Tamanho do texto

Atriz é casada com Tiago Worcman e mora nos EUA com ele e com o filho mais novo, porém ela passa mais tempo no Brasil por causa do trabalho

Após brilhar no papel de Afrodite em “O Sétimo Guardião”, da Globo , Carolina Dieckmann estendeu seu período no Brasil para se dedicar a outros trabalhos. A atriz, que mora nos Estados Unidos com o marido, Tiago Worcman, e com o filho mais novo, José, reclamou da distância do amado em uma entrevista à Revista Quem.

Leia também: Carolina Dieckmann relembra fase careca: "Escolhida pela arte"

Carolina Dieckmann e o marido, Tiago Worcman arrow-options
Reprodução/Instagram/@loracarola
Carolina Dieckmann e o marido, Tiago Worcman


“Todo mundo fala que distância é teste. Eu vi de uma maneira tão gostosa. No começo, tinha aquele momento em que a gente ficava com muita saudade e o relacionamento ganhava uma dinâmica de novo. A gente fica, às vezes, um pouco insegura, enciumada, manda uma foto... É bom”, disse Carolina Dieckmann.

“Só que agora enjoei um pouco disso. A gente já está um pouco de saco cheio desta distância e querendo dormir de conchinha todo dia”, completou. A atriz é casada com Tiago Worcman há 12 anos.

Leia também: Carolina Dieckmann posa com o filho e fãs exaltam semelhança com o pai

Sobre viver fora do Brasil, a loira conta que possui uma rotina como a de qualquer outra pessoa. “Digo que estou passando um tempo fora, mas a minha casa é no Rio de Janeiro. Quando estou trabalhando, fico mais aqui no Brasil do que lá, e quando não estou, fico mais lá. Mas minha casa no Rio continua igual, com a menina que trabalha lá, com o jardineiro. Em Miami não tem isso”, declarou.

“Culturalmente, parece que a gente precisa de menos ajuda para dar conta na vida. Eu quem faço as coisas lá. Só não cozinho porque não sou boa nisso e porque tenho um marido excelente para isso. Inclusive, ele está ensinando o meu filho a ser excelente na cozinha também, o José faz um ovo maravilhoso no café da manhã”, afirmou.

Leia também: Fazendo topless, Carolina Dieckmann é comparada a Fernanda Lima

“Lá fora, existe um incentivo das crianças começarem a se sentirem responsáveis mais cedo, fazendo as atividades da casa também. O José já é um moço e não precisa mais de babá, faz tudo sozinho”, encerrou Carolina Dieckmann .