Caio Afiune avalia vida após o
Reprodução/Instagram
Caio Afiune avalia vida após o "BBB"

Quando entrou no "BBB 21", Caio Afiune tinha dívidas, sonhava em ser famoso e trabalhava como fazendeiro. Cerca de um ano depois de entrar no reality show, o ex-BBB vive outra realidade. Segundo ele, já conseguiu juntar o valor do grande prêmio do programa, é parado por fãs na rua e trabalha principalmente como influenciador digital.

"Hoje a vida está muito corrida, a gente tem feito muita coisa e trabalhado muito. Hoje eu não consigo comandar e tomar conta das lavouras. O gerenciamento está com o meu pai e o meu tio. Não consigo acompanhar, consigo auxiliá-los quando há algum problema. Com o gado é a mesma coisa, faço compra e venda de longe. Não consigo ter a dedicação que uma fazenda precisa. Bate aquela saudade, mas por outro lado trabalhar com mídia está muito legal", diz Caio em entrevista ao iG Gente.

O trabalho do ex-BBB nas redes sociais está prestes a crescer ainda mais. Ele assinou recentemente com o escritório de agenciamento artístico de Virgínia Fonseca. Para este ano, Caio planeja projetos como o "Rancho do Bastião", no qual recebe famosos em um formato que mistura entrevistas, música e comida.

É graças a todo esse trabalho que a vida financeira de Caio mudou. Cerca de um ano e meio antes de entrar no "BBB", o fazendeiro fala que vivia "passando apertado". Ele contraiu uma dívida de aproximadamente R$ 1,2 milhão, mas após vender carros que tinha e prestar consultoria para outras fazendas diminuiu a dívida para R$ 294 mil.

Caio pode não ter levado o prêmio do programa para casa, mas nem precisou do dinheiro oferecido pela Globo para quitar a dívida. Ele conta que assim que saiu do reality assinou com um escritório e já tinha propostas de trabalho suficientes para pagar tudo o que precisava. "O primeiro centavo que eu gastei depois que eu saí da casa foi pagando essas contas, precisava tirar essa corrente das minhas costas que estava pesada", diz.

Além de quitar as dívidas, o fazendeiro já conseguiu juntar o valor do prêmio do "BBB". Caio conta que em pouco mais de dois meses de trabalho com as redes sociais conseguiu acumular R$ 1,5 milhão. 

A nova fonte de renda não é a única mudança na vida do ex-BBB. Ele conta que o trabalho como influenciador digital possibilitou que ele passe mais tempo ao lado da esposa Waléria Mota e as filhas. "Meu convívio com a Wal aumentou muito. Ela trabalhava e eu ficava na fazenda, então a gente se encontrava basicamente à noite. Hoje a Wal vai para onde eu vou. Com as meninas é a mesma coisa, trabalhava muito e só me encontrava com elas à noite. Hoje, por mais que viaje, quando volto fico o dia inteiro com elas", conta.

Leia Também

Leia Também

A fama também foi uma grande transformação na vida de Caio. Ele diz que não consegue mais ir ao mercado ou à farmácia se estiver com o tempo contado, pois geralmente encontra alguém querendo tirar uma foto e conversar e ele não gosta de não atender os fãs. "O carinho que eu recebo é muito grande, o mínimo que posso fazer é dar essa atenção", explica.

Amizades após "BBB"

Quando estava na casa mais vigiada do país, Caio ficou muito próximo de Rodolffo. Ele conta que a amizade com o cantor sertanejo acabou dando uma esfriada por conta das rotinas corridas de ambos. O fazendeiro e o cantor seguem amigos e conversam ocasionalmente, mas não com a mesma frequência que mantinham contato logo após o fim do reality show.

Caio fala que segue amigo de outros ex-colegas de confinamento. Ele diz ser bastante próximo de Arthur Picoli, Sarah Andrade, Thaís Braz e Bil Araújo. O ex-fazendeiro também garante não guardar mágoa de ninguém.

"Todo mundo foi colocado sob uma pressão muito grande. É difícil julgar aqui fora algumas coisas que aconteceram lá dentro, mas tem pessoas com quem eu nunca mais conversei", diz.

Após ter a vida transformada por participar do "BBB", Caio Afiune não descarta voltar para a televisão. Quando perguntado se aceitaria participar de um novo reality show, responde sem pensar duas vezes: "É só me chamar, bebê". Na verdade, ele já está sendo sondado. 

"No começo eu não queria, hoje sou aberto. Já conversei com muita gente participou de mais de um e as pessoas falam: 'Só não entra achando que você já sabe porque é tudo novo'. Mas depois que a gente vive aquela adrenalina, já queremos viver de novo. Ano passado teve uma proposta. Esse ano já estamos com outra já, mas ainda estamos estudando para entender o que seria interessante e se é hora certa", conta.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários