Tamanho do texto

Longa-metragem de Flavia Castro, que estreia nesta quinta-feira (20) nos cinemas brasileiros, peca pela falta de ritmo e pela articulação das ideias

Há certa obsessão do cinema nacional com a ditadura e dessa obsessão resultam bons filmes e outros nem tanto. "Deslembro", projeto impregnado de passionalidade por Flavia Castro, que assina roteiro e direção, infelizmente pertence ao segundo grupo.

Leia também: A despeito do sucesso em Cannes, cinema nacional vive sua fase mais hesitante

Deslembro
Divulgação
Joana precisa se adaptar à vida no Brasil em Deslembro, filme que estreia nesta quinta (20) nos cinemas

O longa, que é produzido por Walter Salles, trata da formação da identidade e da importância da memória, seja ela afetiva, racional ou fática, neste processo. Tudo a partir da adaptação imposta a Joana (Jeanne Boudier) por sua mãe que resolve voltar ao Brasil durante a anistia após exílio na França. "Deslembro" começa com todos falando francês, inclusive o marido e revolucionário chileno da mãe de Joana.

A memória do pai Eduardo, papel de Jesuita Barbosa, passa a ser uma questão de maior importância à medida que ela descobre o Brasil. A necessidade de se politizar porque a política faz parte de tudo à volta e de lidar com questões que não a orbitavam empurram Joana para um amadurecimento forçado. Este é um filme de rito de passagem, mas em outro tom. 

Leia também: "Relatos do Front" flagra ineficácia das políticas de segurança pública no Rio

É justamente nesse arremedo que o filme se entorta. Falta ritmo, falta capricho à dramaturgia e falta articulação às ideias. É tudo belamente filmado, adornado por uma trilha sonora diegética de excelente gosto, mas a direção é burocrática e falta refinamento ao roteiro. 

Deslembro
Divulgação
Cena do filme Deslembro,que estreia nesta quinta-feira (20) nos cinemas brasileiros

É difícil alcançar alguma identificação com Joana e o fluxo entre francês, português e espanhol parece apenas birra da realização. Há muita prepotência na maneira como os conflitos são apresentados e os reais objetivos da realização acabam ofuscados por toda essa celeuma cinética.

Leia também: Almodóvar brinca com os limites da autoficção no lindo e delicado “Dor e Glória”

"Deslembro" é um filme que se preocupa tanto com seu pedigree que acaba negligenciando tanto suas personagens como seu público.

Ficha técnica

Deslembro

Gênero: Drama

País de Origem: Brasil

Duração: 96 minutos

Classificação Etária: 14 anos

Direção: Flavia Castro

Roteiro: Flavia Castro

Elenco: Jeanne Boudier, Sara Antunes, Hugo Abranches, Eliane Giardini e Jesuita Barbosa

Data de estreia: 20 de junho