Tamanho do texto

Beyoncé escolheu o jovem fotógrafo Tyler Mitchell, de 23 anos, para fazer parte da edição histórica da Vogue. A cantora falou sobre as dificuldades na gravidez, autoaceitação, carreira e relação com a família; confira a entrevista

Beyoncé sempre preservou sua intimidade e poucas vezes revelou detalhes da sua vida pessoal, mas, ao estampar a histórica capa da Vogue  em setembro, a diva do pop mundial falou sobre as dificuldades que teve durante a gestação dos gêmeos Sir e Rumi Carter, relação com o próprio corpo, família, apresentação no Coachella e carreira. 

Leia também: Em momento raro, Beyoncé compartilha foto com gêmeos

Beyoncé estrela capa histórica da Vogue
Reprodução/Instagram
Beyoncé estrela capa histórica da Vogue


Com a fotografia assinada pelo jovem artista negro  Tyler Mitchell , 23 anos, escolhido pela própria Beyoncé , a cantora ressaltou a importância de abrir as portas para que outros artistas negros mais jovens também possam ser vistos, relembrando o começo da sua carreira. 

Reprodução/Instagram
"É importante para mim que eu ajude a abrir portas para artistas mais jovens", diz Beyoncé em entrevista a revista Vogue

"Quando eu comecei, 21 anos atrás, me disseram que era difícil para eu entrar em capas de revistas porque os negros não vendiam. Claramente isso foi provado um mito. Não só é um afro-americano na capa do mês mais importante para a  Vogue , esta é a primeira capa da  Vogue  tirada por um fotógrafo afro-americano". 

Beyoncé, nascida e criada em Houston, no Texas, também acentuou a relevância que outras artistas negras como Josephine Baker, Nina Simone, Eartha Kitt, Aretha Franklin, Tina Turner, Diana Ross e Whitney Houston tiveram na sua carreira e planeja seguir os seus passos, abrindo portas para a próxima geração. 

Leia também: Jay-Z, Bruno Gagliasso e os famosos que traíram e foram perdoados

Momentos difíceis na gravidez e autoaceitação

Mãe de três filhos, fruto do seu relacionamento com o também astro Jay-Z, Beyoncé falou sobre a pressão que sofreu após o nascimento da primogênita, Blue Ivy, revelando que ainda estava amamentando quando realizou a turnê Revel Presents, em Atlantic City, em 2012. A estrela disse que abordou as coisas bem diferente após o nascimento dos gêmeos

"Eu tinha 98 quilos no dia em que dei à luz Rumi e Sir. Eu estava inchada e em repouso por mais de um mês. Minha saúde e a saúde de meus bebês estavam em perigo, então eu tive uma cesariana de emergência. Passamos muitas semanas na UTI Neonatal", conta ao lembrar do apoio que teve do marido Jay-Z: "Meu marido foi um soldado e uma base de apoio tão forte para mim. Tenho orgulho de ter sido testemunha de sua força e evolução como homem, melhor amigo e pai". 

Reprodução/Instagram
"Eu precisava de tempo para me curar, para me recuperar", diz Beyoncé após o nascimento dos seus gêmeos Sir e Rumi Carter












Sendo considerada uma das mulheres mais podersosas e mais bonitas do mundo, a estrela do pop contou que precisava de tempo para se curar e recuperar, que praticou amor próprio e aceitou o seu corpo mais curvilíneo após a gravidez. 

"Eu aceitei o que meu corpo queria ser. Depois de seis meses, comecei a me preparar para o Coachella. Eu me tornei vegana temporariamente, abri mão de café, álcool e todas as bebidas de frutas. Mas eu fui paciente comigo mesma e aproveitei minhas curvas mais cheias. Meus filhos e meu marido também."

Beyoncé também ressaltou a importância de que as "mulheres e homens vejam e apreciem a beleza em seus corpos naturais", escolhendo estampar a capa da Vogue sem perucas ou extensões de cabelo e pouca maquiagem seguindo esse pensamento. 

Leia também: Grammy mais negro da história tenta superar racismo velado da premiação

Beyoncé mais poderosa! 

Reprodução/Instagram
"Eu estou aceitando quem eu sou. Vou continuar a explorar cada centímetro da minha alma e cada parte da minha arte", desabafa Beyoncé.

Explorando fortemente sua ancestralidade em seu álbum "Lemonade" e nas suas recentes obras,  Beyoncé contou que pesquisou a respeito das suas origens para conhecer profundamente a sua história.

"Eu pesquisei minha ascendência recentemente e aprendi que eu venho de um proprietário de escravos que se apaixonou e se casou com uma escrava. Eu tive que processar essa revelação ao longo do tempo. Eu questionei o que significava e tentei colocar isso em perspectiva". 

Com uma carreira vitoriosa e cheia de recordes, a diva contou que por meio de tudo que passou se considera hoje uma pessoa muito mais bonita, sexy, interessante e muito mais poderosa. 

O empoderamento feminino também foi ressaltado, onde a cantora demostrou que deseja que suas filhas, Blue e Rumi, "possam falar o que pensam e não ter limites" e como meninas negras, se sentirem representadas em diversas áreas. Para seu filho Sir, Beyoncé diz que deseja os mesmos ideias, acrescentando que ele possa ser sincero e honesto. 

Por fim, a cantora ressaltou que está aceitando verdadeiramente quem é: "(...) Vou continuar a explorar cada centímetro da minha alma e cada parte da minha arte. Eu quero aprender mais, ensinar mais e viver integralmente. Eu trabalhei muito para conseguir chegar a um lugar onde eu possa escolher me cercar do que me satisfaz e me inspira", finalizou Beyoncé