Tamanho do texto

Em um bate-papo com o iG, o baixista Sam Rourke dá detalhes de "What’s It Like Over There?", além disso a coluna Bastidores fala da fusão entre a Opus e a Hits Entretenimento e da estreia do filme "Deadwood" na HBO

O grupo Circa Waves conseguiu inovar e apresenta notáveis mudanças sonoras no seu novo álbum de estúdio chamado “ What’s It Like Over There? ”. A banda de rock quis sair do óbvio e, para isso, gravou em um mês o terceiro disco do grupo com a ideia que deveriam fazer o que achavam mais coerente para entregar aos fãs músicas de qualidade.

Leia também: No Brasil de hoje é tudo "goela abaixo", diz diretor de "Relatos do Front"

Circa Waves
Divulgação
Circa Waves inova em novo álbum

Para conseguir esse resultado, a banda precisou ousar. “Às vezes, como uma banda, você pode sentir a pressão para fazer certo tipo de música ou se ater a um som que funcionou, mas que pode ser bastante limitante criativamente. Neste álbum, nós queríamos esquecer o som do Circa Waves e fazer as melhores músicas que pudéssemos, não importando onde isso nos levasse”, conta o baixista Sam Rourke ao iG .

Ele acredita que é isso o que está faltando no rock and roll, correr mais riscos. “Todo mundo lá fora está colaborando e misturando as coisas de novas maneiras, mas às vezes o rock pode ser um gênero um pouco purista. Existe o perigo de se tornar irrelevante para a próxima geração se não puder se comunicar usando os termos deles”, pontua Sam.

O grupo quis mostrar o amadurecimento que a música deles teve e que podem percorrer em outros caminhos sem perder a qualidade. “Eu gostaria que esse álbum fosse visto como o Circa Waves finalmente aumentando seu potencial musical. Até agora, os fãs reagiram surpreendentemente bem a isso. Eu estava preocupada que talvez tivéssemos nos afastado muito do que nosso som, mas aparentemente não”, fala o baixista.

Em Me, Myself and Hollywood , por exemplo, a banda criou um som e um clipe hipnotizante e Sam brinca ao explicar como chegaram a esse resultado: “Foi provavelmente uma mistura de muito Drake com não dormir tempo suficiente”.

*Com entrevista de Reinaldo Glioche

  • Fusão entre a Opus e a Hits Entretenimento
teatro Opus
Divulgação
União de Opus e Hits Entretenimento busca serviço de excelência

A parceira entre a Opus e a Hits Entretenimento estreitou e, agora, elas são uma única empresa. A princípio, as casas de espetáculos administradas pela Opus eram locadas pela Hits Entretenimento para a realização de shows.

“A ideia de fusão das duas produtoras foi um caminho natural que surgiu ao longo dos últimos anos, se consolidando pouco a pouco, até que a união se tornou uma realidade. Motivos para que as duas empresas se integrassem não faltaram”, explica Jonathas Zaffari, vice-presidente do Grupo Opus.

Leia também: Solange Almeida lança clipe e é favorita no "Show dos Famosos"

O executivo continua: “A Hits é uma empresa com larga experiência e reconhecida nacionalmente. A fusão que se inicia com a Opus, certamente trará inúmeros benefícios ao setor do entretenimento”. Carlos Konrath, presidente do Grupo Opus, completa dizendo o objetivo da união dessas produtoras é trazer um serviço de excelência ao público.

  • "Deadwood" chega em junho ao canal HBO

Após 15 anos do lançamento, a premiada série de faroeste “ Deadwood ” ganhou um longa que chega a HBO nexta sexta, às 21h. No filme , os personagens clássicos da série se reúnem depois de uma década para celebrar que Dakota do Sul se tornou um estado dos Estados Unidos. Entretanto eles precisam enfrentar as mudanças do tempo e isso é somado às antigas rivalidades.

Leia também: Sem medo da rejeição, astro português lança música com Nego do Borel

Para alegria dos fãs, muitos atores da série estão de volta ao elenco como Ian McShane, Timothy Olyphant, Molly Parker, Paula Malcomson, John Hawkes e muitos outros. A novidade no elenco do filme é Jade Pettyjohn que interpreta Caroline. A série foi exibida entre 2004 e 2006, contou com 36 episódios e foi indicada a 28 prêmios Primetime Emmy e venceu oito.

  • Críticas importam?

Com um novo álbum tão diferente, a Circa Waves pode ter dividido opiniões e quanto às críticas, Sam Rourke é direto e diz que não se preocupa com elas. “É bom ter críticas boas e ruins, elas são engraçadas. Ouvir milhares de pessoas cantando suas músicas é a melhor crítica que você pode obter”, conclui o integrante da banda.