Tamanho do texto

Em entrevista, Chase Coleman, que interpretou Oliver no spinoff de "The Vampire Diaries", falou sobre música, política, indústria da beleza e mais

Aos 34 anos, Chase Coleman atua, canta e dirige produções. Detentor de cabelos loiros e olhos claros, o artista ganhou grande notoriedade por interpretar Oliver, o lobisomem cruel em “The Originals” - spinoff de “The Vampire Diaries” - e Billy Winslow, o motorista da máfia, em “Boardwalk Empire”, da HBO

Leia também: HBO e Netflix lideram indicações ao Emmy 2019; confira a lista completa

Chase Coleman arrow-options
Reprodução / Instagram
Chase Coleman

Sobre trabalhar com Stephen Graham, intérprete de Al Capone em “ Boardwalk Empire ”, Chase Coleman não poupa elogios: “Ele é maravilhoso, quando conheci, ele já atuava há anos. Ele é uma ator fantástico. Então, poder aprender com ele foi uma benção que virou realidade”. 

Leia também: Há espaço para todos os formatos, diz executivo sobre futuro pós-GoT

Ao falar de Oliver, o lobisomem descamisado que é considerado um galã para muitos, Chase demonstra timidez: “Bem, faz meu coração transbordar um pouquinho, mas eu fico grato, me sinto um pouco tímido também (risos)… enfim, é bom! Além disso, eu gosto de poder expressar meu corpo artisticamente e o Oliver me deu esta oportunidade”. 

Em seguida, o ator completa ressaltando que, apesar de ser tímido, usar pouca roupa não é um problema: “Quando me disseram que eu teria cenas sem camisa, não me preocupei, apenas é o que é, eu curti a ideia e não deixei de aproveitar o momento”. 

O perfil de Coleman no IMDB é repleto de projetos, porém, sua posição nos créditos muda constantemente. Ora está na direção, ora está no elenco e às vezes pode estar na trilha sonora. Cheio de talentos, ao ser questionado se têm uma vertente que gostaria de explorar mais, o artista não pestaneja.

“Dança, eu quero dançar mais. Não tenho muitas experiências e habilidades nessa área. Eu tive algumas aulas em Los Angeles, mas eu quero mais, quero poder levar esse conhecimento para os sets e para os palcos”. Perguntado se aceitaria um convite para participar do “Dancing With The Stars”, versão de “Dança dos Famosos”, o ator se esquiva: “Não, sem chance”.

Política e indústria da beleza

Chase Coleman arrow-options
Reprodução / Instagram
Chase Coleman

Sendo esta sua terceira vez no Brasil,  a reportagem indagou Chase sobre seu conhecimento sobre o panorama político atual do País. Em tom mais reticente, ele dissertou.

“Sim, eu ouço muita coisa. Eu fiz muitos amigos quando vim aqui há alguns anos, eu não leio sobre isso frequentemente, nem sei tudo sobre o assunto, mas estou familiarizado, é um tempo turbulento e preocupante para o Brasil, e eu sei que algo precisa ser feito na política”. 

Mudando de assunto, Chase aborda o universo da fama e revela se já foi cobrado a seguir algum padrão de beleza. “Nunca me disseram: ‘Ah, você é muito magro ou muito gordo’, porém, eu já ouvi coisas das quais eu não posso controlar, como: ‘Você é muito baixo, muito loiro ou… seu tom de pele é muito claro’. É complicado”. 

Americano de coração brasileiro

Apaixonado pelo Brasil, o artista não deixa seus admiradores na mão. No último sábado (27) ele fez um pocket show em São Paulo, onde apresentou parte de seu repertório fonográfico e ainda performou uma música inédita. 

Leia também: HBO exibe documentário polêmico sobre Michael Jackson e abusos sexuais em março

Misterioso sobre seu futuro no mundo das artes cênicas, Chase Coleman esbanja ao prometer novidades na carreira musical: “Assim que retornar [aos EUA] produziremos o clipe da canção Lost in You … então fiquem atentos”, finalizou o astro de " The Originals ".