Tamanho do texto

A atriz Maria Clara Spinelli utilizou seu perfil do Instagram para expôr sua opinião a respeito do desemprego trans, principalmente no meio artístico

A atriz Maria Clara Spinelli, conhecida principalmente por sua atuação em " A Força do Querer ", onde interpretou Mira, utilizou as redes sociais na última terça-feira (21) para falar seriamente sobre o desemprego de pessoas transgêneros no mercado artístico.

Maria Clara Spinelli foi a primeira atriz trans a interpretar um personagem cisgênero na teledramaturgia brasileira
Reprodução/Instagram
Maria Clara Spinelli foi a primeira atriz trans a interpretar um personagem cisgênero na teledramaturgia brasileira

Leia também: Diversidade: transsexuais completam o time do último Miss Bumbum

Maria Clara Spinelli compartilhou no Instagram uma frase dita pelo escritor João Nery: "Não basta ter nome, você tem que ter casa e emprego, e ninguém dá emprego para pessoa trans". A legenda que segue a publicação foi escrita por meio de um desabafo, no qual a artista aponta a dificuldade de encontrar emprego.

A atriz começa o seu discurso dizendo que está sem trabalhar desde o fim da novela da Globo na qual atuou em outubro do ano passado. "Os produtores de elenco nunca respondem nada, nunca justificam porque não sou sequer selecionada para testes para personagens que não são transgêneros", escreveu.

"Meu empresário disse que isso lembra a experiência que ele teve, há muitas décadas atrás, trabalhando com modelos negras. Elas também não eram vistas", ressaltou, trazendo à tona a raridade em interpretar personagens cisgêneros: "Com exceção de Glória Perez e da Rede Globo , nunca me ofereceram nenhum personagem que não fosse transgênero".

Maria Clara Spinelli interpretou Mira na novela "A Força do Querer"

Maria Clara Spinelli interpretou Mira (Secretária e braço direito de Irene) na novela
Divulgação/TV Globo
Maria Clara Spinelli interpretou Mira (Secretária e braço direito de Irene) na novela "A Força do Querer", da Globo

Leia também: Candidata do Miss Bumbum deixa concurso por participação de mulheres trans

A atriz se refere ao fato de ter interpretado personagens trans em trabalhos como "Salve Jorge" (2012) e "Carcereiros" (2018). Viver na pele de uma personagem cis (que se identifica com o gênero que nasceu) foi uma novidade para Maria. Algo que, inclusive, não se repetiu depois de sua atuação da trama.

A publicação ainda deixa clara o quão insatisfeita Maria está em relação ao cenário artístico: "Bem, se para o mercado eu só tenho capacidade de fazer personagens transgêneros, então, talvez, não exista uma carreira para mim. Nenhuma atriz sobrevive apenas fazer personagens transgêneros, não existem tantos assim", disparou.

Leia também: Scarlett Johansson é alvo de críticas por viver homem trans em filme

Sobre interpretar apenas personagens transgêneros, Maria Clara Spinelli se posicionou contra. "Eu não sou um estereótipo e não aceitaria isso", escreveu. "E, embora eu ache cedo demais, se minha carreira como atriz se encerrasse aqui, tudo já teria valido a pena", a atriz concluiu.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.