou em contato com a organização do Lollapalooza para cobrar a pulseira, e recebeu um comprovante, assinado por Josemir Santos, zelador de seu antigo condomínio, no qual comprovava a entrega do item.

É aí que a situação fica tensa. Pedro colocou Josemir contra a parede, e o funcionário confessou que entregou para a nova moradora do apartamento por engano. E a tal nova moradora é ninguém menos que Luisa Mell.

Primeiro, a ativista fugiu de todas as tentativas de contato feitas por Pedro, até que um dia ela o atendeu e confessou ter aberto a correspondência e jogado todo o conteúdo no lixo, pois acreditava que se tratava de uma propaganda. Ciente do erro, Luisa ofereceu metade do valor do ingresso para acabar com a confusão, mas o engenheiro recusou. Sabe o que ela fez? Bateu o telefone na cara dele.

No mesmo dia, Pedro recebeu um telefonema de Gilberto Zaborowsky, ex-marido de Luisa Mell. O empresário se propôs a pagar o valor integral, mediante a assinatura de um recibo. O engenheiro aceitou a proposta, mas ao receber o documento, viu que nele constavam informações imprecisas e mentirosas, como, por exemplo, a de que o valor já estava em sua conta no momento da assinatura.

Após inúmeras trocas de mensagens, Gilberto adotou um tom grosseiro e passou a culpar o engenheiro pelo erro de Luisa Mell, e ainda disse que o valor que iria depositar a ele seria uma doação, e não um ressarcimento pelo fato de sua ex-mulher ter violado e se apropriado do ingresso do Lollapalooza que não estava em seu nome.

Fato é que até agora o valor não foi pago. E em 22 de junho, Pedro protocolou uma ação contra Luisa Mell pela apropriação indevida de um item pessoal do engenheiro, violação de correspondência e também por se recusar a devolver o valor do ingresso para o festival.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários