Tamanho do texto

Jornalista Artur Xexéo fala sobre a pesquisa para retratar a apresentadora Hebe Camargo, seu envolvimento político e controvérsias que acumulou. A coluna Bastidores destaca ainda novidades no cinema e na música

O jornalista e colunista do jornal “O Globo” Artur Xexéo conclui seu segundo mergulho na vida de uma personalidade brasileira. Se no passado o escritor já se dedicou a contar a história da novelista Janete Clair , agora ele se aprofunda na vida de uma das maiores apresentadoras da televisão brasileira: Hebe Camargo. Na biografia “Hebe”, Xexéo exibe todo o resultado da pesquisa de um ano e meio que fez sobre a vida da controversa e querida apresentadora.

Hebe Camargo é retratada em biografia assinada pelo jornalista e colunista Artur Xexéo
Claudio Augusto
Hebe Camargo é retratada em biografia assinada pelo jornalista e colunista Artur Xexéo

Leia também: Leão Lobo e outras polêmicas envolvendo Aguinaldo Silva

Conhecida por sua sinceridade e riso fácil, Hebe Camargo marcou seu nome entre os maiores do entretenimento. “Hebe era uma mulher muito espontânea, não tinha papas na língua”, conta Xexéo em entrevista ao iG . No seu ponto de vista, foi justamente por isso que ela se envolveu em tantas polêmicas. E a maioria delas estão no livro: a briga com Walter Clark, que a demitiu da Band, a ligação com Paulo Maluf e o período no qual quase foi processada pelo Congresso Nacional por iniciativa do deputado Ulisses Guimarães.

Leia também: Jeiza x Antônia: quem vence a batalha das policias gatas da TV?

Tudo isso com o apoio da família da apresentadora. De acordo com Xexéo, o filho de Hebe, Marcelo, além do sobrinho Claudio e sua esposa Helena, deram todo o apoio para sua pesquisa.

Controvérsias

Divulgação
"Hebe, a Biografia", escrita pro Artur Xexéo

“Há algo contraditório na personalidade de Hebe. Embora fosse uma mulher de comportamento avançado, era também politicamente conservadora”, desabafa o jornalista. Talvez por isso Hebe não se considerasse uma feminista, apesar de suas atitudes provarem o contrário. Para Xexéo, o feminismo de Hebe era evidente na sua vida pessoal e profissional. Como apresentadora, se destacou em um mundo dominado por homens nos anos 50. Na vida pessoal, nunca se deixou depender de nenhum parceiro.

Além disso, suas opiniões políticas eram conflituosas. “Ao mesmo tempo que marchou com Deus pela Família e Liberdade em 1964 e deu espaço no seu programa para ministros do regime militar, (...) se tornou uma porta-voz da luta contra a corrupção. Foi difícil entender como uma pessoa poderia ter essas características contraditórias”, conta.

O resultado dessas características, contradições e história de vida podem ser acompanhados no livro de Xexéo. Depois de desbravar uma história tão intensa, o jornalista ainda confessa que gostaria de escrever sobre Elis Regina . “Mas Elis já tem algumas biografias no mercado”.

Reis do Twitter

O IBOPE segue medindo, além da audiência na televisão, os comentários on-line que os programas geram, por meio do Twitter . Mesmo não tendo números tão altos na TV, “MasterChef” segue sendo o rei do camarote do Twitter. O programa, que já está na sua quarta edição, ocupou a primeira posição do ranking na última semana, com 17 milhões e 600 mil de impressões (quantidade de vezes em que os tuítes relacionados a um programa foram visualizados durante sua exibição). Desde a estreia da quarta temporada, o reality da Band já registrou mais de 278 milhões de impressões na rede social.

Aliás, a tendência é que esses números se mantenham alto. Chegando na reta final, os participantes participarão de sua última prova em grupo da temporada nessa terça-feira (11). Os oito participantes restantes terão que compreender quem são os novos imigrantes do Brasil e preparar um prato principal e uma sobremesa inspirados nas gastronomias congolesa, haitiana e síria. O time perdedor encarará uma prova de eliminação diferente, já que o capítulo marca o 100º episódio de " MasterChef " no Brasil. Por isso, os participantes estão incumbidos de fazer bolos de aniversário.

Nacional

O Longa
Divulgação
O Longa "Corpo Elétrico" foi escolhido para abrir o festival de Cinema Latino-Americano

O Festival de Cinema Latino-Americano está prestes a estrear sua 12ª edição com o filme “Corpo Elétrico”, de Marcelo Caetano. O filme, que já rodou e venceu alguns festivais latinos, faz sua estreia no Brasil na quarta-feira (26). O enredo acompanha um jovem que tenta equilibrar seu cotidiano entre o trabalho em uma fábrica de vestuários e encontros casuais com outros homens.  O roteiro é assinado por Marcelo Caetano e Gabriel Domingues, com colaboração de Hilton Lacerda (“Tatuagem”). O elenco conta com Linn da Quebrada, Marcia Pantera, Kelner Macedo e Dani Nefussi. O filme estreia em salas comerciais em 17 de agosto.

Leia também: Biografias não autorizadas: quais os limites dessa discussão?

Mais cinema

O site de compras de ingresso Ingresso.com contratou Renata Boldrini para levar conteúdo de cinema aos clientes do site. A apresentadora, que tem longa relação com o universo cinematográfico, trará conteúdos exclusivos em vídeos semanais, falará sobre as grandes estreias, os destaques em cartaz, além de entrevistas com artistas nacionais e internacionais. O programa de Renata está disponível do Youtube da Ingresso.com.

Solo

Depois de deixar o Titãs, Paulo Miklos investe na carreira solo. O músico acaba de liberar “A Lei desse Troço”, primeiro single de seu novo trabalho. Lançada pela Deck, a música foi escrita em parceria com o rapper Emicida. A faixa detalha o momento atual de Miklos, que traz “o ontem no peito”, mas “mora no agora, no agora”. A faixa conta ainda com arranjos do maestro baiano Letieres Leite. O lançamento do single marca a abertura das vendas dos ingressos para show de lançamento do álbum, que acontecerá no dia 17 de agosto, na Casa Natura Musical São Paulo. Ouça abaixo:

Comemoração

Samba da Vela celebra 17 anos na cidade de São Paulo
Divulgação
Samba da Vela celebra 17 anos na cidade de São Paulo

O tradicional Samba da Vela, que acontece em São Paulo, comemora 17 anos em 2017. Todas as segundas, na Casa de Cultura em Santo Amaro, a comunidade se reúne ao redor de uma vela para formar uma roda de samba de muito respeito. O ritual, que apresenta ao público apenas novos compositores e seus sambas autorais e inéditos, reúne cerca de 200 pessoas semanalmente. No dia 17, o movimento completa 17 anos com grande comemoração. Beth Carvalho, Diogo Nogueira, Seu Jorge, Ubirany (Fundo de Quintal), Zezeh Barbosa, Paulo Miklos, Nasi, Emicida , Criolo e muitos outros cantores, compositores e artistas já prestigiaram o evento. O microfone é aberto ao acender da vela, e enquanto ela durar, os compositores apresentam suas músicas. Durante os encontros a comunidade escolhe quais sambas serão eternizados em um caderno que fica a disposição de grandes interpretes.

Leia também: Os grandes amores de Hebe Camargo