Tamanho do texto

Produções premiadas como "Homeland" e "Atlanta" e apostas nacionais como "Me Chama de Bruna", a FOX tem um portfólio caprichado de séries

Desde que a Netflix mudou o paradigma do consumo de audiovisual todo mundo começou a se movimentar para ter sua própria plataforma de streaming de maneira rentável e sedutora para o consumidor. Essa tendência é vista principalmente pelos canais tradicionais, a cabo ou da TV aberta. HBO, Globo, Telecine, FOX, entre outros se movimentam para não só oferecer um conteúdo multitela, mas para atender à demanda de um público que sabe que a internet mudou o acesso a filmes e séries.

Leia também: Maria Bopp conta como se transformou em Bruna Surfistinha para série da Fox

As dez melhores séries disponíveis no app da FOX
Divulgação
As dez melhores séries disponíveis no app da FOX


Nesse contexto, a FOX saiu na frente. A empresa percebeu rapidamente o potencial das séries que distribui no Brasil e atacou em duas frentes. No streaming e na TV por assinatura, que vive momento de crise prolongada. Criou o Fox Premium, um canal Premium distribuído em praticamente todas as operadoras de TV por assinatura – das grandes, apenas a Sky não o distribui – e fez de sua plataforma na internet um trunfo. Em seu app, disponibiliza todos os episódios de suas séries – mesmo aquelas que são exibidas gradativamente semana a semana.

O app agrega todo o conteúdo dos canais FOX e quem é assinante do Fox Premium tem acesso a séries completas.

O próximo passo nessa estratégia é reconquistar a exclusividade de algumas séries que estavam licenciadas para a Netflix. A partir de 1º de julho, “Sons of Anarchy”, “How I Met Your Mother”, “American Horror Story”, “Prison Break”, entre outras, deixam o catálogo da Netflix. Mesmo antes de essas séries serem disponibilizadas unicamente no app da FOX, já é possível encontrar muita coisa boa por lá. E só por lá!

A seguir, as dez melhores séries disponíveis no app da FOX:

“The Girlfriend Experience”

“The Girlfriend Experience”
Divulgação
“The Girlfriend Experience”


Adaptada do filme homônomo de 2011, no Brasil batizado “Confissões de uma Garota de Programa”, de Steve Soderbergh, que é produtor executivo da série, o programa acompanha a rotina de Cristine (a excelente Riley Keough) que quando não está na faculdade ou no estágio, atende executivos como Chelsea.

A série é um inteligente e problematizante drama salpicado por momentos de sensualidade e erotismo mostrando como a impulsividade de Chelsea impacta na vida de Cristine. A primeira temporada, com 13 episódios de meia hora de duração cada, está integralmente disponível. O segundo ano chega em 2018.

“Blunt Talk”

“Blunt Talk”
Divulgação
“Blunt Talk”


Patrick Stewart, o professor Xavier da franquia “X-Men” e o Capitão Picard de “Star Trek”, vive Walter Blunt, um escroque inglês com um programa de entretenimento na TV americana. Blunt se acha no direito de catequizar os americanos e a composição de Stewart é um achado.

A série, que tem suas duas temporadas disponíveis no aplicativo, é afiada no humor inglês. Cheia de cinismo e sarcasmo, “Blunt Talk” é uma sátira aguda do show business americano.

“Taboo”

Divulgação
"Taboo"


Originalmente concebida como uma minissérie, a produção estrelada por Tom Hardy acaba de ter confirmada uma segunda temporada. Hardy vive James Delaney, um homem taciturno que volta à Londres do século XIX após a morte do pai para garantir os seus interesses em detrimento dos interesses da coroa inglesa em relação ao comércio de peles nos EUA. Brutal e surpreendente, “Taboo” , uma produção original do FX, é indicada para os fãs de épicos e produções históricas.

“Atlanta”

“Atlanta”
Divulgação
“Atlanta”


Se Donald Glover é o cara, “Atlanta” é a série.  Vencedora do Globo de Ouro de melhor comédia em 2017, a série, cujos 10 episódios do primeiro ano estão disponíveis, aborda as tentativas de Earnest “Earn” Marks (Glover) de levar a vida na Atlanta do título – e estourar na música junto com o primo que produz.

A cultura negra é o eixo central da série que brinca com lugares comuns e preconceitos de uma maneira espirituosa e inteligente.

“Legion”

Divulgação/FOX
"Legion"


Criada por Noah Hawley, a mesma mente por trás da sensacional “Fargo”, “Legion” é, no papel, uma série inserida no universo mutante, mas nada é tão simples nessa que é uma das produções mais elogiadas do ano. Os oito episódios do primeiro ano da série, que na TV foi exibida pelo FX, estão disponíveis no app.

David Heller, vivido por Dan Stevens, que foi a fera da Bela Emma Watson no cinema, tem a mente mais poderosa do mundo – mas talvez seja louco. Essa é a premissa para uma história sempre surpreendente e que empresta as premissas do universo mutante para criar algo genuinamente novo e excitante.

Leia também: "Legion" faz boa transição do universo de "X-Men" para a TV

“The Young Pope”

Divulgação
"The Young Pope"


Essa talvez seja a série narrativamente mais sofisticada do ano – e mais ambiciosa também. Uma inesperada, mas aguardada, segunda temporada está a caminho. Jude Law vive o primeiro papa americano e o mais jovem também. Autoritário, conservador e reformista, ele é um desafio para o alto clero da igreja que mesmo inveterado no jogo político parece refém do pontífice que pode ou não acreditar em Deus. A produção assinada pelo cineasta Paolo Sorrentino é um deleite e um abuso. Não necessariamente nesta ordem.

Leia também: Jude Law é papa jovem, centralizador e com a fé na berlinda em "The Young Pope"

“Homeland”/"Tyrant”

“Homeland”/”Tyrant”
Dovulgação
“Homeland”/”Tyrant”


Sim, são duas séries colocadas juntas. No entanto, elas são complementares. “Homeland” dispensa apresentações. A série que começou sendo exibida no FX e migrou para o Fox Premium está inteiramente disponível no app. As seis temporadas da série protagonizada pela excelente Claire Danes captura o status quo da América, de Bush a Trump, com um brilhantismo raro –ainda que tenha apresentado anos irregulares. Os bastidores da inteligência americana, Danes faz uma agente da CIA bipolar, garantem a eletricidade do drama que já ganhou Emmy e Globo de Ouro.

Já “Tyrant”, que tem em seus créditos produtores de “Homeland”, acompanha um país fictício do Oriente Médio rico em petróleo e refém de um ditador. Lembra de algum país assim? As referências são múltiplas e pródigas. “Tryant” teve um excelente primeiro ano, em que fez de um conflito essencialmente político um drama familiar, mas depois desandou. De todo modo, as três temporadas da série valem a espiada. Apenas a 2ª e a 3ª estão disponíveis no aplicativo.

“Me Chama de Bruna”

Divulgação
"Me Chama De Bruna".


Depois de ganhar um filme, a famigerada Bruna Surfistinha ganhou uma série. A produção é mais livre do que o filme na recriação dos fatos da vida da ex-garota de programa e justamente por isso mais recomendável. É um olhar bastante atraente sobre uma vida que dá pano para a manga – e para a ficção. Maria Bopp é puro magnetismo. O primeiro ano completo da série, que inicia a produção do segundo em breve, está disponível.

Leia também: Depois de virar filme, Bruna Surfistinha ganha série na TV

“Feud: Bette and Joan”

“Feud: Bette annd Joan”
Divulgação/FOX
“Feud: Bette annd Joan”


Parece razoável incluir uma série de um dos homens mais poderosos da indústria do entretenimento atual. A primeira temporada de mais uma empreitada bem sucedida de Ryan Murphy é uma dessas preciosidades que valem a definição de que a TV americana vive sua era de ouro. “Feud” foca na rivalidade entre duas estrelas de cinema do passado, Bette Davis (Susan Sarandon) e Joan Crawford (Jessica Lange). Da direção de arte ao elenco, tudo é sublime. Para quem gosta de cinema e TV, um programa imperdível.