Popularizada no futebol carioca, a expressão "outro patamar" pode ser facilmente atribuída a Paulo Gustavo. Acostumado a comandar produções de sucesso, o comediante viu seu último trabalho, o longa " Minha Mãe É Uma Peça 3"  bater recordes e se tornar o filme brasileiro mais assistido da história após um mês em cartaz. Até a última análise, realizada na segunda-feira, o terceiro longa da franquia já tinha ultrapassado a marca de 10 milhões de espectadores.

Leia também: Censura? Paulo Gustavo explica por que não terá beijo gay em novo filme

Paulo Gustavo%2C intérprete de Dona Hermínia arrow-options
Reprodução Instagram
Paulo Gustavo, intérprete de Dona Hermínia

Aos 41 anos e com um currículo repleto de prêmios, Paulo Gustavo ainda se emociona em falar sobre seu sucesso. "Nossa Senhora, gente. Eu estou muito feliz e não só pelos números, mas por ter levado tanta gente para assistir uma história tão linda de amor, de tolerância e de inclusão. Feliz também de conseguir ser responsável por arrastar tanta gente para assistir o cinema nacional. É um turbilhão de coisas que estou vivendo e estou transbordando de amor", comemora o humorista, que conseguiu visibilidade ao fazer de sua mãe uma inspiração para seu trabalho.

Leia também: Paulo Gustavo celebra nascimento dos filhos: “momento mágico e único”

"É uma história sobre família. E, mais do que isso, é uma história que é totalmente legítima, porque muita coisa eu tirei da minha vida. É o meu filme mais autobiográfico" conta o ator, ao falar que a ideia para as sequências surgem de forma bem natural.

"Eu não fico pensando muito estrategicamente. Vou deixando a vida me levar e vou fazendo os trabalhos que gosto de fazer. Pode parecer clichê, mas eu acho que o segredo é você fazer o que gosta. Eu amo teatro, amo estar em cena e amo fazer as pessoas rirem. Sou assim desde criança, então é muito verdadeiro. Acho que é por isso que consigo esse retorno carinhoso do público", revela o ator, que afasta fortemente qualquer título definitivo sobre a carreira.

Leia também: Censura? Paulo Gustavo explica por que não terá beijo gay em novo filme

"Não acho que estou no auge. Primeiro que quando falam em auge, parece que vai vir um abismo depois e você vai cair. E, pelo amor de Deus, ainda falta muita coisa para conquistar. Estou feliz com tudo o que está acontecendo, mas quero fazer muitos trabalhos, conhecer muita gente e alcançar outros voos. Mas eu vou fazendo tudo com calma, não fico pensando lá na frente, não", confessa Paulo Gustavo que brinca, inclusive, sobre a ansiedade ao fazer planos distantes. "Quando fecho um produto para fazer no ano que vem, já fico gripado agora, só de pensar".

    Veja Também

      Mostrar mais