O autor Gilberto Braga escreveu novelas de sucesso na Globo, como Dancin' Days, Vale Tudo e Celebridade
Márcio Nunes/Globo
O autor Gilberto Braga escreveu novelas de sucesso na Globo, como Dancin' Days, Vale Tudo e Celebridade


Autor de novelas que marcaram a história da TV brasileira, Gilberto Braga (1945-2021) morreu nessa terça-feira (26) em decorrência de uma infecção sistêmica. Antes de partir, o autor amargou uma dura geladeira na Globo, e teve uma novela inédita, com mais de 80 capítulos já escritos e elenco pré-escalado, totalmente descartada pela emissora.

Braga escreveu fenômenos de audiência e de crítica, como Dona Xepa (1977), Dancin' Days (1978), Vale Tudo (1988), Celebridade (2003) e Paraíso Tropical (2007), mas desde o fiasco de Babilônia (2015), sua última novela, ele perdeu espaço e prestígio na Globo. Teve inúmeras sinopses rejeitadas, e de astro do horário nobre, foi escanteado. Recebeu apenas um sinal verde para produzir uma minissérie sobre Elis Regina, projeto que acabou engavetado e nunca saiu do papel.

Ignorado, ele nunca deixou de criar ideias e apresentar à Globo. Mesmo lutando contra a síndrome de Alzheimer e contra a hidrocefalia, Braga persistiu e ficou feliz ao ter aprovada a sinopse de Feira das Vaidades, que marcaria seu retorno à dramaturgia. A trama entraria no lugar da inédita Além da Ilusão, na faixa das 18h, mas foi descartada.

Leia Também


Malu Mader já havia sido escalada para o papel principal, mas no final de agosto a Globo optou por tirar a obra de seu radar. E ele passou seus últimos sete anos sendo preterido pela emissora.

Gilberto Braga é um dos maiores nomes da teledramaturgia nacional e criador de personagens icônicos, que até hoje permeiam o imaginário coletivo. Como esquecer da prostituta Bebel (Camila Pitanga) de Paraíso Tropical? Ou da "cachorra" Laura Prudente da Costa (Cláudia Abreu)? E da ricaça Odete Roitman (Beatriz Segall), que fez o Brasil parar por conta da identidade de sua assassina misteriosa?

Dono de uma mente brilhante e de um texto impecável, Braga partiu querendo fazer mais. E insistiu nisso até onde pode. Mas as negativas sequenciais da Globo fizeram seu legado ser interrompido em Babilônia. Lamentável. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários