Dennis DJ produz músicas há 23 anos
Reprodução/Instagram
Dennis DJ produz músicas há 23 anos

Desde o estouro do Bonde do Tigrão no fim dos anos 90 até os dias de hoje, Dennis DJ é o nome por trás de grandes hits do funk brasileiro. Parece até improvável alguém se manter tanto tempo no auge produzindo e tocando um gênero que se renova incessantemente, mas esta é justamente a receita de sucesso dele: estar de olho nas tendências e misturas. E, se agora, além do funk, o sertanejo, forró e a pisadinha estão bombando, é isso que Dennis vai fazer. Seu novo DVD, “O impossível”, foi lançado ontem, com grandes nomes dos gêneros do momento, como Luan Santana, Gusttavo Lima, Barões da Pisadinha, entre outros.

Entre  no canal do iG Gente no Telegram e fique por dentro das principais notícias dos famosos e da TV

"O DVD é a consolidação do trabalho que eu já venho fazendo com o sertanejo desde 2012, quando gravei “Louca, louquinha” com João Lucas e Marcelo. Foi a minha primeira grande mistura. De lá para cá, venho flertando com vários cantores. São caras e mulheres que admiro tanto!", afirma o produtor, que relembra a resistência ao gênero no Rio há alguns anos. "Olha, que ironia. Em 2009, eu fiz um remix de 'Meteoro', de Luan Santana, que estava estourada. Todas as rádios do Rio se negaram a tocar porque era sertanejo. Tive que fazer outro de funk para conseguir emplacar. Hoje estamos aí com 'Garota vip', do Wesley Safadão, e o 'Boteco do Gusttavo Lima', com 60, 70 mil pessoas só aqui. O Brasil todo já estava aderindo ao sertanejo, e acho que o Rio foi o último a aceitar. Temos uma cultura diferente, com mais pagode, funk. Mas hoje o grande pop do Brasil é a música sertaneja", diz.

Mesmo focado no lançamento, Dennis, que produz músicas há 23 anos, não deixa de olhar o que está rolando no momento. Desde 2020, ele vem fazendo remixes em homenagem a participantes do “BBB”, que bombam nas redes. Esta semana, o DJ postou um chamado “Arthura ou surta”, sobre Arthur Aguiar. Há três dias no ar, a música já foi reproduzida 22 milhões de vezes só no Instagram.

"O pessoal estava pedindo bastante e bombou. Estou assistindo. Scooby é meu amigo, Arthur também. Se qualquer um dos dois ganhar, eu vou ficar feliz", afirma ele, que quase foi colega dos caras no confinamento. "Eu fui convidado para ir para este 'BBB'. Até cheguei a pensar em aceitar. Mas eu tinha muito show marcado e, para desmarcar tudo, levaria multas violentas. Falei que era melhor deixar para depois e neguei. Não posso dizer que nunca iria. Vai que no 'BBB 30' eu estou lá?", conta.

Aos 40 anos, o DJ acha que teria o estilo “paizão” dentro do programa (“Sei cozinhar, me amarro em ficar na cozinha, dou conselho”). O produtor é pai de três, as meninas Lara, de 22, e Tília, de 18, que segue no caminho musical assim como ele. Já Dennis, de 3, é o caçulinha, da união com Bárbara Falcão, com quem ele foi casado por 13 anos. Agora solteiro, o DJ afirma que a vida continua como antes.

Leia Também

"Eu tenho fãs que me respeitam casado ou não. Até porque muita gente nem sabe que estou separado, eu que tenho que lembrar que ela é ex-mulher. Mas sou um cara muito reservado e continuo assim. Não tenho esse assédio todo que o pessoal pensa, não! (risos)".

De lá para cá

Muita gente diz que não há receita para o sucesso. Mas, para Dennis, tem sim. E ele até conta!

"Agora foco mais numa música que mande uma mensagem, que fale de um relacionamento, porque sempre dá certo. Mas dou uma apimentadinha com um palavrãozinho porque o jovem está acostumado a ouvir os funks mais pesados, de putaria. Posso falar, por exemplo, 'Você não me ama mais'. Mas qual é a gíria do momento? Revoada. Então vira 'Você não me ama mais porque está na revoada'. Estou sempre conectado ao que está rolando no momento, com os jovens, o que está acontecendo no mundo. O segredo é estar sempre atualizado".

Se o sertanejo demorou a pegar no Rio, o funk também já foi muito marginalizado por todo o país. O DJ afirma que ver todo o reconhecimento que tem agora faz passar um filme em sua cabeça.

"Minha grande explosão foi em 2000, com 'Cerol na mão', do Bonde do Tigrão. Quando falava que era funkeiro, o pessoal virava a cara. O funk depois ficou muito regional, mas, em 2012, voltei com tudo junto com Anitta, Naldo, Ludmilla... É muito bom saber que faço parte disso e ajudei a construir esse caminho".

Mas o sucesso não era uma dúvida para o DJ. "Só pensava que seria difícil. Em alguns momentos, cogitei desistir, mas nunca parei de tentar. Mesmo recebendo ‘não’, tendo portas fechadas na cara, insisti até entrar. Sinto um grande orgulho e uma sensação de dever cumprido".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários